Meio Ambiente

Desativação do Lixão da Estrutural está com data marcada

Previsto para outubro de 2017 a iniciativa será um ganho ambiental e social para a população; segundo o SLU o trabalho de monitoramento ambiental vai durar cerca de três décadas

Tags:
#lixão #MeioAmbiente #sustentabilidade

Com o título de maior lixão a céu aberto da América Latina, o Lixão da Estrutural recebe milhares de toneladas de lixo todos os dias. A área está sendo desativada aos poucos, mas já tem data para seu fechamento: outubro de 2017. Mesmo com seu fim, será necessário um longo trabalho ambiental para corrigir os malfeitos da má gestão de resíduos. A montanha de lixo já passa de 40 metros de altura.  O trabalho de monitoramento ambiental vai durar cerca de três décadas segundo o Serviço de Limpeza Urbana do Distrito Federal (SLU).

O lixão fica ao lado do Parque Nacional de Brasília, reserva ecológica com mais 40 mil hectares e bacias que fornecem cerca de 25% da água do DF. Ele existe desde a década de 60. Segundo Gustavo Salgado, especialista ambiental da Universidade de Brasília, o aterro traz grandes problemas ambientais. “Ele causa sérios problemas ao meio ambiente, no solo, na água e no ar”. O especialista explica que um deles é a enorme quantidade de chorume produzido no local, um líquido poluente que é 120 vezes mais nocivo que o esgoto doméstico. “Este líquido vai para o solo e começa a prejudicar a qualidade das águas subterrâneas, o lençol freático, etc”.

“Brasília é uma cidade que comporta o título de capital da Republica, e deveria dar o exemplo pro resto do país. Ostenta o título de Patrimônio Cultural da Humanidade e é um péssimo exemplo na gestão de lixo”, desabafa Salgado.

Segundo Guilherme de Almeida, assessor especial da diretoria geral do SLU, “o fechamento do lixão não é um fechamento total”, não será de uma hora para outra, e sim gradativo. O encerramento, que está marcado para outubro, vai acabar com o despejo de lixo doméstico, e encerrar o trabalho dos catadores de materiais recicláveis, um marco para a cidade.  “Nós temos um dos maiores lixões do mundo e isto vai dar uma nova cara à cidade. Vamos poder dizer que não temos mais o lixão”, declara Almeida. Porém resíduos sólidos, como o da construção civil, por exemplo, ainda serão despejados no local.

Para conter impactos ambientais na área o SLU faz monitoramentos mensais para verificar a qualidade da água, por exemplo. Almeida explica que nos próximos 30 anos o governo terá de fazer avaliações e cuidados especiais na região para evitar mais impactos no local. “Todas as questões de poluição da água, solo e do ar tende a serem diminuídas até estancar todas estas contaminações”, afirma.

A população torce para que o lixão seja definitivamente desativado. A presidente da Associação dos Produtores do Núcleo Rural da Cabeceira do Valo, Nelci Costa, trabalha há 22 anos como agricultura. O Núcleo Rural da Cabeceira do Valo fica a menos de 50 metros do lixão e vê com grande avanço o fim das operações. “Estão tirando algo que há 22 anos (que trabalho aqui) prejudica”, relata Nelci.  O agricultor João Barbosa, 61 anos, conta que a saída do lixão será bastante positiva. “Traz tudo de bom, porque tem a horta aqui perto e vai acabar todos esses problemas que tem, como excesso de moscas e o perigo do chorume”. E completa: “a saída dele é nota dez para nós”.

Um problemas causado pelos maus cuidados com o lixo foi o caso da Escola Classe 1 da Estrutural. Em 2012 a escola, que fica na zona central da cidade, foi interditada por causa de uma alta concentração de gás metano. Um gás muito forte produzido pelo lixão. O Corpo de Bombeiros Militar do Distrito Federal e a Defesa Civil constataram o vazamento, que vinha do subterrâneo. Após quatro anos a escola foi reaberta, e hoje abriga cerca de 1,1 mil alunos. Para garantir a segurança dos profissionais e alunos a Secretaria de Educação instalou um equipamento para filtragem do ar. O investimento aproximado foi de R$ 500 mil.

Lago de chorume do Lixão da Estrutural. Segundo especialistas o líquido poluente é 120 vezes mais nocivo que o esgoto doméstico

Lago de chorume do Lixão da Estrutural. Segundo especialistas o líquido poluente é 120 vezes mais nocivo que o esgoto doméstico

Transição para o novo aterro sanitário

“O nosso principal instrumento de gestão de lixo é o lixão, o que é uma vergonha do ponto de vista ambiental e social”, declara Gustavo Salgado, da UNB.  Segundo o especialista o funcionamento do novo aterro vai ser um ganho para o DF. “O aterro funcionando plenamente eliminaria a possibilidade de existir o lixão.” O aterro sanitário é um elemento tecnicamente adequado para tratar o lixo.

Cerca de três mil catadores trabalham no lixão. Com o fim das atividades o governo promete construir ou alugar galpões para reciclagem de materiais. 1,2 mil catadores de materiais recicláveis que trabalham no aterro vão receber um subsídio do governo no valor de R$360,75 por seis meses, que é o período de transição.

O prazo estipulado pela Lei da Política Nacional de Resíduos Sólidos para que o lixo passasse a ser armazenado em lixões expirou em 2 de agosto de 2014. O novo aterro sanitário Oeste fica em Samambaia e funciona parcialmente.

O aterro de Samambaia foi projetado para comportar 8,13 milhões de toneladas de lixo. Apenas rejeitos serão depositados na área, e não haverá a presença de catadores, já que o material encaminhado para lá não é mais passível de reciclagem.

O subsecretário de resíduos sólidos da Secretaria do Meio Ambiente, Jorge Oliveira, conta que a pasta está coordenando um estudo com a UNB, em parceria com a CEB (Companhia Energética de Brasília), formas sustentáveis de geração de energia elétrica na região onde se encontra o Lixão da Estrutural. “É possível obter energia através da biomassa (parcela orgânica do lixo) que está acumulada ali durante anos”. O subsecretário também cita formas de aproveitamento fotovoltaico. “É possível ter painéis solares que aproveitem esta área e produza energia em paralelo com a biomassa que tem no local”. Por muitos anos não será possível realizar diversas atividades de uso humano na região, como a construção de moradias, por exemplo.

    Deixe uma resposta

    Saúde
    Anoushe Duarte aposta na acupuntura para o tratamento da hérnia de disco Aumento de peso na gravidez pode contribuir para ocorrência de hérnia de disco
    Ciência e Tecnologia
    Pauta 3 - 01 Na briga por clientes, restaurantes apostam em forma alternativa de publicidade
    Esporte
    Formação antes do início do treino da Legião Teutônica da Casa Germânica. Lutas medievais são praticada em Brasília

    Mais lidas