Comportamento

Veteranos no jornalismo se orgulham da carreira

Mesmo com adversidades e tendo que deixar momentos da vida pessoal, jornalistas são felizes na profissão

Tags:
Carreira comportamento jornalismo perfil do jornalista vida pessoal

Em encontro com estudantes de jornalismo realizado no Auditório do Centro Universitário IESB, na Asa Sul, em março de 2018, para lançamento do livro Antenas da Floresta – a Saga das TVs da Amazônia, a veterana do jornalismo investigativo, Elvira Lobato, falou sobre como a carreira afetou a vida particular.

Para ela, inclusive, não havia pessoal e trabalho – jornalista pensa nas matérias 24 horas por dia. “É como se fosse uma sina. Se eu fico sabendo de alguma informação, descubro alguma coisa, não tenho como escapar daquilo mais. Agora sou eu e ela (a pauta). Enquanto eu não termino, não tenho como sair daquele caminho. É uma atração fatal”, disse a jornalista de 65 anos que mesmo aposentada continua produzindo.

Apesar disso, Elvira não se arrepende da carreira e avalia que conseguiu conciliar a criação dos dois filhos com a vida atribulada no trabalho. “Apesar de nenhum dos meus filhos ter seguido a mesma carreira que eu, eles têm um enorme orgulho da minha trajetória”, garante.

O autor do livro Perfil do Jornalista Brasileiro, Jacques Mick, em entrevista para o blog Dissertação Sobre Divulgação Científica, reforçou a satisfação dos profissionais. De acordo com a pesquisa feita por ele, “os profissionais lamentam estar num mercado que não lhes oferece muitas oportunidades de progredir na carreira, têm remuneração inferior à que consideram adequada e encontram pouco apoio para a qualificação. Mas estão satisfeitos com o tipo de trabalho, com as relações pessoais e com o prestígio social da profissão.”

Martins mantém a foto dos netos na mesa de trabalho

Martins mantém a foto dos netos na mesa de trabalho

É assim que Luiz Fernando Martins, com mais de 50 anos de carreira, vê o trabalho de repórter. Apesar de dizer que ser jornalista é fazer sacrifícios, não vê razão para arrependimento. O homem criou três filhos, foi casado por quase 30 anos e afirma que “se tivesse uma máquina do tempo, voltaria e seria jornalista de novo”.

Hoje, com 74 anos de idade, não larga o ofício. Atua como assessor no governo de Brasília e se orgulha da jornada anterior no jornalismo econômico, de já ter passado pelo rádio e ter feito coberturas internacionais. “Cada uma das pautas e viagens tem historias incríveis”, lembra, saudoso.

Deixe uma resposta

Turismo e Lazer
As cartas estão presentes na história da banda e dos fãs. Misticismo e boa música envolvem a banda O Tarot
Economia
Carla De funcionário a microempreendedor
Saúde
Foto_1 Endometriose e a dificuldade de diagnóstico

Mais lidas