Esporte

Moradores do DF apostam em atividades ao ar livre

Regularidade e disciplina são apontadas por especialistas como essenciais para o bom desempenho e para o bem-estar

Exercícios ao ar livre, além de proporcionar o contato com a natureza, costumam ser mais agradáveis e motivadores. Correr, caminhar, pedalar, andar de patins e até realizar atividades circenses podem dar ainda mais resultados fora de ambientes fechados. No entanto, para isso acontecer é importante haver regularidade e disciplina. A fisioterapeuta Amanda Andrade explica que manter a rotina é importante para evitar lesões. “Em toda atividade física, o ideal é que se mantenha a regularidade para atingir os objetivos, seja ele qual for, por isso deve-se achar algo que dê prazer”, destaca.

Fisioterapeuta orienta sobre importância da regularidade e disciplina

Fisioterapeuta orienta sobre importância da regularidade e disciplina

A profissional adverte que os cuidados não devem ficar restritos às lesões. A hidratação e a proteção contra a irradiação, por exemplo, também devem ser incluídos. “O ideal é evitar os horários mais quentes, usar roupas adequadas, filtro solar e hidratar-se sempre”, recomenda. A fisioterapeuta ressalta ainda que é primordial que os praticantes estejam com seus exames médicos em dia.

Uma pesquisa divulgada em maio pelo IBGE constatou que a população do Distrito Federal é a que mais pratica atividade física no país. Segundo a pesquisa, o DF apresentou percentuais de praticantes de esporte ou atividade física superiores aos observados nas demais Unidades da Federação, tanto no total (50,4%), quanto entre homens (58,2%) e mulheres (43,7%). Essas atividades estimulam não só a perda de peso, mas reduzem o risco de doenças, trazem mais flexibilidade e disposição ao corpo, além de prevenirem uma série de problemas como estresse e ansiedade.

A servidora pública federal Márcia Cristina Dargam é adepta da corrida. Aos 43 anos, ela conta que faz atividade física quase todos os dias, reservando apenas um dia para descanso. Depois das primeiras corridas no Eixão aos domingos, não parou mais. “Eu parei de correr na gestação, mas continuei caminhando e fazendo exercícios para os braços e o bumbum. Acho que vou ficar velhinha e continuar malhando”, afirma.

Além de poder manter o corpo em forma, ela vê outros benefícios com os treinos ao ar livre. “A pessoa fica mais disposta, menos estressada, e com mais energia e pique para o trabalho e para as atividades em casa”, explica. Durante o período de chuva, para não ficar parada, ela faz musculação e judô e aproveita para fortalecer a musculatura para uma melhor performance. Na época da seca o treino também não para, mas os cuidados são redobrados. “Procuro correr ou fazer outras atividades bem cedo, e procuro ingerir bastante água”, ressalta.

Pedalar é o casamento perfeito de uma prática saudável e o contato com a natureza

Pedalar é o casamento perfeito de uma prática saudável e o contato com a natureza

Outro adepto dos treinos ao ar livre é o jornalista Diógenes Santos, de 29 anos. Morador da Asa Norte, ele começou a pedalar há seis anos, quando começou a trabalhar em uma empresa a 15 minutos da sua casa. “Pedalo, pelo menos, três vezes por semana. Costumo ir ao trabalho pedalando e, às vezes, vou ao Eixão pedalar por esporte”, explica. Ele acredita que a atividade é o casamento perfeito de uma prática saudável e o contato com a natureza. “Além dos benefícios, como o emagrecimento e a flexibilidade do corpo, me ajuda a controlar a ansiedade e a reduzir o estresse acumulado durante a semana. O contato com o ar livre me dá uma sensação maior de felicidade e tenho mais disposição para o resto do dia”, destaca o jornalista, que também pratica musculação, corrida e, eventualmente, treinamento funcional.

Outra opção para quem quer manter a boa forma é a prática de atividades circences. Foi no circo que a jornalista brasiliense Ana Carolina de Andrade e Oliveira encontrou mais prazer e bem-estar. Cansada da rotina das academias, ela procurou uma atividade alternativa. Quando conheceu o circo, se apaixonou. “O circo me proporciona um desafio diário de superação nos exercícios e mais concentração”, aponta. “Hoje eu faço exercícios no trapézio, acrobacias no solo e aéreas e malabarismo”, explica.

Acroyoga em áreas verdes do DF

Acroyoga em áreas verdes do DF

Ela também costuma praticar com os amigos o acroyoga, uma espécie de união do yoga com acrobacias de solo. Segundo Ana Carolina, os locais escolhidos para prática da atividade são áreas verdes do Plano Piloto, como parques e quadras residenciais. “Eu pratico todos os dias. Além de ser muito relaxante, com acroyoga trabalhamos o corpo inteiro e interagimos com o colega”, relata. No período chuvoso, para não perder a regularidade, ela costuma utilizar ambientes fechados. “Nós utilizamos locais disponibilizados por professores que conhecemos em oficinas circenses, mas nos dias mais tranquilos corremos para os ambientes abertos”, pontua.

Para Flávia Silveira, professora de educação física, os exercícios circenses proporcionam diversos benefícios, mas os praticantes precisam observar alguns cuidados. “Mais flexibilidade e disposição ao corpo, além de prevenir uma série de problemas como estresse e ansiedade. É importante alongar e aquecer”, aconselha.

    Deixe uma resposta

    Comportamento
    Símbolos satanistas são normalmente usados pelas bandas Fãs e músicos do Black metal reclamam de tabu
    Ciência e Tecnologia
    O estudante que tem utilizado a realidade virtual para melhorar seus trabalhos e se destacar na arquitetura Realidade virtual ganha espaço na arquitetura
    Cultura
    Fotografia de Roger Ballen Exposição apresenta as fotografias grotescas e bizarras de Roger Ballen

    Mais lidas