Ciência e Tecnologia

Estudantes de robótica desenvolvem próteses para animais

Parceria entre Sesi Gama e UnB já atendeu gratuitamente cachorros, gatos, passarinhos, tartarugas e até coelhos

Um projeto em parceria entre o Sesi Gama e a Universidade de Brasília garante próteses gratuitas para animais que tiveram algum tipo de amputação. É o “The Walking Pets”, iniciativa selecionada para um concurso internacional de robótica que aconteceu entre os dias 4 e 7 de maio deste ano. Professor e coordenador de Robótica do SESI responsável pelo desenvolvimento do projeto Atos Reis explica que a iniciativa surgiu através do torneio de robótica no qual o tema proposto era a necessidade de encontrar uma interação entre homem e animal e solucionar esse problema. “A gente percebeu o quanto é caro comprar uma cadeira de rodas ou qualquer mecanismo para ajudar o animal a se movimentar, nossa solução foi exatamente essa, produzir gratuitamente essas próteses”.

O professor também diz que não esperava que o projeto ganhasse grandes proporções. “Fizemos uma divulgação simples pela página do facebook e um dia depois tivemos 2,5 milhões de visualizações e mais de 44 mil compartilhamentos. A gente não esperava. Com isso tivemos que correr atrás de voluntários e verba para o projeto”.

Médica veterinária, Maira Formenton especializada em fisioterapia e reabilitação enfatiza a importância das próteses na vida dos bichinhos “Quando ocorrem acidentes, ou até mesmo malformações que levam a perda funcional de um ou mais membros, a deambulação assistida torna-se essencial. Um animal que perdeu parte de um membro, por exemplo, sem a colocação de uma prótese na parte residual, poderia perder este membro ou até mesmo levar a uma amputação total”. Ela também explica que nem todos os animais se adaptam bem as próteses “Primeiramente deve se realizar uma avaliação, para verificar se será possível a colocação da prótese, depois a prótese requer um período de adaptação e fisioterapia para a perfeita integração com o aparelho”.

Os alunos que estão participando da quarta temporada do Torneio de Robótica da First Lego League (FLL) possuem um site próprio onde conseguem atender a demanda de próteses do DF e até de outros estados do Brasil. Atualmente existem mais de 250 animais na lista de espera do projeto.   Através da plataforma online, o dono que necessita de ajuda faz um cadastro com especificações sobre seu animal e as descrições são enviadas para voluntários que produzem gratuitamente a prótese sob medida.

O professor diz que o projeto atende a todos os tipos de animais, de pequenos e grandes portes e não se restringem a cachorros e gatos como todos pensam. “Já atendemos passarinhos, tartarugas, coelhos … Uma série de animais diferentes depende muito dos voluntários”.

Serviço

Para colaborar e solicitar uma próteses basta acessar o proteseanimal.com.br

Deixe uma resposta

Saúde
Anoushe Duarte aposta na acupuntura para o tratamento da hérnia de disco Aumento de peso na gravidez pode contribuir para ocorrência de hérnia de disco
Ciência e Tecnologia
Pauta 3 - 01 Na briga por clientes, restaurantes apostam em forma alternativa de publicidade
Esporte
Formação antes do início do treino da Legião Teutônica da Casa Germânica. Lutas medievais são praticada em Brasília

Mais lidas