Economia

“Complemento de renda” acaba virando negócio

Brasil conta com quase 7 milhões de microempreendedores cadastrados, grande parte deles tem a atividade como seu único faturamento

Tags:
#Microempreendedorismo economia microempreendedor renda complementar

Por hobby ou necessidade, pessoas realizam tarefas em busca de renda extra. Produção de bombons e vendas de produtos feitos a partir de tecidos podem acabar deixando de ser apenas um complemento para fazer parte do orçamento ou até mesmo a renda inteira.

Renata pretende se dedicar inteiramente ao atelier em sua casa.

Renata pretende se dedicar inteiramente ao atelier em sua casa

A servidora pública Renata Amoras é uma das que faz parte desses pequenos negócios há cerca de 4 anos, com o atelier Cesto de Amoras. Renata produz bolsinhas, nécessaires, porta celulares, estojos e várias outras peças de tecido no atelier em casa. Ela começou a produção por hobby, dando presentes de Natal para a família e acabou sendo incentivada a transformar em um negócio por amigas e pelas filhas.

A complementação de renda veio logo após a servidora abrir mão de suas gratificações no trabalho para dar atenção ao seu marido, que sofre de Alzheimer. “Comecei a sentir que teria que ficar mais tempo em casa com meu marido, por conta da doença dele, e aí abri mão de uma gratificação no trabalho. Investi mais ainda no atelier e virou uma complementação de renda”, explica.

Renata ainda não é uma Microempreendedora Individual (MEI), mas, após a aposentadoria, que está próxima, pretende continuar com o trabalho com a venda online e presencial, sempre por encomendas, como uma característica de seus serviços. “Eu gosto muito de conversar com o cliente para saber de sua necessidade. ”

Mariana, que cursa administração, pretende ter um pequeno negócio envolvendo doces.

Mariana, que cursa administração, pretende ter um pequeno negócio envolvendo doces

A estudante Mariana Pinheiro, produtora de docinhos para festas, conta que seu negócio, Nosso Lado Doce, começou justamente pela necessidade de complementação de renda há dois anos. “Eu e minha parceira sempre gostamos de fazer doces, então quando tinha festinha as pessoas pediam para a gente fazer os docinhos, ás vezes até cediam o material. E foi então que a gente pensou em unir o útil ao agradável. ”

Ela e Priscila Nunes, sua parceira, trabalham por encomendas e aproveitam datas comemorativas para ter uma maior complementação da renda. Mariana já é uma MEI e utiliza os benefícios do CNPJ para ter mais facilidade em seu negócio, como desconto em produtos em mercados atacadistas.

Futuramente após o término da faculdade e do estágio, elas pretendem manter o negócio como uma renda principal, inclusive criando uma loja. “A ideia é a gente realmente ter uma loja e passar do MEI para Microemprensa.”

 

Microempreendedores Individuais

Atualmente o Brasil conta com quase 7 milhões de microempreendedores individuais, 125 mil no Distrito Federal. Cerca de 77% deles têm a atividade como sua única fonte de renda e 44% dos MEI empreendem em casa, segundo um levantamento realizado pelo Sebrae. O instituto explica que a formalização no MEI ajuda no aumento das vendas e propicia melhores condições de compra.

Em 2017, o Brasil tinha cerca de 7,4 milhões de MEI, mas perdeu 1,3 mi por falta de pagamento das contribuições mensais, número que pode crescer ainda mais.

 

 

Deixe uma resposta

Entrevistas
Entrevista Inovar é saber como os outros se comportam
Cidadania
Foto: Ingrid Pires Projeto leva esporte e música a adolescentes em Sobradinho
Cidades
Placas que sinalizam as saídas do parque, quando existem, estão degradadas. Parque da Cidade precisa de sinalização

Mais lidas