Turismo e Lazer

Brasília tem como o céu como cartão postal

O pôr do sol da capital nunca vai perder sua magia, além de ser uma programação garantida diariamente

Em Brasília é normal encontrar moradores e turistas apaixonados pelo céu, o tom de azul bem vivo muitas vezes sem nenhuma nuvem traz uma paz e um ótimo cenário para belas fotos. No fim da tarde, novas cores surgem e abrem espaço para outro espetáculo: o pôr do sol.

Além de apaixonar turistas o céu de Brasília também é inspiração para artistas. O cantor e compositor Djavan eternizou o céu brasiliense na canção  Linha do Equador: “Céu de Brasília, traço do arquiteto, gosto tanto dela assim, gosto de filha, música de preto, gosto tanto dela assim”.

A advogada Raquel Correia adora passar os fins de tarde observando o céu da “bela Brasília”, como carinhosamente chama a capital. “Fico horas e horas admirando a beleza do céu de Brasília, procuro toda tarde tirar dez minutinhos para poder ver o sol se pondo, renova minhas energias”, comenta.

O céu do Distrito Federal pode ser comparado ao mar das cidades litorâneas. Apaixonada pelo pôr do sol, a empresaria Lídia Mendes conta que não tem muito tempo no fim do dia para observar o entardecer, mas tem o costume de reservas os fins de tarde do sábado para ver o sol dar um tchau para no outro dia voltar com todo brilho e calor.

A empresaria tem duas filhas, Ana Sofia, 5, e Paula,12, que vão com ela todos os sábados ver o entardecer. “Separo um tempinho para as meninas, desde cedo quero mostrar o valor que o pôr do sol tem. Depois saímos para lanchar, um momento que vale muito com minhas pequenas”, diz Lídia

Mãe ensina as filhas a observarem o céu de Brasilia, todos os sábados vão ao clube ver o sol se pondo.

Mãe ensina as filhas a observarem o céu de Brasilia, todos os sábados vão ao clube ver o sol se pondo

Na capital há diversos locais para curtir o pôr do sol, como o Pontão do Lago Sul, a Praça do Cruzeiro, a Orla da Ponte JK e o parque Ermida Dom Bosco. Todos esses locais tem a entrada gratuita, só basta levar sua canga ou toalha para sentar e esperar o sol ir sumindo aos poucos, ou melhor desfrutar de uma pela paisagem que o céu de Brasília oferece.

Marlene Nery, estudante de farmácia, conta que no céu de Brasília é um quadro que pode ser vista de diversas formas, um quadro sem moldura.

Céu de  Brasilia  mostrado na catedral

Céu de Brasilia mostrado na catedral

Confira locais para assistir o pôr do sol na capital

-Ermida Dom Bosco

-Pontão do Lago Sul

-Praça do Cruzeiro

-Torre de TV

-Orla da Ponte JK

Notice: Tema sem comments.php está obsoleto desde a versão 3.0 sem nenhuma alternativa disponível. Inclua um modelo comments.php em seu tema. in /var/www/publicacao/jornalismo/site-root/wp-includes/functions.php on line 2957

Deixe uma resposta

Comportamento
FOTO 1 PROD 10 População negra sofre em meio a pandemia
Ciência e Tecnologia
Crédito: arquivo pessoal Aplicativos on-line reaproximam as pessoas durante isolamento social
Saúde
WhatsApp Image 2020-05-18 at 18.45.00 (1) (1) Voluntários se unem em corrente para ajudar profissionais da saúde do DF
Economia
Creditos Leila Pacheco (fonte) 4 Donas do pedaço: empreendedoras garantem sua renda de casa
Esporte
foto: Jéssika Lineker Coronavírus x Futebol Candango
Comportamento
Photo by Asif Akbar from FreeImages Entre um isolamento e outro, gostamos de nos isolar
Cidadania
Capa Nova revista Redemoinho supera desafios do isolamento para investigar temas de relevância social
Meio Ambiente
Banco de imagens pexels Reciclando pela vida
Saúde
Foto de João Paulo Silva personagem fissura A fissura é tratável
Educação
Rapensando nas Escolas O hip hop como instrumento de educação
Saúde
prato matéria anorexia Anorexia é a doença psiquiátrica que mais mata no mundo
Entrevistas
Deputado distrital do DF (REDE), Leandro Grass tem 32 anos, é professor, sociólogo, mestre em Desenvolvimento Sustentável, doutorando em Desenvolvimento em Gestão Pública (UnB) e gestor cultural pela Organização dos Estados Ibero-Americanos | Foto: Divulgação/ Assessoria de Comunicação/ Leandro Grass Leandro Grass: “DF tinha tudo para ser referência na condução da pandemia”

Mais lidas