Cidadania

Projeto Ações Comunitárias revitaliza espaços públicos

Projeto realiza mutirões com voluntários para dar vida à cidade

O projeto Ações Urbanas Comunitárias, da Companhia de Desenvolvimento Habitacional (CODHAB), tem como objetivo revitalizar e promover infraestrutura em espaços públicos utilizados pela comunidade. Um dos mutirões realizados pela CODHAB foi no dia 24, na Avenida do Produtor no Sol Nascente, localizado em Ceilândia. Cerca de 30 mudas de ipê rosa, branco e amarelo foram plantadas. “Quando eu vi, já estava tudo plantado”, diz Cleo Pereira, que trabalha em um salão em frente ao lugar onde mudas foram colocadas, não participou da ação por coincidir com o horário de expediente, mas ficou “de olho”:  “Vai ficar bem bonito quando estiver tudo grande. Vai ficar lindo”.

IMG_4510

“Prezamos sempre pelo plantio de árvores nativas, por acreditar na necessidade de recuperação do cerrado em nossas cidades”, explica Manuella Coelho, assessora de arquitetura que coordena o projeto. Fabiana Gonçalves, também assessora de arquitetura, disse que ação deste sábado terminou mais rápido do que o previsto “devido à quantidade de gente que participou”.

“Já está bem melhor do que era e vai melhorar cada vez mais, se Deus quiser!”, acredita Regiane Moura dos Santos, moradora do Sol Nascente. O local é a maior favela do Distrito Federal, segunda maior do país e enfrenta grandes problemas de saneamento básico e violência.

Em junho do ano passado outra ação ocorreu no local. Na Avenida das Palmeiras, mudas também foram plantadas, bancos, instalados, contêineres de lixo, distribuídos, muros foram pintados e rebocados. O de Dinalva Paixão dos Santos foi um deles. “Eu participei do dia. Eles pintaram o meu e mais um monte de muro aqui e rebocaram também”, conta. “A comunidade toda se envolveu porque a gente não esperava receber isso. Eu mesma não esperava.” Dinalva, que trabalhava vendendo acarajé, serviu o quitute para a comunidade no dia do mutirão. “Eu estou muito alegre agora com o meu barraco. Ficou muito bonito. A rua toda ficou bem colorida”, diz Dinalva.

“Foi bem diferente em vista do que era antes”, conta a dona de casa Simone Lima.  “Foi uma evolução muito boa. Dá outra vida pra comunidade”, diz. A coordenadora Manuella Coelho fala sobre a importância do projeto:  “Áreas como o Sol Nascente, fruto de ocupações irregulares, são sempre desprovidas de espaços livres e com vegetação. Assim, o Ações Urbanas vem para ofertar aos moradores espaços mais agradáveis e com maior qualidade de vida, que reflete diretamente na dignidade da habitação daqueles moradores”.

Outro local da Ceilândia recebeu o projeto da CODHAB: a rua do meio no Pôr do Sol. A comerciante Maria das Graças teve seu estabelecimento pintado. “Foi bem bom pra nós. Os muros estavam bastante sujos. A maioria não tinha condição de pintar nem rebocar, então foi feito tudo isso”, explica. Maria afirma que a ação melhorou bastante o visual da rua, “fica mais limpinho, o reboco melhor muito a aparência. Eu gostei”. Essa ação teve convênio com a Aiesec (Association Internationale des Etudiants en Sciences Economiques et Commerciales), empresa de intercâmbio voluntário. Edvaldo Oliveira dos Santos, dono de loja para agropecuária, também teve seu muro pintado, mas como uma arte, feita por voluntários da Argentina. “Pra se comunicar com eles no dia foi difícil, viu”, brinca. “A arte que eles pintaram aqui na minha parede eu que escolhi. Como aqui é uma agropecuária eu pedi pra eles desenharam um papagaio. Mostrei uma foto e eles fizeram. Ficou bonito.”

Amanda Figueiredo participou como voluntária em diferentes regiões do DF. “o Ações Urbanas Comunitárias incentiva a sensação de pertencimento pelo local nos moradores e consequentemente, estimula mais responsabilidade e cuidado por ele.” Estudante de arquitetura e urbanismo, ela conta que o acompanhar o projeto de perto foi muito inspirador. “Acredito que a ação em si seja só um breve pontapé, mostrando que com pequenas mudanças na forma de pensar e agir sobre o espaço público é possível sim que uso desse seja mais democrático e que todos assim possam ter mais qualidade de vida. O projeto também inspira comunidades, lideranças e outros coletivos à criarem suas próprias ações e à abordarem questões muito importantes relacionadas ao debate do direito à cidade, como mobilidade, igualdade de gênero e direito à moradia.”

Para participar do projeto como voluntário basta acessar o site http://www.portaldovoluntariado.df.gov.br/ e se inscrever.

IMG_4508

Deixe uma resposta

Turismo e Lazer
As cartas estão presentes na história da banda e dos fãs. Misticismo e boa música envolvem a banda O Tarot
Economia
Carla De funcionário a microempreendedor
Saúde
Foto_1 Endometriose e a dificuldade de diagnóstico

Mais lidas