Entrevistas

Massagem tântrica, autoconhecimento por meio da busca pelo prazer

O terapeuta tântrico Uirá Costa defende que a técnica faz o praticante se despir do ego e entrar em contato com o divino

Tags:
autoconhecimento massagem íntima massagem tântrica

Uirá dos Santos Costa, 40 anos, é brasiliense e servidor público no Superior Tribunal Militar. Ele costumava fazer cursos de massagem e conheceu a massagem tântrica há 7 anos. Achou interessante e diferente de tudo o que já tinha visto em relação à massagem. Naquela época, o analista processual nunca imaginou que iria trabalhar com esse tipo de terapia.

Após fazer o curso de massagem tântrica escondido de sua esposa, Daricha Sundari, Uirá chegou em casa a fim de mostrar a técnica que havia aprendido, mas não foi fácil a convencer do que ele havia aprendido. Depois de experimentar algumas vezes a massagem, ela resolveu fazer o curso também. Desde então, os dois começaram a desenvolver o trabalho com o tantra de forma profissional.

Hoje, Prem Gurutama – nome sânscrito dado a Uirá pelo seu professor tântrico – está numa fase de transição. Acaba de entrar com um pedido de licença sem vencimento do seu trabalho na justiça militar do DF, uma vez que ele deseja se dedicar exclusivamente ao trabalho com o tantra. Confira os principais trechos do bate-papo com o terapeuta tântrico.

Como aconteceu o processo de se tornar um massagista íntimo?

O trabalho que minha esposa e eu desenvolvemos no Atman Consciência e Tantra ultrapassa muito essa questão da sexualidade. É um trabalho de vida mesmo, de trazer uma nova consciência para a jornada das pessoas. Não só aprendemos a fazer, como vivemos o tantra, como casal e como pais. Começamos a adotar isso nas nossas vidas. Ao mesmo tempo em que a gente sentiu a necessidade de não só aplicar a técnica nos outros, como ensinar os outros a fazer. A gente não trabalha apenas com o tantra, a gente trabalha com trazer consciência e mudança de paradigma de vida. Convidamos as pessoas a olhar a vida de forma diferente, trazendo aspectos da sexualidade, do relacionamento e do prazer no que faz. É um trabalho de autoconhecimento, um convite a busca da sua essência, de quem você realmente é.

O tantra tem a ver com alguma religião?

Não. O tantra tem a ver com espiritualidade. O tantra entende, inclusive, que a energia sexual é o caminho para que você alcance a conexão com o divino, com a espiritualidade, com o que você acredita. Eu entendo e ensino nos meus grupos que o momento da relação sexual é um momento de oração. Isso faz toda a diferença na conexão sexual, porque você sai do julgamento, do automático, e você vive isso com absoluta aceitação. Esse é o primeiro passo para que você viva essa energia de forma mais plena e ela consiga te alçar a um contato espiritual. Mas não tem a ver com religião. Ninguém aqui será convertido a religião alguma.

Para Prem Gurutama, a relação sexual é um momento de oração

Para Prem Gurutama, a relação sexual é um momento de oração

Mas afinal, o que é o tantra?

É engraçado que as pessoas acham que no tantra o negócio é liberal, pode tudo e não é. Quando você aceita essa energia, quando você entende, você passa a respeitá-la. O tantra é mais careta do que as pessoas imaginam. É mais fácil você ver uma pessoa tântrica com comportamento sexual careta, do que uma pessoa de uma religião que reprima o sexo. O tântrico passa a ver e a entender essa energia como algo sagrado, importante e que pode ser usado a seu favor. Não só para a sua saúde, para as finanças, porque é uma energia que traz prosperidade. Funciona para sua vitalidade, seu trabalho, funciona para tudo.

Como funciona o atendimento ao cliente?

A ideia é explorar regiões da região genital que normalmente não são tocadas. Então, a gente começa despertando essas regiões, sempre com movimentos muito sutis e aí gradativamente a massagem vai ganhando um toque mais profundo, para que essa energia seja mobilizada cada vez mais. A gente procura evitar o máximo possível fazer manobras que se aproximem ou que lembrem os toques masturbatórios. Exatamente para que a pessoa entenda que é algo novo. A parte final da massagem é de muita energia, exatamente para a mulher ou o homem entrar no estado orgástico, num estado de energia muito mobilizada, onde o ego simplesmente desaparece, o tempo para e há a oportunidade da pessoa entrar em contato com a essência dela. Se você conseguir deixar com que esse estado orgástico seja o mais longo possível, você observa esse momento especial com consciência. Aí sim a massagem tântrica tem efeitos de autoconhecimento e de experiência com o divino. É nesse momento que acontecem grande parte das transformações.

