Educação

Alunos ganham até viagem com Projeto Integrador

Você sabe como foi criado o Projeto Integrador? E que alunos até já ganharam viagem com seus projetos?

Alunos de quase todos os cursos e semestres possuem a disciplina Projeto Integrador, desde o primeiro ano do curso. Mas o que poucos sabem é como ela surgiu. A disciplina foi criada dentro da proposta do próprio IESB de colocar teoria e prática juntos.

É o que conta o professor Nicolas Caballero, coordenador do curso de Publicidade e Propaganda e responsável por trazer o projeto embrionário para a instituição. “As disciplinas teóricas e práticas são integradas desde o início. Os alunos desenvolvem, no caso da Publicidade, produtos reais, campanhas publicitárias reais, para clientes reais, visto a necessidade de dar essa teoria aliada à prática desde o primeiro semestre”.

O professor Nicolas também aponta que, com exceção do curso de Direito, todos os cursos do IESB possuem o Projeto Integrador como disciplina. “Ele começou a fazer parte da metodologia do IESB em 2010”, conta o professor.

“Até 2016, a gente pegava empresas de diferentes ramos. A partir de 2017, a gente optou por pegar uma empresa mãe, uma empresa única que tivesse 7 produtos ou serviços para que a gente pudesse distribuir em cada um dos semestres”, aponta o professor Nicolas. No primeiro semestre de 2017, os alunos de Publicidade tiveram como cliente real a empresa Brasal, que representa a Coca Cola.

Alunos se reunem em sala para definir detalhes do Projeto Integrador

Alunos se reúnem em sala para definir detalhes do Projeto Integrador

O primeiro semestre fez campanha institucional para a Brasal, o segundo para o Guaraná Antárctica, o terceiro fez para o Gatorade, o quarto era Tricolas, o quinto era a Caravana de Natal da Coca Cola, e assim por diante. No último semestre de 2017 a mesma ideia foi repetida, desta vez tendo como cliente o Comitê Paralímpico Brasileiro. “O grande mérito do Projeto Integrador é que os clientes vêm ao IESB dar o briefing aos alunos e, no final do semestre, o cliente volta para avaliar os trabalhos”, explana Nicolas.

Por semestre, são 130 trabalhos, em média. Até agora, já foram realizadas 16 edições do PI. Então, pelos cálculos desta reportagem , mais ou menos 2.080 trabalhos já foram realizados, somente no curso de Publicidade e Propaganda. Uma coisa muito interessante nisso tudo é que no mínimo 60 campanhas já foram desenvolvidas para clientes reais. “Esse é o maior retorno que a gente pode dar para os alunos, ter suas peças veiculadas desde o primeiro semestre é um grande portfólio para os alunos e uma grande honra para o IESB”, conclui Nicolas.

Para Daniella Goulart, coordenadora do curso de Jornalismo, “a grande importância do PI, apesar de ser uma disciplina à parte e ter carga horária, é ser uma  oportunidade de reunir todos os conteúdos que os alunos aprendem nas disciplinas”. Em Jornalismo, o PI foi adotado como disciplina matriz somente em 2014.

Para os alunos, é um exercício importante para que aprendam a trabalhar de forma colaborativa. Para o IESB, é a melhor forma de reunir numa disciplina coordenada por um professor só, todos os demais conteúdos do semestre. “O que a gente procura é que tenhamos temas guarda chuvas que sejam temas relevantes, que façam o aluno ter que pesquisar, entender aquele universo, sair da zona de conforto”, aponta Daniella.

Gosto especial

Para Brianda Bonfim, estudante de Publicidade e Propaganda, no IESB Campus Sul, o Projeto Integrador do segundo semestre de 2017 teve um gosto especial. Seu grupo, além de ter sido vencedor do prêmio, ganhou uma viagem para São Paulo. “Nosso projeto tinha como principal objetivo divulgar a premiação anual do Comitê Paralímpico. Abordamos o tema empoderamento, para mudar a forma das pessoas de verem os atletas e entenderem que eles não são coitados, mas são muito melhores que nós”, aponta Brianda.

Alunos se reunem com professor para tirar dúvidas sobre o PI

Alunos tiram dúvidas com professor sobre o PI

Mas o grupo de Brianda foi além do pedido em sala de aula. “Além das peças que foram pedidas, nós também montamos toda a festa, desde o palco até a ficha dos apresentadores e mesa de credenciamento”, lembra a estudante de Publicidade.

Conversamos um pouco mais com Brianda sobre tudo o que aconteceu nos últimos meses.

Portal de Jornalismo IESB – Quem teve a ideia da campanha?

Brianda - Não tem como dizer quem deu a ideia. São muitas reuniões e cada um leva uma ideia que, no fim, se torna algo muito maior. Fazemos muitas alterações, todos juntos. Acho que esse é um diferencial nosso, somos muito unidos e tentamos usar a ideia de todos.

PJ IESB – Como foi a pressão de ter um comitê oficial avaliando o trabalho de vocês?

Brianda - Cara, foi louco, mas na hora eu nem pensava nisso. Estávamos muito empolgados e orgulhosos com o resultado do trabalho. O que eu queria é que todos vissem aquilo, como se eu fosse uma mãe mostrando o quanto o filho é lindo, sabe?

PJ IESB – Qual foi a sensação de ter ganhado o PI e a viagem?

Brianda – Quando anunciaram nosso nome eu quase desmaiei. Nem lembro muito bem o que aconteceu. Eu lembro que eu só conseguia falar ‘meu Deus, meu Deus, meu Deus…’ e tentava entender o porquê de todos estarem pulando. Parecia que era mentira e a qualquer momento ia acordar, mas também não sentia minhas pernas e queria chorar. A viagem pareceu que demorou um ano para chegar e quando chegou durou meia hora, mas mesmo assim foi tudo incrível: a presença do Nicolas e do André, era tudo mágico. Vivemos muitas aventuras em SP em apenas um dia, mas a melhor de todas foi quando entramos na Sala São Paulo (onde aconteceu a premiação de 2017) e vimos tudo o que tínhamos estudado ali: a estrutura da sala, os atletas cujas histórias pesquisamos minunciosamente, todos ali, na nossa frente, a Ana Barcellar (do marketing do comitê) nos recepcionando e nos deixando o mais confortáveis o possível. Foi, simplesmente, incrível. Não tenho palavras para descrever tudo.

Material gráfico ganhador do PI, feito pelo grupo de Brianda, para o Prêmio Paralímpico

Material gráfico ganhador do PI, feito pelo grupo de Brianda, para o Prêmio Paralímpico

PJ IESB – Qual foi a importância do IESB em ter o Projeto Integrador para os alunos terem oportunidades como a que seu grupo teve?

Brianda – O IESB é, sem dúvida, a melhor escolha que fiz na vida, não tem outra forma de falar. Atendemos clientes e temos uma grande experiência antes mesmo de nos formarmos. Podemos ter no nosso portfólio Coca-Cola e o Comitê por conta dele.

PJ IESB – E os professores?

Brianda – Os professores são ótimos, têm uma paciência enorme para nos ajudar, mesmo quando vamos para os dois turnos. Nenhuma outra faculdade tem isso, nem os professores tão bons, nem essa grande experiência que eles dão e, muito menos, a estrutura.

Deixe uma resposta

Educação
Projeto incentiva leitura em escolas de ensino infantil
Saúde
IMG_5078 Remédio que pode prevenir HIV chega para todo o Brasil
Cultura
_MG_4228 Carreira artística que nasceu na escola

Mais lidas