Educação

Bola no chão, livro na mão

Projeto social localizado em Planaltina incentiva crianças e jovens a tirarem boas notas na escola

Tags:
bola no chao livro na mão crianças educação Esporte futebol projeto social

Idealizado pelo professor Joedson Serpa, o projeto social de futebol “Bola no chão, livro na mão” busca complementar a educação de crianças e jovens com idade entre 5 e 17 anos por meio do esporte. Com cerca de 280 crianças no projeto, o grupo se reúne duas vezes por semana para praticar o esporte na cidade de Planaltina. Com o auxílio de dois treinadores, e uma psicopedagoga o projeto se mantém ativo desde 2016.

Os pré-requisitos para jogar bola no programa são ter boas notas na escola, dedicação nos campos e ter um bom comportamento. As regras e os princípios da boa educação são essenciais para garantir a permanência dos alunos no projeto. Para Joedson, esportista e mentor do grupo, a prática do esporte deve ser aliada a regras e tratada como parte da educação básica. “A gente tem regras. Quando as crianças entram no projeto, eu sou chato, me sinto como um pai deles. Tem que ter boas notas, tem que ser bom filho, tem que ser bom aluno, eu falo em comportamento de tudo”, diz Joedson.

 

Projeto social localizado em Planaltina incentiva crianças e jovens a tirarem boas notas na escola

O treino é feito num campo na cidade de Planaltina. Alunos se encontram para jogar duas vezes por semana

Os jogadores são divididos por idade e por turnos. Pela manhã treinam as crianças menores e, à tarde, os mais velhos. Anderson Silva tem 15 anos e está no 1º ano do Ensino Médio. O jovem comenta que depois que começou a frequentar o programa, seu comportamento mudou muito. “Depois que eu entrei, eu me acalmei mais, porque eu não queria ficar fora do time. Então eu melhorei nisso, na escola, na conversa, até nas notas, porque aqui tem até tem aula de reforço”.

Danielle Rangel, professora e voluntária, acompanha os boletins escolares, e dá aula de reforço para aqueles que têm mais dificuldade em manter as boas notas. Para Danielle, aliar a educação com o esporte é dar a chance dessas crianças terem um futuro diferente da realidade em que vivem. “A importância maior que eu vejo é deles não estarem na rua, à beira da marginalidade em si e envolvidos no mundo do crime. Nosso trabalho vai além do futebol, além do campo, além de um trabalho de reforço escolar. É um trabalho motivacional, um trabalho interacionista, onde a gente vê a evolução e para mim, é muito gratificante. Os alunos veem um futuro diferente, um futuro melhor, um resgate”.

Os pais dos alunos também são envolvidos no projeto, e alguns acompanham de perto a rotina dos filhos, como é o caso da empregada doméstica Eliene Rodrigues Silva, 41 anos e mãe do Enderson Silva Barbosa, que está há dois anos no programa. “Graças a esse projeto que ele melhorou bastante na escola, no comportamento aqui dentro de casa, com os irmãos, com o pai, comigo. Enfim, é muito satisfatório, é um projeto muito bom. Antes, ele gostava muito de ficar na rua, hoje ele já não fica mais, me ajudou bastante mesmo”, comenta a mãe.

O programa se mantém de forma independente. Desde uniformes, chuteiras, abastecimento de água, tudo é custeado pelo próprio projeto por meio de ações pela cidade, eventos e rifas. Novas vagas são abertas semestralmente, e novos alunos são abraçados pelo projeto que vem crescendo cada vez mais. Joedson conclui dizendo que não existe ninguém diferente ali, e que todos são bem-vindos. “Aqui, negro é negro, branco é branco, preto é preto, amarelo é amarelo, magro é magro, gordo é gordo, pobre é pobre, rico não tem, mas se tiver, é rico. Acho que a maior satisfação que o ser humano pode ter é contribuir para a vida do outro, é o meu modo de pensar e de ver”, avalia.

Notice: Tema sem comments.php está obsoleto desde a versão 3.0 sem nenhuma alternativa disponível. Inclua um modelo comments.php em seu tema. in /var/www/publicacao/jornalismo/site-root/wp-includes/functions.php on line 2957

Deixe uma resposta

Comportamento
FOTO 3 Criação de animais exóticos ganha espaço no DF
Cultura
Processed with VSCO with j4 preset Palácio Itamaraty: A sala de estar do Brasil
Turismo e Lazer
Centro do Rio de Janeiro agrega histórias e cultura

Mais lidas