Cultura

Escola de Cinema Social Cine Braza democratiza o ensino do audiovisual

O curso de cinema é gratuito, e contempla cerca de 30 estudantes por semestre na Asa Norte

Tags:
#cineclube #Comunicação Cine Brasília cineasta cinema filmes projeto social

Proveniente de movimentos sociais, a Escola de Cinema Social Cine Braza é um projeto apoiado pela ONG Evolução Projetos Sociais, e tem como missão a democratização do audiovisual. O propósito é promover a formação de seus estudantes por meio da cidadania e da justiça social. O Cine Braza tem como patrono o cineasta brasiliense José Afonso dos Santos Filho, mais conhecido como Afonso Brazza ou Rambo do Cerrado.

A escola nasceu em 2013, como resultado de um projeto de um dos seus idealizadores, o assistente social e cineasta Marcelo Emanuel, 50, que iniciou sua caminhada no cinema nos anos 90, época em que era estudante da Universidade de Brasília (UnB). “O papel da escola é formar pessoas que encantam essa luta do movimento social por meio do audiovisual. É um curso de cinema com essas pautas, voltado a pessoas que possam multiplicar esse trabalho, que possam usar o cinema como algo transformador, como um ato de educação popular”, avalia Marcelo, hoje  coordenador geral da escola.

O Coordenador Geral do Cine Braza, Marcelo Emanuel, no intervalo da aula inaugural da turma do 1º semestre de 2018

O Coordenador Geral do Cine Braza Marcelo Emanuel, no intervalo da aula inaugural (03/03) da turma do 1º semestre de 2018

Ele acredita que a iniciativa pode ampliar o acesso à comunicação. “A importância da escola na minha vida é realmente essa possibilidade de materializar, na prática, esse nosso discurso da democratização dos meios de comunicação”.

Dividido entre os módulos básico e o de produção dirigida, o curso de cinema tem a duração de dois anos. Os critérios para a seleção dos estudantes são: Exposição de motivos, aproximação com movimentos sociais, entrevista e disponibilidade de horário para as aulas, que acontecem aos sábados.

O Cine Braza forma sua equipe de trabalho, geralmente, com o voluntariado daquelas pessoas que agregam valores à escola, ajudando a ministrar e organizar seu funcionamento. Um exemplo é a ex-aluna e atual administradora da escola, Milenne Kelly Silva Ferreira. Formada em Produção Multimídia com ênfase em cinema pela Universidade do Sul de Santa Catarina (Unisul), e também em Publicidade e Propaganda pela Estácio de Sá em Brasília, ela traz como proposta principal para o Braza o debate e a análise dos filmes que abordam a diversidade presente na sociedade.

“Eu tinha muita vontade de entrar no Braza, a fim mesmo de contribuir e conhecer um outro sistema, uma outra forma de fazer cinema. Um cinema com poucos recursos, um cinema voluntário, que trabalhe com as questões sociais, entre elas, questões raciais, LGBTs e outras questões que envolvam o debate dentro das minorias”, relata Milenne.

Milenne kelly, administradora e professora da escola, externa sua alegria ao receber os novos alunos do Braza

Milenne kelly, produtora multimídia e professora da escola, traz sua abordagem de relações de gênero na produção “Poliamor”, documentário em que assina a direção e o roteiro

 

O estudante de Pedagogia pela UnB, Cassio Tessmer Elias Soares, 25, conheceu o Cine Braza em 2016, quando participou como depoente de um documentário produzido pela escola. Em 2017 ele entrou como aluno do módulo básico, e agora cursa o módulo de produção dirigida. “Fazer parte da Escola de Cinema Social Cine Braza, tem me dado a oportunidade de aprender a produzir cinema por meio das trocas com as diversas pessoas ligadas aos movimentos sociais”, comenta Cassio.

O Estudante e professor do Cine Braza,Cassio Elias, já participou de algumas produções da escola, dentre elas, o filme "O corpo Ainda é Pouco", no qual foi diretor, roteirista e produtor

O Estudante e professor do Cine Braza Cassio Elias, já participou de algumas produções da escola, dentre elas, o filme “O corpo Ainda é Pouco”, no qual foi diretor, roteirista e produtor

Ele também ressalta a pertinência de colaborar como professor da escola: “É gratificante poder contribuir com a democratização e promoção do acesso ao ensino do audiovisual, ferramenta tão importante para a comunicação de histórias que não costumam ser narradas nos grandes meios de comunicação, ou, quando o são, sob a ótica do opressor”.

 

Afonso Brazza

Afonso Brazza e Claudete Joubert no filme "No Eixo da Morte" (Foto retirada da filmografia do cineasta brasilense, disponível na internet)

Afonso Brazza e Claudete Joubert no filme “No Eixo da Morte” (Foto retirada da filmografia do cineasta brasilense, disponível na internet)

Nascido em 17 de abril de 1955 na cidade São João do Piauí (PI), Brazza chegou ainda pequeno na cidade do Gama (DF), para onde migraram seus pais.

Em 1969 Brazza seguiu para São Paulo, aos doze anos, onde conheceu José Mojica Martins, o Zé do Caixão, que o incorporou ao ambiente cinematográfico.

Frequentador assíduo da “boca do lixo”, região do centro de São Paulo localizada no Bairro da Luz, Brazza participou da equipe técnica e elenco de produções assinadas pelos atores, diretores e produtores David Cardoso, Tony Vieira e Ozualdo Candeias.

Bombeiro de formação e cineasta por opção, Afonso retornou à Brasília já casado com a atriz Claudete Joubert, e em 1993 o casal Brazza e Joubert estreia em Inferno no Gama. 

Com recursos escassos, o cineasta brasiliense filmava com negativos quase vencidos, portanto era imprescindível assegurar o êxito da cena já na primeira tomada, visando não desperdiçar o rolo de filme.

O legado de Afonso Brazza para o histórico do cinema nacional tem a soma de 21 produções, considerando os filmes em que atuou e produziu. Ele faleceu com apenas 48 anos, na cidade do Gama (DF), acometido por um câncer no esôfago.

Saiba como fazer parte da escola

O processo seletivo acontece semestralmente, e as inscrições devem ser feitas pelo site www.cinesocialbraza.com.br. Para o primeiro semestre de 2018 a escola recebeu inscrições de 150 candidatos, dos quais 55 foram entrevistados, oito ficaram para o cadastro reserva e 30 foram efetivamente selecionados.

Contato

Endereço: SGAN 914 s/n Conjunto: F

CEP: 70790-140

Asa Norte – Brasília

Tel: (27) 98367-5542

Facebook: Escola de Cinema Social Cine Braza

Intagram:@CineBraza

E-mail: escolacinebraza@gmail.com

 

    Deixe uma resposta

    Entrevistas
    IMG_1885 copia Meio nerd ainda é masculinizado
    Turismo e Lazer
    _MG_1493 Inserção de alunos com autismo ainda apresenta desafios para escolas
    Entrevistas
    Marcos Roberto, segurando seu primeiro Livro "Semideus: O Retorno Divino" Mitologia e filmes inspiram livros e peças de artista de Brasília

    Mais lidas