Meio Ambiente

Pombos são problema em áreas urbanas

Em grandes cidades como Brasília, animais se multiplicam e podem transmitir doenças pelas fezes

Tags:
#pombosurbanos#meioambiente#aves#pombos#lixopúblico

    Os pombos são aves muito presentes em vários estados do Brasil. São considerados um problema ambiental, pois podem transmitir doenças e danificar monumentos em função dos excessos de fezes. “Há grande concentração. A espécie sempre aproveita muito de lixo, o que é um problema para o ser humano, muita concentração de fezes, podendo transmitir algum tipo fungo, virose e ácaro”, declara o zoólogo Ricardo Machado, professor da UnB, que fez pesquisa sobre o tema e constatou a presença das aves nas cidades do DF e no entorno, sempre junto ao acúmulo de lixo.

    Trazidos da Europa e Ásia, os pombos urbanos encontrados em grandes centros são, originalmente,   de áreas rochosas. Isso explica a facilidade de multiplicação em prédios e monumentos, como no “pombal” existente na Praça dos Três Poderes. Não há uma função ecológica expressiva nos ambientes urbanos. A disseminação de sementes ocorre pela chamada pomba branca, espécie nativa com forte presença nos gramados de Brasília.  O zoólogo explica que a ave contribui para qualidade ambiental, na gestão paisagista. “Já o pombo comum, acho que ele é inexterminável, o negócio é conviver com ele”, diz o zoólogo.

    Biologa Nadinni Sousa, atualmente fazendo doutorado em ecologia, explica sobre a ave

    A bióloga Nadinni Sousa explica que a reprodução dos pombos é similar a dos pardais

    A bióloga Nadinni Sousa explica que os pombos de maneira geral, têm uma capacidade adaptação muito grande, com reprodução similar a dos pardais. Uma situação cosmopolita, que ocorre no mundo inteiro, pelo lixo presente em áreas públicas nas cidades. Segundo ela, é dada a atenção pela questão de saúde pública com relação aos problemas que essas aves podem causar. “Os desequilíbrios ambientais têm impactos negativos na saúde pública, a qualidade do ambiente tem influência sobre a saúde”, afirma Nadinni. Ela ressalta que as aves perturbam cada vez mais as pessoas, mas que isso não é um problema no contexto biológico.

    Proprietário de uma lanchonete em Ceilândia, Wellington Ribeiro afirma evitar a presença de pombos, pois os restos de alimentos são o que atraem as aves, deixando o ambiente mal visto. “Aumentei o número de lixeiras e peço sempre para os clientes não deixarem lixos nas mesas”, diz o comerciante. Ele afirma que não usa qualquer tipo de produto tóxico para evitar cheiro desagradável, que pode prejudicar a saúde de clientes, com possíveis alergias. “A limpeza e a colaboração dos clientes é muito importante e ajuda muito”, conclui.

    Columba livia, pombo urbano, comum nas cidades grandes

    Columba livia, pombo urbano, comum nas cidades grandes em áreas verdes e muito presentes em acúmulo de lixo público

     

    Deixe uma resposta

    Entrevistas
    Entrevista Inovar é saber como os outros se comportam
    Cidadania
    Foto: Ingrid Pires Projeto leva esporte e música a adolescentes em Sobradinho
    Cidades
    Placas que sinalizam as saídas do parque, quando existem, estão degradadas. Parque da Cidade precisa de sinalização

    Mais lidas