Saúde

Automedicação: apesar de apresentar riscos, a prática é referenciada pela OMS

Embora consumir medicamentos sem prescrição possa ser perigoso, a organização apoia o uso em situações controladas

Tags:
#medicamentos automedicação

As três cartelas de medicamentos na bolsa entregam um velho hábito. Marilia Rocha, recepcionista bilíngue de escola particular no Lago Sul, hora ou outra apresenta dores na perna, sinusites, cólicas e recorre, primeiramente, à automedicação. Segundo Marilia, o medo de hospitais e a falta de tempo são os principais motivos para não buscar um profissional da saúde para o diagnóstico.

Leitura dos rótulos e bulas é passo importante para a automedicação responsável

Leitura dos rótulos e bulas é passo importante para a automedicação responsável

Assegurada pela Organização Mundial da Saúde (OMS), a automedicação responsável é tida como um importante processo na manutenção da saúde pública global. Cartilha publicada pelo organismo internacional aponta que pode haver redução no custeamento da saúde, especialmente em locais onde acesso a tais serviços é limitado.

Segundo o documento, a automedicação abrange remédios e produtos que não requerem prescrição médica e que são produzidos e vendidos aos consumidores para uso próprio. Isso inclui medicamentos isentos de prescrição (MIP), suplementos alimentares, vitaminas e fitoterápicos. Além disso, a automedicação responsável pode ser feita para prevenção e tratamento de sintomas de saúde que dispensam consulta ou acompanhamento médico.

A OMS, no entanto, ressalva cuidados aos usuários que optam pela automedicação. De acordo com a organização, consumidores e pacientes devem ser instruídos sobre como usar o medicamento e sobre quando a consulta com o profissional se faz necessária.

A linha entre entre a automedicação responsável e irresponsável é tênue e difícil de definir. É o que Helder Mello, farmacêutico e mestre em hemoterapia pela Universidade de São Paulo (USP), explica: “Os MIPs podem ser adquiridos sem receita médica, mas não deveriam ser consumidos sem a devida orientação profissional ou a atenta leitura da bula. A bula orienta as reações adversas possíveis, que vão desde sonolência e reações alérgicas, por exemplo. É sempre bom verificar os riscos com o farmacêutico e, em casos de reações, buscar imediatamente atendimento médico.”

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), sob o mesmo ponto, alerta que, quando consumidos incorretamente e sem critérios, medicamentos podem acarretar problemas de saúde ao usuários. Em entrevista, a assessoria de imprensa da agência deixa claro que os medicamentos não são bens de consumo comuns como alimentos e roupas.

Na América Latina, o Brasil aparece como uma das populações que apresentam maior tendência a comprar medicamentos sem previamente consultar o médico. Alertando quanto aos riscos da automedicação, a Agência Sanitária apontou, ainda, que 39% das intoxicações humanas no país em 2016 se deram por conta dos medicamentos.

Deixe uma resposta

Educação
Projeto incentiva leitura em escolas de ensino infantil
Saúde
IMG_5078 Remédio que pode prevenir HIV chega para todo o Brasil
Cultura
_MG_4228 Carreira artística que nasceu na escola

Mais lidas