Cidades

Produtores artesanais são destaque em feiras

Orgânicos e receitas de famílias são atrativos em eventos alternativos, que ainda contam com cosméticos e roupas sustentáveis

Tags:
#economia alimentos orgânicos Brasília DF empreendedorismo feiras livres IESB Lago Oeste Lago Sul produtos artesanais projeto sustentabilidade

    Maria Amélia da Tomatino da Nonna

    Maria Amélia, da Tomatino da Nonna: produção familiar com espaço no mercado

    A população de Brasília vem valorizando antigos costumes de abastecimento, as feiras. Esse modelo econômico e sociocultural representa um canal de distribuição desde as mais antigas civilizações e atraem cada vez mais os consumidores que buscam produtos artesanais, qualidade e preço. As opções são muitas: cosméticos, leite A2A2 (orgânico com certificação), produtos de origem árabe, pães e pastas, patês, hortifrutigranjeiros e roupas sustentáveis tingidas a base de sementes e cascas. Todos eles garantem que os processos de produção são mais naturais e saudáveis e que a procura é grande.

    DJs e degustações variáveis estão entre os diferenciais. A gestora da ONU Claudia Valenzuela fala que não troca os produtos dessas feiras por nenhum outro. “Adoro a rotina dessas feiras modernas aos sábados. Tenho fornecedores de leites e derivados, pães sem glúten, bolos e sempre encontro novidades de cosméticos naturais. Não me incomodo de atravessar a cidade para encontrá-los, já são todos conhecidos”, diz Cláudia.

    Limoncello Paraiso de Michel Casalino

    Michel Casalino: produção e venda de 60 litros de licor por semana

    Aos sábados, o comércio local da QI 9/11, do Lago Sul, promove o Café com Feira, que reúne empreendedores de vários segmentos, todos voltados à produção e ao consumo consciente. A idealização é da empresária Deise Lima.

    O italiano Michel Casalino produz há um ano o Limoncello, um licor de limão originado no sul da Itália. São 60 litros por semana vendidos em eventos de embaixadas, como o Bazar Europeu. “Nossa produção é realizada em Valparaíso. Selecionamos os limões para manter sempre o melhor sabor. Qualidade no produto e na forma de trabalhar é a nossa missão”, conta o produtor.

    A Itália também faz sucesso pelas mãos de Maria Amélia, casada com Carlo Arena, um siciliano de paladar exigente. “A produção familiar que antes era restrita a almoços privados alcançou sucesso entre amigos e começamos a produzir molhos de tomate, pesto e nhoque de batata-doce e hoje mobiliza a mim e as minhas três filhas”, conta Maria Amélia. O Tomatino da Nonna é comercializado na feira do Gran Cru, do Brasília Shopping, na Mercearia Colaborativa na 412 Norte e por delivery. Muitos desses produtos acabam também sendo vendidos nas lojas colaborativas ou cafés, no modelo que vem dando resultado que é o Coworking, espaços comerciais compartilhados.

    A jornalista Rosanna Tacitano vende variados tipos de queijos e embutidos produzidos artesanalmente. Ela faz parte da Associação de Comerciantes de Queijos Artesanais Brasileiros. “É um enorme prazer fazer essa “curadoria”, diz. A empresária traz os produtos toda semana de fazendas centenárias de Goiás, Minas Gerais e até da Paraíba. Já a “chef” Teresa Thomas comercializa na feira da QI 9patê fois”, geléias com ingredientes como a cagaita e vatapá de bacalhau.

     Teresa Thomas  e a produção de “patê fois”,  terrines e geléias

    Produção de “patê fois”, terrines e geléias de cagaita entre as opções

    Algumas dessas experiências estão gerando também empregos, como a padaria artesanal Castália. O publicitário Eduardo Neiva fez panificação em São Francisco e se juntou ao irmão e ao primo, que estudou na França. Hoje, empregam 19 pessoas. “Participamos de várias feiras pois ajuda a divulgar e fazer contato com variadas pessoas”, diz a sócia Manuela Otero.

    Na Asa Norte uma feira que também faz sucesso é a da Mercearia Colaborativa: loja que serve de vitrine para pequenos produtores locais exporem seus produtos, como linguiças e temperos artesanais. Outra chance de garantir produtos orgânicos de boa qualidade é o Empório Lago Oeste, que comercializa hortifrutigranjeiros e artesanatos, em especial os de agricultura familiar, dos pequenos produtores e da agricultura agroecológica e orgânica.

    Grande parte desses fornecedores são tão exigentes quanto os consumidores. A chef Shirley Soares, do Tree Burger, diz que essas feiras em Brasília estão muito profissionais e que há produtos únicos e de altíssima qualidade. “Quem ama a gastronomia não pode deixar de conhecer e valorizar os produtores próximos. Isso ajuda a inspecionar tanto a qualidade como a forma de produção. É essencial saber o que comemos e valorizar métodos sustentáveis e naturais, além de impulsionar a economia local”, diz Shirley.

    Pães artesanais Castália

    Produção de pães artesanais já emprega 19 pessoas

    Serviço

    Café com Feira:  sábados, das 9h às 13h

    Comércio local da SHIS QI 9/11 – Lago Sul

    Estacionamento em frente ao Grand Cru Brasília – Importadora de Vinhos e Wine Bar

    Mercearia Colaborativa:  Diariamente, das 9h às 21h

    CLN 412, Bloco E, Lojas 4, 6 e 10.

    Mercadinho do Brasília Shopping: sábado, das 9h às 15h

    Na área externa do Brasília Shopping (W3 Norte)

    Empório Lago Oeste: Quintas e sextas-feiras, das 16h às 21h;  sábados, das 8h às 15h; e  domingo, das 8h às 13h

    Rodovia DF-003, Km 0,4 (no Balão do Colorado, entre postos de combustíveis Flamingo e Altana)

    Deixe uma resposta

    Saúde
    _DSC0012 Narguilé: Mitos e verdades
    Cidadania
    Ônibus do banho do bem Projeto social resgata dignidade de quem mora na rua
    Economia
    É possível encontrar peças dos valores mais variáveis possíveis. Novas formas de consumo sugerem adaptações no mercado da moda

    Mais lidas