Meio Ambiente

Meio ambiente: cada um pode fazer sua parte

Separar o lixo, reaproveitar a água ou evitar o uso de sacolas plásticas são algumas das ações cotidianas que ajudam na preservação ambiental

Muito se fala da importância das práticas sustentáveis para a preservação do ecossistema, no entanto, ações cotidianas nem sempre estão alinhadas a isso. Segundo pesquisa do Ibope divulgada no ano passado, por exemplo, quatro em cada dez brasileiros (39%) dizem não separar o lixo orgânico do reciclável e 76% não fazem a separação por tipo de material. Quase um terço não sabe identificar de forma correta as lixeiras onde cada tipo de lixo deve ser jogado.

A especialista ambiental Rosangele Morais acredita que preservar o meio ambiente é fundamental, pois é nele onde se encontram os recursos naturais necessários para a nossa vida, como água, alimentos e matérias-primas.

Existem algumas atitudes que podem ajudar na preservação do meio ambiente. Confira 5 dicas:

Aposte no verde

Plantas

Plantas

Os jardins verticais, que podem ser cultivados até mesmo em espaços pequenos, são uma ótima opção para climatizar, refrescar e tornar o ambiente mais saudável e arquitetonicamente atraente.

“Sempre gostei de plantas, por isso a área de casa tem várias. Além de deixar a casa mais bonita, deixa o ambiente mais leve”, conta a moradora do Plano Piloto, Maiara Nunes.

Aposte na coleta seletiva

Separação do lixo

Seleção de lixo

A separação do lixo orgânico e inorgânico colabora, e muito, com a natureza, pois auxilia na reciclagem. Se um cidadão apenas juntar o lixo em sacos, sem separá-los por categorias, nenhum material recolhido poderá ser reutilizado. A coleta seletiva oferece economia de energia, aumento da vida útil dos aterros sanitários, diminui a poluição do ar e da água, reduz a proliferação de doenças, entre outros benefícios.

Segundo a SLU (Serviço de Limpeza Urbana) a separação é simples, bastam dois sacos: um para materiais recicláveis e outro para orgânicos e rejeitos. O primeiro, de preferência da cor verde ou azul, é para os materiais recicláveis: papel, papelão, plástico, isopor e metal. O outro saco, de preferência preto ou cinza, é para o material orgânico e rejeitos: restos de comida, borra de café, fralda descartável, papeis gordurosos, lixos de banheiro e o vidro que, por enquanto, não é reciclado no DF devido ao custo do frete. O mais importante: só entregar os recicláveis para a coleta no dia certo.

Aproveite a água

Baldes com água da chuva

Baldes com água da chuva

Coletar a água da chuva é uma maneira efetiva de economizar como também é reutilizar a água da máquina de lavar. Estas águas podem ser aproveitadas na descarga, para regar plantas, para lavar quintal ou carro, entre outras atividades. Desta forma, reduz o gasto na conta de água.

Dados divulgados pela Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal (Caesb) mostram que o consumo de água no DF caiu para 129 litros por pessoa por dia. Os números significam uma diminuição de 31,7% em relação a 2014, quando o consumo foi de 189 litros, sendo que a quantidade máxima recomendada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) é de 110 litros.

Rosangele Morais explica que para a coleta basta colocar um barril ou distribuir baldes em alguma área descoberta da casa no período de chuva. Já para reutilizar a água da máquina de lavar é preciso direcionar a mangueira que fica atrás do aparelho para um tonel, por exemplo. “Desta forma, a água poderá ser armazenada e utilizada posteriormente. Ação simples, mas que pode trazer grande economia para o bolso” complementa.

Evite usar materiais descartáveis

Lixão

Separação do lixo

Não existem aterros sanitários suficientes para abrigar a quantidade desses materiais que são utilizados com frequência. Uma sacola grande, de palha ou tecido de algodão, ou um carrinho de feira poderão evitar o consumo de saquinhos de supermercado, um dos maiores poluentes da atualidade, assim como os pratos, copos e talheres descartáveis.

“Ao consumir os produtos de maneira consciente é possível que o número de poluentes descartáveis caia, basta conseguirmos motivar as pessoas com a causa”, destaca Helio Mattar, presidente do Instituto Akatu, em nota.

Não compre animais silvestres

Animais silvestres

Animais silvestres

Retirando os animais de seu habitat natural ocorre uma interferência na natureza prejudicando a sustentação da cadeia alimentar. Se alguém compra, as vendas tendem a continuar. Ao comprar animais ilegais, a pessoa contribui para o tráfico de animais, um problema mundial que afeta a biodiversidade de uma região, podendo até mesmo levar espécies à extinção.

Ano passado o Batalhão Ambiental da Polícia Militar resgatou 2.346 bichos em casas e ruas da capital. Em 2017, houve 2.183 animais resgatados. “O ideal é deixar os animais silvestres livres no seu habitat natural e quando tiver vontade de ver um exemplar desse, basta ir até um zoológico”, argumenta Rosangele”.

Notice: Tema sem comments.php está obsoleto desde a versão 3.0 sem nenhuma alternativa disponível. Inclua um modelo comments.php em seu tema. in /var/www/publicacao/jornalismo/site-root/wp-includes/functions.php on line 2957

Deixe uma resposta

Turismo e Lazer
capa Nova edição da revista Redemoinho discute temas polêmicos
Economia
1 Surdos conquistam espaço no mercado de trabalho
Esporte
_CSC0014 Crianças sofrem discriminação de gênero dentro de esportes

Mais lidas