Esporte

Lei de incentivo ao esporte é pouco aplicada na capital

Apesar de possuir cenário promissor, a capital federal encara dificuldades de investimento no ramo do esporte

Tags:
Brasília ciclismo corrida escolas Esporte infraestrutura

Assim como na maioria das cidades brasileiras, os atletas foram educados em escolas onde os espaços para educação física eram precários e inapropriados. A chave para a resolução deste problema começou a surgir com a Lei do Incentivo ao Esporte (Lei nº 11.438/06), que estabelece benefícios fiscais para pessoas físicas ou jurídicas que estimulem o desenvolvimento do esporte nacional, através do patrocínio/doação para projetos desportivos e paradesportivos. A medida abriu as portas para um novo mundo, em um país onde o esporte é tão falado, mas pouco valorizado.

O cenário local não chega a ser tão diferente do nacional: em Brasília, a infraestrutura do esporte se divide em uma linha bem tênue de pontos negativos e positivos. Para o professor de Educação Física e atleta, Sérgio Avelino, a capital possui um cenário promissor para o esporte, mas não exclui a dificuldade com as estruturas. “Apesar de ser uma cidade nova, temos várias modalidades esportivas, um histórico de formação de vários atletas olímpicos, tonando-se um cenário muito promissor para uma cidade de poucos anos. Mas apesar de ser um espaço propício para a prática do esporte, a infraestrutura, em um âmbito geral, é ruim”, explica.

Ex-jogador de basquete e fruto da geração de atletas formados em Brasília, Sérgio explica que se houvesse um maior investimento em infraestrutura, a cidade formaria muito mais atletas. Em Brasília, a infraestrutura se divide de acordo com modalidades. Para o professor, os esportes outdoor, modalidades em cenário aberto, como triatlo, ciclismo, montain bike e corrida, têm menor dificuldade com as áreas de treino. Lagos e parques são boas áreas para a prática, além da planície da cidade, que colabora para as atividades. O professor também explica que os esportes na modalidade indoor – esportes de quadra – como basquete, voleiball e futebol, vivem uma situação muito precária com a estrutura.

Para o professor, a falta de cuidado com os locais esportivos dificulta a prática desse esporte: “A estrutura para as modalidades indoor é muito ruim. São poucos os clubes que possuem estrutura, e quando têm, são quadras de cimento ou Paviflex, que causam lesões ao longo do tempo”, diz. Além de não haver espaço adequado para o uso da população, Sérgio conta que não há programas específicos para esse tipo de demanda.

No Parque da Cidade encontramos a infraestrutura para esportes de quadra, porém, vivem em situação precária

No Parque da Cidade a infraestrutura para esportes de quadra está em situação precária

Nas escolas

Com uma infraestrutura fraca, o ambiente escolar também possui dificuldades. Local em que muitas crianças teriam o primeiro contato com o esporte, o estímulo para a prática desportiva é desfeito. A ex-atleta profissional de vôlei Erika Carvalho cresceu em escolinhas de esportes, e avalia que Brasília tem muitos locais para a prática, mas o mau uso e a falta de investimento dificultam a atividade. “Apesar de haver muito local bom para treinamento, as áreas esportivas de Brasília são mal utilizadas. As cidades satélites possuem ginásios e estruturas de esporte, mas não são oferecidas para a comunidade”, lamenta.

Além da falta de investimento do governo em estrutura material para as escolinhas, outro problema é a falta de apoio aos atletas. Para o corredor Davi Dantas, a falta de incentivo muda a forma como se pratica o esporte. O atleta explica que a dificuldade surge devido ao fato de haver poucas corridas em Brasília. Grande parte das competições são pagas, tornando o público mais restrito. “O movimento corrida de rua em Brasília é muito forte. Todo domingo tem corrida, ou seja, tem muito público. Mas há pouco incentivo, e podemos ver isso na Corrida de Reis, que poderia acontecer mais de uma vez ao ano”, desabafa.

Esportes outdoor, modalidades em cenário aberto, possuem menor dificuldade de treino

Praticantes de esportes outdoor, modalidades em cenário aberto, enfrentam menos dificuldades para treinar

As políticas públicas voltadas ao desporto são dever do estado, mas se faz necessária uma construção organizada e planejada. A Lei de Incentivo ao Esporte é exemplo da não obtenção de resultado devido à falta do conhecimento de gerenciamento esportivo. Apesar de ser um grande passo para o país, falta colocar em prática ações que viabilizem uma melhor infraestrutura esportista, tanto em âmbito local, como nacional. A Secretaria do Esporte do DF foi procurada, mas não se pronunciou.

    Notice: Tema sem comments.php está obsoleto desde a versão 3.0 sem nenhuma alternativa disponível. Inclua um modelo comments.php em seu tema. in /var/www/publicacao/jornalismo/site-root/wp-includes/functions.php on line 2957

    Deixe uma resposta

    Turismo e Lazer
    capa Nova edição da revista Redemoinho discute temas polêmicos
    Economia
    Movimento Empresa Júnior: empreendedorismo começa cedo
    Cultura
    IMG_2603 Arte fora do eixo

    Mais lidas