Meio Ambiente

Grupo promove mutirões de limpeza e conscientização ambiental

Eco Cerrado atua em cidades do entorno do DF, recuperando nascentes e fortalecendo a educação ambiental

Moradores cansados de esperar pela prefeitura resolveram organizar mutirões de limpeza e conservação da nascente do lago Jacob, localizado na Cidade Ocidental, entorno de Brasília. A orla do lago é usada como forma de lazer para a maior parte dos moradores da cidade. No local é possível fazer caminhadas, andar de bicicleta e ainda levar a criançada para brincar nas áreas de recreação. O descuido com o espaço incomodou o grupo Eco Cerrado, que tomou a iniciativa pioneira.

As ações do grupo já eram realizadas em outras cidades do Goiás. O coordenador geral do grupo Edinho Rocha considera que a preservação do meio ambiente é dever de todos e não apenas da prefeitura e por isso o trabalho também inclui a conscientização voltada para a mudança social. “Não culpo apenas os governantes pela poluição do lago, todos nós temos que cuidar e ensinar nossos filhos para que isso não venha a se agravar futuramente.”

Para ele, apesar de a limpeza ser feita por um grupo pequeno de pessoas, o impacto para a cidade é muito maior. “Após o mutirão, percebemos uma mudança na visão da população, principalmente na diminuição de descartes irregulares que eram realizados no município e o aumento de denúncias realizadas, demonstrando que a educação ambiental não formal vem cumprindo o seu papel.”

Um exemplo disso é a professora Maria Leide, a aposentada leva os netos para brincarem nos fins de semana no lago e já viu melhorias no ambiente. “Já vi algumas vezes as pessoas limpando, apesar de não conseguir participar diretamente acredito que minha contribuição é manter o trabalho que eles fizeram. Não é justo só alguns fazerem, se todos nós desfrutamos né? O lixo vai embora comigo para casa.”

O estudante Daniel Aguiar é voluntário nos fins de semana

O estudante Daniel Aguiar é voluntário nos fins de semana

O estudante universitário Daniel Aguiar, 21 anos, conta que, como frequenta a orla lago quase todos os dias para fazer caminhada, acabou percebendo que o lixo estava acumulando nas nascentes e nas superfícies. Ficou sabendo dos mutirões através dos amigos e não teve duvidas: “Fiquei pensando em como eu poderia ajudar, acabei entrando em contato com o grupo e pedi para ser voluntário nos fins de semana. Me sinto muito melhor fazendo exercícios em um local limpo e não custa nada além de algumas horas do meu dia.”

A Gerente de Recursos Hídricos do Instituto Brasília Ambiental (Ibram), Karine Karen enfatiza que o trabalho conjunto entre a população e as autoridades é a solução para a preservação dos lagos, nascentes e córregos. “A população não pode esperar que apenas o governo implemente as iniciativas. A comunidade pode e deve colaborar na gestão e implantação de melhorias para o meio ambiente com ações simples como: separar o lixo, não jogar lixo na rua e até o não lançamento de óleo de cozinha e gorduras na pia, pois acarreta impactos em todo o sistema de tratamento de esgotos.”

    Notice: Tema sem comments.php está obsoleto desde a versão 3.0 sem nenhuma alternativa disponível. Inclua um modelo comments.php em seu tema. in /var/www/publicacao/jornalismo/site-root/wp-includes/functions.php on line 2957

    Deixe uma resposta

    Cultura
    O taxidermista César Leão em seu ambiente de trabalho Brasília conta com dois museus de taxidermia
    Ciência e Tecnologia
    Telescópio do Planetário de Brasília Descubra qual a possibilidade de um meteoro atingir a Terra
    Esporte
    IMG_4988 Distrito Federal pode ser representado no skate na próxima Olimpíada

    Mais lidas