Cultura

Exposição ‘De Ver Cidade’ apresenta novo olhar sobre Brasília para crianças

Mostra apresenta maquetes em formas de caixas lúdicas que podem serem modificadas e tocadas por visitantes

A exposição ‘De Ver Cidade – Brasília Numa Caixa de Brincar’ oferece ao público uma nova forma de enxergar o espaço urbano da cidade. Exposta de 28 de abril a 12 maio no Espaço Cultural Renato Russo, na 508 Sul, a mostra apresenta uma topografia sensível ( descrição territorial), inspirada totalmente na capital Brasiliense. O projeto apresenta maquetes em forma de caixas lúdicas acessíveis a modificações e toques de crianças. Os blocos representam desde placas de trânsito características de Brasília, a monumentos inspirados nos trabalhos de Lúcio Costa e Oscar Niemeyer.

A iniciativa é do Coletivo Entrevazios, um projeto que reúne multiartistas desde 2014 em prol de pesquisas relacionadas às poéticas da cidade. O foco do grupo é em performance, intervenção urbana, técnicas experimentais em artes cênicas e aspectos do design de cena, como cenografia, figurino e maquiagem.

‘De Ver Cidade’ mostra a educação patrimonial (a compreensão da cultura construída em determinado lugar) e foi idealizada a partir das quatro escalas de Brasília: Residencial, gregária, bucólica e monumental, originais do projeto da nova capital. Cada uma delas traz um aspecto de interação e construção diferente da cidade. A residencial representa os blocos de Brasília, onde se localiza o espaço urbano; a gregária os lugares de encontros que a cidade proporciona (rodoviária e Conic, por exemplo); a bucólica, a representatividade da natureza na cidade; e a monumental os grandes eixos de Brasília, onde os grandes fluxos da cidade acontecem.

 Membro fundadora do Coletivo Entrevazios, Luenia Guedes, diretora geral da mostra ‘De Ver Cidade’, mestra e licenciada em Artes Cênicas pela Universidade de Brasília, afirma que o projeto demonstra por meio das caixas interativas uma experiência que utiliza o corpo como um lugar de performance. “Nós chamamos essa obra de topografia sensível. Guardamos nessas caixas interativas experiências com a cidade. É uma experiência interativa que move o nosso corpo para um lugar de performatividade, de mobilizar o corpo para outras alturas e outras formas experienciar o espaço.”

 

Luenia diz que todas as caixas podem ser tocadas e modificadas por crianças. É uma forma de nos aproximar do olhar dos pequenos.

Luenia diz que todas as caixas podem ser tocadas e modificadas por crianças: é uma forma de nos aproximar do olhar dos pequenos

A exposição recebe diversas visitas guiadas de alunos por dia, em sua maioria de escolas  públicas. O passeio, chamado de “rolê cultural”, consiste em levar as crianças para uma volta na superquadra 308 sul, também conhecida como a quadra modelo de Brasília, por ter seguido à risca o projeto do urbanista Lúcio Costa, e também por demonstrar como deveriam ser todas as quadras do Plano Piloto. O lugar cerca o Espaço Cultural Renato Russo, onde a exposição está localizada. A proposta do passeio é  despertar nas crianças um novo olhar pela cidade e aumentando assim, o interesse pelas obras expostas.

Maria Eduarda Improise, estudante de 17 anos e visitante do Espaço Cultural Renato Russo, diz que a exposição proporcionou aproximação com os projetos originais realizados na concepção de Brasília por Lúcio Costa e Oscar Niemeyer. “Eu achei que (a exposição) traz a ideia de como surgiu Brasília. E também traz uma perspectiva de intimidade maior com o seu criador. Esse projeto que traz Brasília em formatos geométricos é uma forma de  nos aproximar e ter um contato maior com a cidade.”

 

Sensibilizada, Maria Eduarda diz que a mostra a fez enxergar Brasília de um jeito diferente

Sensibilizada, Maria Eduarda diz que a mostra a fez enxergar Brasília de um jeito diferente

Um dos diferenciais da  obra é ser interativa para crianças. A perspectiva central é separar a concepção comercial que as pessoas têm sobre artigos infantis, os blocos são caixas lúdicas que fertilizam a imaginação dos pequenos. Luenia Guedes afirma que no processo criativo a ideia principal era aproximar o olhar dos adultos com das crianças. “Nós justamente não quisemos criar uma obra para crianças como um  mercado. A ideia era de se aproximar do olhar da criança. É uma tentativa de nos contaminarmos com o olhar infantil, de deixar o nosso olhar adulto um pouco mais lúdico, Então, o projeto traz essa diversidade de olhar, envolvendo o lugar brincante da criança.”

 O estudante Eduardo Borges, 11 anos, visitou a exposição por indicação de um professor. Ele afirma que a experiência foi muito agradável, tendo até mesmo participado da interação com um dos blocos. “Eu achei a exposição bem bacana, gostei da indicação do meu professor e de poder escrever o meu nome em um dos blocos.”

Mãe e filho visitam a exposição

Mãe e filho visitam a exposição

Mãe e filho visitam a exposição

 

‘De Ver Cidade’ – Brasília Numa Caixa de Brincar funciona todas de terça a sábado, das 10h às 20h e aos domingos a partir das 10h às 19h até 12 de maio. Alguns dias, haverá programação específica:

Sábado, 11/05

10h às 12h – Fruindo a obra com Coletivo Entrevazios – (agendamento antecipado)

15h às 17h – Desmontagem criativa da obra (agendamento antecipado)

    Notice: Tema sem comments.php está obsoleto desde a versão 3.0 sem nenhuma alternativa disponível. Inclua um modelo comments.php em seu tema. in /var/www/publicacao/jornalismo/site-root/wp-includes/functions.php on line 2957

    Deixe uma resposta

    Saúde
    Entrada da Fundação Hemocentro de Brasília Doar sangue ajuda a salvar vidas
    Turismo e Lazer
    Jogos de tabuleiro no roteiro de diversão do DF
    Turismo e Lazer
    IMG  (7) Céu das Artes é opção de lazer e cultura para jovens do Recanto das Emas

    Mais lidas