Educação

Adultos ganham nova chance de estudar no Cepafre

Método Paulo Freire reúne cerca de 30 alunos a cada semestre em atividades gratuitas em Ceilândia

Tags:
#cepafre #educação #oportunidade #lereescrever #ceilândia #estudar

    Pesquisas recentes apontam aproximadamente 60 mil analfabetos no DF, segundo a Codeplan. Um núcleo de alfabetização de jovens, adultos e idosos, o Centro de Educação Paulo Freire (Cepafre), localizado em Ceilândia, busca mudar a situação. Auxiliar de serviços gerais, Leonardo Santos, se divide entre o trabalho, a esposa doente e os filhos para se dedicar aos estudos. “Eu tinha muita dificuldade para ler, mas agora já sei ler um pouco. Não quero desistir, mesmo com todas as dificuldades”, declara. Cerca de 30 alunos se dividem em 2 turmas para as atividades, que são totalmente gratuitas.

    Alfabetizado  Leonardo Santos, conclui a primeira etapa no 2º semestre de 2017

    Leonardo Santos concluiu a primeira etapa em 2017

    A atual presidente Kelly Grigório, explica que a entidade usa o método Paulo Freire para as pessoas que querem uma nova oportunidade de se reinventar no mundo. “Uma chance de descobrir que não é só ler, só escrever, mas que vai além e é possível enxergar o mundo e seu lugar nele”, opina ela.

    A aposentada Marli Narcisa de Oliveira, de 62 anos, diz que esta é a primeira vez que está frequentando uma escola. “Meu padrasto era daqueles que dizia que mulher não precisava estudar, que o lugar dela era lavando, cozinhando e passando”. Ela ainda conta que aprendeu a ler um pouco com uma das irmãs, mas que não sabia escrever. Agora que está estudando diz estar orgulhosa de poder escrever o próprio nome e montar algumas frases.

    Aposentada Marli de Oliveira, 62 anos, primeira vez que frequenta uma escola

    A aposentada Marli de Oliveira, 62 anos, frequenta pela primeira vez  uma escola

    A alfabetizadora Vânia de Castro Santos explica que existe uma grande demanda no Cepafre. No início, foram 35. Vânia diz que é importante dividir a turma, pois cada aluno precisa ter uma atenção especial. Ela ainda conta que têm vários níveis, alguns não sabem nada, outros já aprenderam a somar e subtrair.  “Muitas vezes, devido à idade, muitos começam a ficar cansados, não conseguem vale transporte, mas vou até a casa deles e falo dobre a importância de voltarem e eles retornam, então é tudo muito gratificante”.

    Novos grupos serão abertos ainda este ano. Os interessados podem ligar para o Cepafre, pelo telefone:(61) 3373-5022.

    Deixe uma resposta

    Entrevistas
    IMG_1885 copia Meio nerd ainda é masculinizado
    Turismo e Lazer
    _MG_1493 Inserção de alunos com autismo ainda apresenta desafios para escolas
    Entrevistas
    Marcos Roberto, segurando seu primeiro Livro "Semideus: O Retorno Divino" Mitologia e filmes inspiram livros e peças de artista de Brasília

    Mais lidas