Educação

Centro de ensino para deficientes visuais ajuda na vida acadêmica de estudantes

Além da autonomia, o intuito também é a inclusão dos alunos no mercado de trabalho

Uma  escola com foco em trabalhar com pessoas cegas ou com baixa visão. Este é o Centro de Ensino Especial para Deficientes Visuais (CEEDV), da Secretaria de Educação do DF, na quadra 612 Sul, na Avenida L2. Os métodos utilizados são o Braille na parte da escrita e o Sorobã para matemática. Também há  ensino de orientação e mobilidade, utilizando equipamentos próprios para a adaptação dos  estudantes. O objetivo é promover cidadania para os alunos poderem ser incluídos na sociedade e na vida acadêmica.

Os métodos utilizados na escola evoluem de acordo com cada aluno. Isso tem ocorrido por meio de programas de vozes. O Diretor da unidade de ensino, Airton Dutra de Farias, explica: “O aluno vai ao computador e acessa normalmente um teclado normal que utilizamos no dia a dia, inclusive os celulares tem leitor de tela”. Atividades diárias e sociais são ensinadas e educação física também faz parte do ensino.

A professora do CEEDV Jaqueline de Melo  trabalha com Orientação e Mobilidade, disciplina que ajuda tanto a pessoa totalmente cega, quanto aquela que tem baixa visão. O trabalho é feito com treinamentos. “Primeiro nós saímos com o aluno, ensinamos ele a andar dentro do CEEDV para se localizar aqui dentro. O aluno que veio pela primeira vez vai aprender técnicas para sentar de uma forma segura e estar em cima de uma mesa”. Depois de concluída estas fases, o próximo passo é a parte da área externa, onde o aluno vai aprender a andar com a bengala.

Para Jaqueline, existem dificuldades enfrentadas, e a principal delas é em relação ao aluno de baixa visão “existe momentos em que a gente venda o aluno. E nesse momento em que ele é vendado, ele tem certas dificuldades porque ele não está usando o que chamamos de resíduo visual (aquilo que ele consegue perceber com a visão)”. Apesar das dificuldades, as evoluções dos alunos têm obtido resultados porque os alunos já estão aprendendo os movimentos com forme os resultados vão aparecendo.

O professor Deusdede Marques de Oliveira trabalha com Serviço de Orientação a Trabalho e é responsável por atende 15 alunos adultos na turma da manhã e no período da tarde. Porém, pela especificidade do serviço, ele atende toda comunidade, além dos matriculados. E, para Deusdede, o aluno possui dificuldades no momento inicial. “Ao se tornar deficiente visual, ele pensa que a vida acabou. Então até tirar dele este trauma, é a grande dificuldade porque depois ele segue em frente”. A facilidade enxergada pelo professor é a vontade do aluno de recomeçar e reaprender porque a escola atende estudantes que nunca cursaram a escola e também pessoas que tiveram pós-doutorado.

Já o estudante Paulo Lafaiete, 34 anos,  está na escola pra estudar para concurso público. Ele consegue perceber a sua evolução por meio  dos métodos de ensino de aprendizagem. “Os professores estão se capacitando a cada momento, o ambiente está ficando mais propício e consigo ter mais oportunidades”. Ele sente que consegue ter autonomia, como o ensino da Orientação e Mobilidade.

Paulo Lafaiete é formado em Publicidade e Propaganda e utiliza o espaço da biblioteca para estudar

Outra estudante, Maria Oneide, 59 anos, faz curso no CEEDV e matérias como Braille, Sorobã e Educação  Física. Ela consegue sentir evoluções com o ensino e, para ela, o espaço foi muito importante para o aprendizado. “Quando eu comecei a perder a visão e não consegui andar sozinha, foi aqui que eu consegui aprender a andar, por exemplo, com a bengala”. A dificuldade para ela foi no começo, quando não conseguia chegar na escola sozinha “depois tive melhoria porque tive aulas de mobilidade, e hoje consigo chegar com facilidade”.

A coordenadora do Centro Especial, Alessandra Missiaggia,  é responsável pela avaliação funcional da visão de crianças de zero a quatro anos. Ela coordena a educação precoce do Centro de Ensino Especial de Deficientes Visuais. As dificuldades variam de diagnósticos obtidas por meio dos exames: “algumas crianças não são apenas deficientes visuais. Elas podem ter alguma deficiência intelectual junta ou deficiência física”. Por outro lado,  a evolução existe. “A gente aprende a não esperar grandes evoluções, a gente  aprende a ver, quando a criança aprendeu a fazer algum comando. Dependendo da criança e da patologia, pra gente isso é um grande avanço”, relata. O objetivo é até mesmo para os pais não fazer um marco muito grande “por exemplo, o objetivo é que a criança sacuda um objeto, pegue o objeto, interaja com o objeto e mude de posição”.

Segundo o diretor Airton, a principal dificuldade é a de acessibilidade geral, fora da escola. A escola é a única unidade pública de ensino especializado para atender os aluno que possuem deficiência visual. Atualmente, o centro possui 400 alunos e a procura  tem crescido, 280 alunos era o número estipulado anteriormente e hoje a demanda tem aumentado. “Isso significa que a pessoa deixou de estar em casa para encara um processo acadêmico e seguir sua vida normalmente”.

A escola também possue alguns dos clássicos da literatura adaptado para o Braille

A escola também possue alguns dos clássicos da literatura adaptado para o Braille

Notice: Tema sem comments.php está obsoleto desde a versão 3.0 sem nenhuma alternativa disponível. Inclua um modelo comments.php em seu tema. in /var/www/publicacao/jornalismo/site-root/wp-includes/functions.php on line 2957

Deixe uma resposta

Comportamento
FOTO 1 PROD 10 População negra sofre em meio a pandemia
Ciência e Tecnologia
Crédito: arquivo pessoal Aplicativos on-line reaproximam as pessoas durante isolamento social
Saúde
WhatsApp Image 2020-05-18 at 18.45.00 (1) (1) Voluntários se unem em corrente para ajudar profissionais da saúde do DF
Economia
Creditos Leila Pacheco (fonte) 4 Donas do pedaço: empreendedoras garantem sua renda de casa
Esporte
foto: Jéssika Lineker Coronavírus x Futebol Candango
Comportamento
Photo by Asif Akbar from FreeImages Entre um isolamento e outro, gostamos de nos isolar
Cidadania
Capa Nova revista Redemoinho supera desafios do isolamento para investigar temas de relevância social
Meio Ambiente
Banco de imagens pexels Reciclando pela vida
Saúde
Foto de João Paulo Silva personagem fissura A fissura é tratável
Educação
Rapensando nas Escolas O hip hop como instrumento de educação
Saúde
prato matéria anorexia Anorexia é a doença psiquiátrica que mais mata no mundo
Entrevistas
Deputado distrital do DF (REDE), Leandro Grass tem 32 anos, é professor, sociólogo, mestre em Desenvolvimento Sustentável, doutorando em Desenvolvimento em Gestão Pública (UnB) e gestor cultural pela Organização dos Estados Ibero-Americanos | Foto: Divulgação/ Assessoria de Comunicação/ Leandro Grass Leandro Grass: “DF tinha tudo para ser referência na condução da pandemia”

Mais lidas