Ciência e Tecnologia

Na briga por clientes, restaurantes apostam em forma alternativa de publicidade

Aplicativos de celular que rentabilizam consumidor são alternativa; cada visita gera recompensa de até 10% do valor consumido

A briga para conseguir clientes está cada vez mais acirrada no ramo gastronômico. Depois da chegada dos foodtrucks a competição ficou ainda mais complicada, já que a proposta dos restaurantes sobre quatro rodas conseguiu atrair muitos clientes que queriam gastar pouco e ter uma refeição de qualidade.

Para conseguir se manter no mercado e competir por consumidores, os restaurantes tiveram que migrar para o mundo digital. Em princípio, foram apenas os aplicativos e sites de entrega da comida. Agora, outros aplicativos chegam ao mercado para tentar também atrair mais clientes para as portas dos restaurantes.

Pensando nisso, o empresário brasiliense Welington Braga criou um aplicativo que recompensa os consumidores que comem nos restaurantes retornando até 10% do valor pago pelo cliente e entre R$ 2 e R$ 3 para aqueles que indicarem o local para os amigos.

Welington Braga, empresário brasiliense, criador do Magpi segurando um modelo de identificação de que o restaurante possui plano de rentabilidade.

Welington Braga, empresário brasiliense, criador do Magpi segurando um modelo de identificação de que o restaurante possui plano de rentabilidade

A ideia é sair do comum na proposta de propaganda e interação com o público e tentar estimular mais o interesse deles para o consumo. “Diferente de um anúncio numa revista, por exemplo, em que a pessoa conhece o negócio folheando a publicação onde estiver, lá na casa dela, no Magpi o anúncio leva a pessoa a conhecer o negócio ‘in loco’”, afirma Welington.

De passagem pela capital, o estudante Luis Felipe Almeida diz ter gostado da ideia, já que ele, como estudante e turista, precisa economizar.”Eu adorei a ideia, apesar de só ter conhecido depois que entrei no restaurante. Aqui a gente gastou R$ 110 e eu ainda volto com R$ 11 pra minha conta. Agora é só sacar e pronto”, conta Luis Felipe.

O aplicativo, com auxílio do GPS, apresenta quais restaurantes participam do programa.

O aplicativo, com auxílio do GPS, apresenta quais restaurantes participam do programa

Para que o consumidor ganhe o desconto é preciso que a administração do restaurante confirme a presença do cliente no estabelecimento, para evitar que ele ganhe os créditos sem ter consumido no local. “No Magpi, o dono do estabelecimento só paga quando o cliente visita o seu restaurante. Assim, com o cliente dentro do seu negócio, é mais fácil fidelizar e vender”, justifica Welington.

E é nisso que tem apostado Rogério Laudares, proprietário de uma pizzaria que participa do Magpi e já vê mudanças no fluxo de consumidores do restaurante, que desde a adesão ao aplicativo só aumenta.

Tela do aplicativo no restaurante que Luis Felipe comia.

Tela do aplicativo no restaurante que o estudante Luis Felipe comia

“A ideia tem sido muito boa para os negócios. Muitos clientes começaram a vir por conta da indicação de amigos depois de saberem que era possível ser retribuído”, afirma Rogério.

Depois que o crédito é liberado pelo restaurante, os clientes precisam esperar alguns dias para que o dinheiro seja disponibilizado para transferência na conta.

A administradora Renata Baranhas também gostou da ideia e contou que pretende continuar usando mais o aplicativo, porque no final das contas, o que sobra é compensa. ”Eu já uso há algum tempo e vou continuar a usar, porque no final de um mês, eu chego a economizar R$ 100, R$ 200 só por conta do Magpi”, completa.

Deixe uma resposta

Cidadania
_DSC0066 Ação do Instituto Embalar Sonhos distribui brinquedos e sorrisos no Dia das Crianças
Cidadania
É mais arriscado ser gay na periferia
Cultura
DJ Mari Perrelli tocando Ser uma DJ em um cenário repleto de homens é um desafio

Mais lidas