Política

Corrupção e desemprego estão entre maiores problemas de 2017

Dados estão em pesquisa da CNI feita com mais de duas mil pessoas em 125 municípios brasileiros

Tags:
corrupção desemprego pesquisa CNI Satisfação

Pesquisa divulgada pela Confederação Nacional da Industria (CNI), denominada “Retratos da Sociedade Brasileira, Problemas e Prioridades”, aponta que os principais problemas  do Brasil em 2017 foram a corrupção, desemprego, saúde e segurança pública. O levantamento foi feito em dezembro de 2017 em 125 municípios. Foram ouvidos mais de duas mil pessoas.

DSC_0017

Sede da CNI

Dados da Pesquisa

De acordo com o levantamento, o desemprego, com 56% das citações, ficou em primeiro lugar na lista de principais problemas. Em segundo, com 55%, apareceu a corrupção e em terceiro, com 47%, a saúde. Em quarto lugar, com 38% das respostas, a população apontou a segurança pública no ano de 2017.

A pesquisa detalha o aumento da preocupação dos brasileiros com a corrupção, que praticamente na margem de erro fica no mesmo parâmetro que o desemprego. Em 2016, a corrupção ocupava o terceiro lugar da lista de principais problemas, com 40% das citações. Em 2017, recebeu 55% das menções e passou para o segundo lugar, passando à frente da saúde.

A economista da CNI Maria Carolina Marques afirma que as crises financeiras que o Brasil vem enfrentando estão ligadas ao desemprego, por mais que o governo federal afirme que a inflação está controlada e o país voltando aos trilhos do crescimento. ”Destacam os  problemas de 2017, o desemprego e a corrupção. O desemprego já tinha sido o problema mais mencionado em 2016, então ele permanece no topo; o problema de corrupção vinha em terceiro lugar em 2016, e agora em 2017 ele passa a saúde”, afirma Marques.

DSC_0011

Maria Carolina Marques- Economista da CNI

Prioridades para 2018

Em ano de eleições, quando se espalham as promessas e compromissos com a população, a CNI detalhou que os principais anseios da sociedade são os mesmos citados de quatro em quatro anos, como melhorar os serviços de saúde. Segundo a economista, o problema da saúde já é um clichê em todas as pesquisas. O tema  vem sempre nos primeiros lugares desde a criação do estudo,  há cinco anos. Em 2018, saúde volta a ser a prioridade popular, com 37%; em seguida vem o aumento do salário mínimo, com 33% mensurados; controle da inflação fica em terceiro lugar com 32%; redução de impostos e geração de empregos ficam empatados com 31%. “Todos esses fatores mostram a necessidade do brasileiro em recuperar o poder de compra, que ele perdeu durante a crise, além da espera de geração de empregos”, completa Maria Carolina.

Para o cientista político João Ramos Lima, as questões citadas na pesquisa mostram o quanto é grave o drama nacional. Segundo Lima, a corrupção é o primordial fator para o decorrer de todos os problemas, e isso traz um enorme prejuízo e atraso para a sociedade. “ O Brasil sempre foi saqueado desde os tempos coloniais, e até hoje não mudou absolutamente nada, infelizmente a corrupção é principal problema que gera todos os outros transtornos”, resume.

De acordo com o especialista, a parte que mais sofre com a corrupção é a educação, que seria o principal meio de uma sociedade viver longe da deturpação. “Democracia significa dar poder  ao povo, mas pessoas já banalizaram a corrupção, para a grande maioria é normal o ato de deturpação.  E isso traz um enorme prejuízo, pois tudo desencadeia na corrupção, os desvios para uma saúde de qualidade, segurança pública e principalmente na educação’’, conclui Ramos Lima.

Nas ruas do DF, a população confirma os dados da pesquisa CNI. Para o assistente social Samuel Borba, 61 anos, o desemprego é o ponto que merece atenção especial do governo federal. “Uma população desempregada traz instabilidade para a família”. Na avaliação da administradora Milena Veiga, 30, a segurança pública respira por aparelhos. Segundo ela, é emergencial ações do governo federal para alcançar uma verdadeira mudança. “A segurança sem sombra de dúvidas é um dos problemas que merece mais atenção. Programas voltados para área deveriam ser criados, com o objetivo de capacitar melhor os profissionais que atuam no combate da criminalidade. O caos que vive o estado do Rio de Janeiro assusta todo Brasil”, declara.

DSC_0024

Milena Veiga

Já a secretaria executiva Daniele Alves, 22 anos, espera por mudanças na saúde pública. “Hoje quem não tem plano de saúde sofre com atendimento público, a pessoa fica a sujeita de permanecer horas e horas e ainda não ter um bom atendimento. O que eu desejo é ter mais investimento do governo para essa área, que o que percebe quase não tem”, ressalta.


 

Deixe uma resposta

Turismo e Lazer
As cartas estão presentes na história da banda e dos fãs. Misticismo e boa música envolvem a banda O Tarot
Economia
Carla De funcionário a microempreendedor
Saúde
Foto_1 Endometriose e a dificuldade de diagnóstico

Mais lidas