Cidadania

Casamento comunitário realiza sonhos no DF

Casais comemoram chance de legalizar a união. Às vésperas desta edição, os participantes contam suas histórias

Tatiane e Ivan se casaram na penúltima edição do projeto

Tatiane e Ivan se casaram na penúltima edição do projeto

O casamento comunitário realiza sonhos desde 2012 e já oficializou a união de 1.124 casais no Distrito Federal.  Entre eles, a recepcionista Tatiane de Moura Araújo Soares, 35, e o gerente comercial Ivan de Araújo Soares, 33, que completam um ano de casamento em novembro. Tatiane lembra que estava no carro ouvindo rádio quando soube do projeto da secretaria de Justiça e Cidadania e o então namorado disse que era a oportunidade deles. “Isto foi num domingo, na segunda fomos lá e fizemos a inscrição. Confesso que foi o dia mais feliz da minha vida”, declara Tatiane.

As inscrições para a última edição deste ano terminaram no dia  6 de setembro, e a cerimônia está marcada para 11 de novembro. A técnica em enfermagem Aline de Oliveira Silva, 31, já estava há nove anos com o vendedor Francisco Laecio da Silva, 31, quando em 2015 conseguiu participar da cerimônia. Com três filhas sentiam a necessidade de legalizar os documentos. “Nosso relacionamento continuou igual, mas casar foi a realização de um sonho e a legalização da nossa situação perante o Estado. ”, declara Laecio.

Aline e Laecio  já estão juntos há nove anos e realizaram o sonho de casar

Aline e Laecio já estão juntos há nove anos e realizaram o sonho de casar

No projeto comunitário, por meio de parcerias com instituições privadas são fornecidos vestidos, maquiagem, cabeleireiro, transporte e bolos para os noivos. A proposta é amparar as famílias de baixa renda e lhes garantir os direitos patrimoniais, sucessórios e previdenciários de forma gratuita. Aline garante que teve um dia de princesa e que a infraestrutura do evento emocionou a todos. “Pensávamos que seria algo simples, mas nos surpreendemos com a grandiosidade do evento. As meninas cuidaram de mim e me deixaram linda! ”

O casal Kátia Regina da Silva, auxiliar de serviços gerais, 40, e Denis William Nauvirth, aposentado, 33, lembram da necessidade dos pré-requisitos. “Ter baixa renda, provar morar em Brasília a mais de cinco anos e levar os documentos pessoais. A única coisa pela qual eu paguei foi o aluguel das roupas, meu vestido, os das daminhas e o terno. ”

No momento da inscrição, devem ser apresentados: RG, CPF, foto 3×4, comprovante de renda e de residência em nome de um dos cônjuges, além da carteira de trabalho. As testemunhas também devem ser maiores de idade, apresentar os documentos, endereço e número de telefone. Elas devem ser feitas em postos do “Na Hora” ou na sede da Secretaria de Justiça, que fica próxima à estação rodoferroviária. O atendimento funciona das 9h às 17h, de segunda à sexta-feira.

    Deixe uma resposta

    Cidadania
    _DSC0066 Ação do Instituto Embalar Sonhos distribui brinquedos e sorrisos no Dia das Crianças
    Cidadania
    É mais arriscado ser gay na periferia
    Cultura
    DJ Mari Perrelli tocando Ser uma DJ em um cenário repleto de homens é um desafio

    Mais lidas