Como a massagem tântrica auxilia no tratamento de disfunções sexuais?

Geralmente, essas questões sexuais decorrem de problemas na infância. Ao longo da sua vida, todas as situações que têm algum tipo de ação emocional ficam registradas no seu corpo. A energia sexual da criança está na boca, concentrada na região oral, para ela poder se alimentar. Então, a criança leva tudo a boca e a gente vai e tira. A criança começa a entender que aquilo que está dando prazer a ela é proibido. O adulto só quer o bem da criança, porém ele está reprimindo o prazer dessa criança. A própria rejeição dos pais em relação ao sexo na adolescência pode acarretar ejaculação precoce, por exemplo. Porque o filho se masturba escondido e rapidinho para ninguém perceber. Tudo isso traz para a vida adulta situações que prejudicam a vida sexual plena. Isso fica registrado na musculatura do corpo. Quando a gente mobiliza energia através da massagem e faz com que essa energia se expanda e circule, essa energia entra em contato com esses traumas e precisa de um caminho para percorrer. Aí que está o poder da massagem, há uma dissolução desses bloqueios e a cura vem do próprio corpo. A gente lida com a sabedoria do corpo.

Quais são as curiosidades e dúvidas mais comuns de pessoas que procuram a massagem tântrica?

O terapeuta atende vestido, evidentemente. Quem escolhe o sexo do terapeuta é o cliente, conforme ele se sentir mais confortável. Dentro do que a gente entende, a energia da massagem é de polaridade, então o ideal seria fazer a massagem com um terapeuta do sexo oposto. Mas se a pessoa não se sente à vontade, isso quebra o processo da massagem, então é melhor que ele faça massagem com alguém do mesmo sexo, do que fazer com o sexo oposto e se bloquear por ter vergonha ou algo parecido. Os homoafetivos podem participar dos workshops para casais. Os workshops unem a massagem tântrica a dinâmicas e meditações. Nossa dificuldade é quando o homoafetivo se inscreve sozinho. Se ele quiser levar um amigo para fazer, não tem problema. Se a pessoa for comprometida, não é obrigatório levar o parceiro para participar dos workshops. A gente tem cursos particulares, não é obrigatório participar dos cursos em grupo. Existe o atendimento a quatro mãos (feito por dois terapeutas), nós consideramos desnecessário, mas tem cliente que pede.

O Atman Consciência e Tantra oferece tratamento gratuito a pessoas com disfunções sexuais

O Atman Consciência e Tantra oferece tratamento gratuito a pessoas com disfunções sexuais

Como combater o preconceito quando se fala de massagem íntima?

Eu não combato. Eu simplesmente sou, eu faço. Eu lido com pessoas de todas as religiões na minha família, com amigos e no trabalho. Eu sofro preconceito, as pessoas falam e brincam. Eu não combato, tenho que ser aquilo que eu sou e pronto. Quem olhar pra mim e entender isso, vai me olhar de forma diferente. No início desse trabalho eu ia lá fazer a massagem e tentava não falar sobre isso para evitar que as pessoas me julgassem. Até o momento que dentro da minha caminhada, eu entendi que eu só poderia alcançar aquilo que eu gostaria dentro do meu autoconhecimento, dentro do meu processo evolutivo, se eu assumisse de forma plena o que eu faço e o que minha esposa faz. É interessante que no início rola o preconceito, mas depois as pessoas vão conhecendo e vão respeitando, porque sabem que o meu trabalho é realizado com muito amor e com a conotação de realização de vida, e não de satisfação sexual.

Vocês oferecem um tratamento a pessoas com disfunções sexuais gratuitamente. Como funciona esse atendimento?

Nós abrimos o Atman para terapeutas tântricos em formação fazerem treinamentos. Esse treinamento é realizado com pessoas que precisam de tratamento, pessoas que tenham diagnóstico de disfunção sexual. Essas pessoas se comprometem a dar um feedback para que os terapeutas façam relatórios. A pessoa que queira fazer esse tratamento não precisa pagar absolutamente nada e dura, a princípio, três meses. A gente faz uma avaliação, e se for preciso, essa pessoa fica mais três meses. O terapeuta em formação nos traz o relatório de cada atendimento. É algo novo, mas que nos dá subsídio para criar uma pesquisa, ao menos empírica, da eficácia do método da terapêutica tântrica.

Deixe uma resposta

Turismo e Lazer
03 Exposição abrange realidade virtual e animações em 3D
Cidadania
IMG_8726 Trufa do Bem vem crescendo em Brasília e está ajudando desempregados
Meio Ambiente
IMG_3598 Invasão de áreas públicas pode causar assoreamento e contaminação de lagos e rios  

Mais lidas