Saúde

Doença hereditária afeta cerca de 20 crianças no Brasil e 200 no mundo

No último dia 4 de maio, aconteceu em Brasília uma mobilização beneficente feita por uma lanchonete para custear o tratamento da brasiliense de 3 anos e meio, Maria Flor, que tem a síndrome de Aicardi-Goutières

A síndrome de Aicardi-Goutieres é uma doença que afeta principalmente o cérebro, o sistema imunitário e a pele. A maioria dos recém-nascidos com a síndrome não mostra quaisquer sinais ou sintomas da doença desde o nascimento. No entanto, cerca de 20% nascem com uma combinação de características que incluem um aumento do fígado e do baço (hepatoesplenomegalia), níveis elevados de enzimas do fígado, uma diminuição do número de plaquetas (trombocitopenia), e anormais respostas neurológicas.

Familiares de pessoas que possuem a síndrome lutam em busca de tratamento para os filhos. O tratamento é de alto custo e utilizado apenas como estímulo para melhorar a qualidade de vida dessas crianças.

A maioria das crianças afetadas nasce a termo (é o que acontece entre as 37 semanas de gravidez e as 38 semanas e 6 dias) e apresenta padrão de crescimento normal. Os sintomas aparecem nos primeiros dias ou meses de vida com uma encefalopatia subaguda grave (problemas de alimentação, irritabilidade, regressão ou atraso psicomotor), associada a epilepsia (53% dos casos), lesões de pele nas extremidades (43% dos casos) e episódios de doença febril asséptica (40% dos casos).

Os sintomas progridem ao longo de vários meses (com o desenvolvimento de microcefalia e sinais piramidais), antes da estabilização da doença. Contudo, têm sido descritas formas menos graves com apresentação após um ano de idade, preservação da linguagem e da função cognitiva, e perímetro cefálico normal.

Pedro Cordeiro Alvarenga, 12 anos, natural de Uberlândia, Minas Gerais, foi diagnosticado com a síndrome quando ainda tinha um ano e seis meses. Pedro faz fisioterapia, fonoaudiologia, fisioterapia respiratória e hidroterapia. A mãe, Karolina Cordeiro, escreveu um livro infantil “Pedroca o menino que sabia voar” para levar informação sobre o universo das pessoas com deficiência nas escolas e sobre a síndrome que é rara. Karolina e Pedro realizam atividades como correr e dançar juntos.

 Pedro e mãe Karol em corrida

A maioria dos pais dessas crianças abdica de suas vidas e profissões para viver em prol de seus filhos. Medicações, consultas e tratamentos são muito caros. Tairini Gleici Nascimento, mineira de 27 anos, mãe do Kauã, 1 ano e 3 meses, portador da síndrome, gasta por volta de R$1.200 por consulta com a neurologista de São Paulo que descobriu a doença. Kauã nasceu com muitas lesões, ficou na UTI por 73 dias, mas só descobriram a verdadeira doença meses depois.

“Kauã não tem um médico que o acompanhe. Essa é a nossa maior dificuldade, pois os profissionais que podem nos ajudar são de outra cidade e tudo é muito caro. Nesse momento meu filho se encontra na UTI por falta de acesso a esses médicos”, diz Tairini, mãe de Kauã.

Tairini diz que teve que largar tudo para cuidar do filho e hoje vive de doações. “O nosso maior desafio e dificuldade é tentar dar uma qualidade de vida melhor para nossos filhos, com tratamentos de qualidade e médicos especialistas, pois são esses tratamentos que prolongam a vida deles e fazem com que eles melhorem com menos sofrimento”, diz Tairini.

Mobilização

No último dia 4 de maio, aconteceu em Brasília uma mobilização beneficente feita por uma lanchonete para doação de todos os lucros obtidos pelos cachorros quentes vendidos para o tratamento da brasiliense de 3 anos e meio chamada Maria Flor.

A mãe, Larissa Diniz de Souza, 27 anos, natural de Brasília, já conseguiu arrecadar por volta de R$10.000 por uma “vaquinha” realizada na internet onde internautas podem colaborar com quantias para a cirurgia de Maria Flor que a possibilitará andar e custa R$40.000. Com a evolução da doença, o pé de Maria começou a deformar impedindo que usasse a órtese e andador para aprender a andar de forma independente.

O médico de Maria Flor é de São Paulo, e uma vez no ano atende em Brasília, No Brasil,  existem somente dois especialistas ortopedistas infantis especializados em neuromusculatura, o que dificulta o tratamento dessas crianças. “É uma doença que infelizmente não tem muita informação”, acrescenta Larissa.

Maria Flor e mãe em evento beneficente reallizado para custear cirurgia para que Maria possa andar

Maria Flor no colo da mãe Larissa em evento beneficente realizado para custear cirurgia para que a menina possa andar

Até hoje foram diagnosticados por volta de 20 casos no Brasil e 200 casos no mundo inteiro. A transmissão é autossômica recessiva, mas têm sido descritos casos raros de hereditariedade autossômica dominante. O diagnóstico pré-natal é possível através de análise molecular de fluido amniótico ou de trofoblasto (camada de células epiteliais que forma a parede externa da blástula dos mamíferos (blastocisto) e atua na implantação e nutrição do embrião).

Cerca de 80% dos doentes que apresentam a forma grave morrem dentro dos primeiros 10 anos de vida, mas tem sido relatada sobrevivência após a primeira década de vida em formas moderadas.

Notice: Tema sem comments.php está obsoleto desde a versão 3.0 sem nenhuma alternativa disponível. Inclua um modelo comments.php em seu tema. in /var/www/publicacao/jornalismo/site-root/wp-includes/functions.php on line 2957

Deixe uma resposta

Comportamento
FOTO 1 PROD 10 População negra sofre em meio a pandemia
Ciência e Tecnologia
Crédito: arquivo pessoal Aplicativos on-line reaproximam as pessoas durante isolamento social
Saúde
WhatsApp Image 2020-05-18 at 18.45.00 (1) (1) Voluntários se unem em corrente para ajudar profissionais da saúde do DF
Economia
Creditos Leila Pacheco (fonte) 4 Donas do pedaço: empreendedoras garantem sua renda de casa
Esporte
foto: Jéssika Lineker Coronavírus x Futebol Candango
Comportamento
Photo by Asif Akbar from FreeImages Entre um isolamento e outro, gostamos de nos isolar
Cidadania
Capa Nova revista Redemoinho supera desafios do isolamento para investigar temas de relevância social
Meio Ambiente
Banco de imagens pexels Reciclando pela vida
Saúde
Foto de João Paulo Silva personagem fissura A fissura é tratável
Educação
Rapensando nas Escolas O hip hop como instrumento de educação
Saúde
prato matéria anorexia Anorexia é a doença psiquiátrica que mais mata no mundo
Entrevistas
Deputado distrital do DF (REDE), Leandro Grass tem 32 anos, é professor, sociólogo, mestre em Desenvolvimento Sustentável, doutorando em Desenvolvimento em Gestão Pública (UnB) e gestor cultural pela Organização dos Estados Ibero-Americanos | Foto: Divulgação/ Assessoria de Comunicação/ Leandro Grass Leandro Grass: “DF tinha tudo para ser referência na condução da pandemia”

Mais lidas