Cidadania

Mechas de cabelos viram perucas para pacientes em tratamento oncológico

Doação de mechas de cabelo ajudam pacientes a recuperar autoestima

Simone de Oliveira sempre cuidou muito bem de seus longos cabelos. E foi uma grande surpresa para todos à sua volta quando ela apareceu com os cabelos bem curtos.  “Eu deixei os cabelos crescerem já pensando em cortar para doar”, explicou a professora de filosofia enquanto mostrava a mecha de cabelo com vinte centímetros de comprimento.

A ideia veio quando ela lia uma matéria sobre a campanha do Outubro Rosa na internet que falava sobre uma instituição que recebia doações de mechas de cabelos para confeccionar perucas para doar a pacientes oncológicos. “Minha mãe teve câncer e eu achei que era uma maneira de ajudar. É uma doença cara e tem muita gente que não pode pagar por isso. Tive uma colega de trabalho que a mãe teve câncer e não podia pagar por uma peruca. Então eu quis ajudar”, explica Simone.

Mechas utilizadas na confecção

Mechas utilizadas na confecção de perucas

 

Em uma rápida pesquisa na internet é possível encontrar várias instituições que recebem as mechas e com elas fazem perucas que são encaminhadas para doação. No país inteiro é possível encontrar sites, ONGs e salões de cabeleireiros que fazem esse tipo de trabalho, mas nem sempre a população tem acesso a esse tipo de informação.

Em Brasília, a Rede Feminina de Combate ao Câncer também recebe doações de cabelo para transformar em perucas, que uma vez prontas são doadas a pacientes carentes em tratamento oncológico no DF. As perucas são confeccionadas por um grupo de voluntárias chamado “oficina da peruca”. Para receber a peruca a paciente precisa ser cadastrada na Rede Feminina, depois é só ir até lá e escolher a que mais gostar. A Rede faz esse trabalho há seis anos e já distribuiu mais de 500 perucas. Só no ano passado foram 250. Para a coordenadora Vera Silva o trabalho na rede é essencial para a autoestima das mulheres atendidas. “Toda mulher se preocupa muito com o cabelo e a sua imagem, como se fosse uma roupa. O resultado é fantástico, autoestima lá em cima e força pra enfrentar o tratamento”, diz Vera.

Vencendo as barreiras 

A funcionária pública Zilda Veloso já passou por essa situação. Há sete anos, ao enfrentar um câncer de mama, ela viu seus cabelos caírem durante a quimioterapia. Ela foi até a cabeleireira e amiga de longa data Dorine Campelo para cortar os cabelos que ainda restaram. Com lágrimas nos olhos a cabeleireira cortou os cabelos da amiga, mas prometeu conseguir uma peruca para ela. Dorine comprou a peruca para a amiga em São Paulo e, quando Zilda já estava livre da doença, ela teve a ideia de confeccionar perucas para doar. “Eu fiz dois cursos de confecção de perucas lá em São Paulo, e o que me ajudou foi que eu já sabia um pouco de corte e costura”, explica Dorine.

Dorine durante o processo de confecção
Dorine durante o processo de confecção

 

“A peruca te dá um pouco mais de segurança, porque as pessoas te olham com medo ou com pena quando te veem careca. Com medo de você ter alguma doença transmissível ou pena por você estar doente”, conta Zilda. Para ela o uso da peruca foi muito importante durante o tratamento. Você se sente mais normal dentro dessa situação, e tem mais confiança e certeza de que vai melhorar”, completa Zilda.

A partir daí Dorine nunca mais parou. Ela entrou em contato com a Abrace e até hoje costura perucas para doar para os pacientes da instituição. Mas ela não se limita a costurar as perucas, ela também faz o ajuste, cortando e pintando de acordo com o gosto da pessoa que recebe.

Hoje, em seu salão, sempre aparecem pessoas procurando as perucas feitas por ela, que também as confecciona sob medida. “Hoje eu vejo com uma missão. É muito difícil costurar uma peruca, precisa ter muito cuidado, mas a satisfação é maior que o trabalho”.

Para se confeccionar uma peruca é preciso muito cabelo. Uma peruca leva em média 15 metros de cabelo, ou 900 gramas. Para aquelas que se interessaram na doação a única recomendação é que as mechas tenham no mínimo 20 centímetros de comprimento e estejam presas por um elástico. Todos os tipo de cabelo são aceitos.

 

Deixe uma resposta

Comportamento
Símbolos satanistas são normalmente usados pelas bandas Fãs e músicos do Black metal reclamam de tabu
Ciência e Tecnologia
O estudante que tem utilizado a realidade virtual para melhorar seus trabalhos e se destacar na arquitetura Realidade virtual ganha espaço na arquitetura
Cultura
Fotografia de Roger Ballen Exposição apresenta as fotografias grotescas e bizarras de Roger Ballen

Mais lidas