Cultura

“Pilastra” é pilar de sustentação da arte fora do Centro

Localizado no Setor de Oficinas do Guará II, espaço aberto para artistas e apreciadores de arte também é considerado um local de resistência

Tags:
#intervençaoartistica #resistencia arte Cultura periferia

Um apartamento transformado em espaço híbrido para servir como sustentação de artistas unidos em resistência. A Pilastra é uma iniciativa privada que vende obras de arte nacionais e internacionais e conta com uma estrutura totalmente livre e aberta aos artistas.

Fundada, em 2017, pelo fotógrafo e estudante de Teoria Crítica e História da Arte, Mateus Lucena, de 21 anos, tinha como ideia inicial usar o apartamento como estúdio próprio. Analisando melhor as possibilidades, junto com a estudante de História e sócia, Lana Chadwick, de 18 anos, decidiu abrir a Pilastra aos artistas independentes de Brasília. Mateus diz que o local,  além de uma galeria de arte, é um espaço de resistência. “O objetivo é ser um espaço de democratização da arte, um espaço em que a galera possa ter acesso e ser bem recebida, tanto o público que vai pela arte, quanto artistas que precisam desses espaços de validação para serem expostos”, diz.

O apartamento conta com cômodos amplos e bem divididos, com dois ateliês, estúdio de produção audiovisual, banheiro, cozinha/bar e a galeria onde são expostas as artes feitas na própria Pilastra ou não. Os artistas são totalmente livres para usarem o espaço, é gratuito. Segundo Mateus, quem faz a seleção de artistas que entram nas exposições é o curador, que é o responsável pela concepção das obras de arte, montagem e supervisão de uma exposição de arte. Então, as obras podem ser ou não produzidas na Pilastra, depende do curador.

Galeria recebendo visitantes para a exposição "Todo espaço entre"

Frequentadores da Pilastra esperando o início da exposição “Todo espaço entre”

Brasília conta com mais de dez galerias de arte, a maioria delas concentrada no Plano Piloto e essa é a principal luta do fundador da Pilastra e dos artistas que frequentam o local: ganhar visibilidade e mostrar que existe arte fora do Plano. “A gente está meio restrito em Brasília, há poucos espaços e esses espaços são no Plano. Existem casas de cultura espalhadas pelo DF inteiro, só que elas não são completamente voltadas para as artes visuais, como a Pilastra é,” diz Mateus.

Para a estudante de museologia, Luna Colazante, os brasilienses não têm o hábito de ir a museus e galerias de arte, mas segundo ela, a cultura de Brasília ainda é muito nova e talvez, por isso, não tenha uma noção de identidade. “Eu acho que a Pilastra é muito importante para a afirmação da identidade da arte brasiliense”, argumenta. A galeria fica localizada no Guará II, no Setor de Oficinas e isso é um diferencial. “Aqui não é igual na Asa Sul ou Asa Norte que fica no meio de restaurante chique, que é uma coisa elitista. Aqui qualquer um pode chegar, entrar e visitar da forma mais simples”, completa Luna.

O fundador deixa claro que a galeria é um espaço de resistência. Ele explica que a presença de arte fora do Plano, a presença de um espaço expositivo no meio de um Setor de Oficinas é um dos enfrentamentos que a Pilastra faz. Para a artista plástica, Brida Ribeiro, ter um espaço acessível tanto para os artistas, quanto para o público é muito importante. “É muito importante ter um espaço para poder expor perto de casa. Tudo está concentrado no centro e nem todo mundo tem tempo, paciência e dinheiro para poder ir para o centro para fazer sua arte”, diz. “É nesse tipo de galeria que os artistas que estão começando podem expor e propagar novas ideias”, completa.

Artista plástica e apreciadora de artes, visitando a Pilastra

Artista plástica e apreciadora de artes, visitando a Pilastra

A exposição “Todo espaço entre”, com curadoria da artista contemporânea Kabe Rodriguez, traz os trabalhos das artistas Cecília Lima, Raíssa Studart e Isadora Almeida. Elas apresentam, na exposição, questões da linguagem da escultura, como as relações poéticas e políticas entre as materialidades do mundo e as subjetividades da matéria, em uma mostra que traz tanto esculturas como instalações, vídeo-performances e objetos. “A Pilastra é um sonho realizado. Eu fico muito eufórico com tudo que está acontecendo. E ser abraçados pelos artistas nos motiva mais a continuar nessa jornada”, finaliza Mateus sobre o que a Pilastra representa para ele.

Serviço:

A Pilastra fica localizada na QE 40, Conjunto D, Lote 38, apto 101, Guará II – DF, e os contatos para parceria e para saber mais detalhes de como funciona:

Email: apilastra@gmail.com

Telefone: (61) 983181879

Deixe uma resposta

Educação
Projeto incentiva leitura em escolas de ensino infantil
Saúde
IMG_5078 Remédio que pode prevenir HIV chega para todo o Brasil
Cultura
_MG_4228 Carreira artística que nasceu na escola

Mais lidas