Cidadania

Projeto ensina a pedalar e estimula uso da bicicleta como meio de transporte

ONG Bike Anjo, em Brasília, conta com 160 voluntários e já atendeu gratuitamente mais de 600 pessoas de todas as idades e classes sociais para estimular o ciclismo

Tags:
#voluntariado bicicleta ciclismo

A bicicleta é um meio de transporte dinâmico e democrático, utilizado em grande parte do planeta. Por ser ecologicamente correto, tem ganhado adeptos a cada dia. Para ensinar aqueles que ainda não aprenderam a andar de “camelo” e auxiliar quem deseja utilizar a bicicleta como meio de transporte foi criada em 2010 a ONG Bike Anjo, na cidade de São Paulo.

Rapidamente o projeto se espalhou e atualmente está presente em 250 cidades do Brasil e em 5 países (Equador, França, Estados Unidos, Austrália e Portugal). Em Brasília, o projeto se consolidou e desde agosto de 2013 é realizada a Escola Bike Anjo (EBA) na Praça do Índio, sempre no último domingo do mês, quando voluntários se reúnem para ensinar quem ainda não sabe pedalar.

Além da EBA, a ONG Bike Anjo orienta ciclistas a traçar rotas mais seguras, a sinalização no trânsito e dicas para adquirir bicicletas e equipamentos, além de campanhas de conscientização e eventos em datas comemorativas, como o Dia Mundial Sem Carro e Dia Mundial em Memória das Vítimas de Trânsito, conta Yuriê Batista, 31 anos, diretor da União de Ciclistas do Brasil. No Distrito Federal são cadastrados 160 voluntários, dos quais 20 são os mais atuantes.

Metodologia envolve passos progressivos. Primeiro, o aluno anda na bicicleta sem pedais para adquirir equilíbrio e só depois pedala.

Metodologia envolve passos progressivos. Primeiro, o aluno anda na bicicleta sem pedais para adquirir equilíbrio e só depois pedala

Em Brasília, diversos projetos visam estimular a adoção da bicicleta como meio de transporte, entre eles, o sistema de compartilhamento do Banco Itaú. As bikes laranja espalhadas por Brasília estimularam a cientista política, Thais Marques, 30 anos, a procurar a Bike Anjo para voltar a pedalar. “Minha bicicleta foi roubada na infância e nunca mais andei. Não tinha coragem, não sabia se eu ainda sabia andar. Perguntei a um grupo de amigas quem poderia me ajudar e me indicaram a Bike Anjo”, conta.

O servidor público Anderson Paz, 30 anos, é voluntário do projeto e estima que mais de 600 pessoas já foram atendidas pela Bike Anjo. Grande parte do público atendido é de mulheres com mais de 40 anos, entretanto, não existe qualquer restrição de idade para participar. Para aprender, basta chegar e se inscrever na hora. A grande maioria dos alunos aprende a pedalar já na primeira aula.

Graça Pinheiro, aposentada, 64 anos, tinha medo de pedalar, mas em pouco tempo conseguiu dar voltas na praça sozinha. Procurou o projeto após o marido prometer comprar uma “magrela” de presente. “Eu quero liberdade. Meu sobrinho sempre participa de passeios no Jardim Botânico e eu também quero participar”.

A analista de sistemas, Lorena Brasil, 38 anos, levou os dois filhos, Luiz Felipe, de cinco, e Cecília, de sete anos, para aprender a andar de bicicleta com os “anjos”. “Às vezes, usamos técnicas erradas. A gente aprendeu na marra e quer que eles aprendam também. Cecília não queria nem empurrar a bicicleta e agora já está mais íntima. Aqui eles ensinaram passos progressivos e está dando certo”.

10.Solicitações de atendimento podem ser feitas através do site, da página no Facebook e por e-mail

Solicitações de atendimento podem ser feitas através do site, da página no Facebook e por e-mail

Mobilidade urbana

A ONG já realizou atividades em parceria com o Detran. Em 2015, a Bike Anjo promoveu a campanha “De Bike Para o Trabalho”, em parceria com a ONG Rodas da Paz, e voluntários orientaram o percurso do governador Rodrigo Rollemberg de casa até o Palácio do Buriti.

O último relatório do Sistema de Informações da Mobilidade Urbana, da Associação Nacional de Transportes Públicos, aponta que o uso de bicicletas como meio de transporte dobrou em dez anos. Em 2014, ano da divulgação do estudo, eram realizadas 2,6 bilhões de viagens por ano de bicicleta.

“A gente acredita que é uma forma de dialogar com a cidade melhor. Nós mostramos que é possível viver sem carro, desfrutando a cidade. É uma forma diferente de se relacionar com o ambiente e com as pessoas”, defende Yuriê.

Serviço:
Escola Bike Anjo
Site: bikeanjo.org
E-mail: bikeanjodf@gmail.com
Página no Facebook: facebook.com/bikeanjodf

Deixe uma resposta

Comportamento
Símbolos satanistas são normalmente usados pelas bandas Fãs e músicos do Black metal reclamam de tabu
Ciência e Tecnologia
O estudante que tem utilizado a realidade virtual para melhorar seus trabalhos e se destacar na arquitetura Realidade virtual ganha espaço na arquitetura
Cultura
Fotografia de Roger Ballen Exposição apresenta as fotografias grotescas e bizarras de Roger Ballen

Mais lidas