Cultura

Espaço da biblioteca da UnB voltado aos quadrinhos completa 1 ano

Acervo com mais de 1.000 exemplares, hoje, é centro de entretenimento e pesquisa acadêmica voltado à nona arte

A Biblioteca Central (BCE) da Universidade de Brasília (UnB) está, junto a Biblioteca Nacional, entre os locais com maiores acervos de livros de Brasília. Entre milhares de títulos acadêmicos, muitas vezes os quadrinhos são deixados de lado ou misturado com outros títulos mais aleatórios. Para resolver isso a BCE criou o Espaço Pop, local que concentra os títulos em quadrinhos e jogos de tabuleiro, que em junho completa seu primeiro ano de existência.

Inaugurado no dia 5 de junho do ano passado, o Espaço Pop foi criado com o intuito de proporcionar oficinas e debates e incentivar estudos acadêmicos relacionados à cultura pop e de literatura em quadrinhos. Além disso, foram adicionados jogos de tabuleiro e uma sala de TV com Netflix aberto. O espaço virou ponto de encontro para diversos alunos que, além das pesquisas, se divertem entre as aulas jogando ou lendo algum quadrinho.

Inicialmente, a proposta visava criar uma coleção de quadrinhos dentro da Divisão de Coleções Especiais. Em 2017, foi permitida a criação de um espaço próprio para armazenar o acervo. Nesse mesmo ano, foi formado um grupo para configurar e planejar as atividades e formação do Espaço. Este grupo foi composto por comissão, além de servidores da BCE, os professores responsáveis pelo Grupo de Pesquisa em Histórias em Quadrinhos da UnB (GIBI), além da professora Regina Dalcastagné, coordenadora do Grupo de Pesquisa em Literatura Brasileira Contemporânea.

Atualmente o Espaço contém mais de 470 títulos e mais de 1.000 exemplares, já que um único título pode ter 10 ou 30 edições. Para incentivar a leitura, foi criado o Paginômetro, um ranking de mais páginas lidas entre os usuários. “Aquele que mais lê ou pega emprestado vai somando as páginas e entra nessa competição. No ano passado, os cinco que mais leram tiveram a oportunidade de escrever resenhas para o nosso Instagram sobre os títulos do nosso acervo”, conta o coordenador e bibliotecário do Espaço Pop, Romélio Lemos.

Alunos aproveitam o espaço para ler quadrinhos

Alunos aproveitam o espaço para ler quadrinhos

Em 5° lugar desse ranking está Caio Campos, estudante de História na UnB. Caio está no 7° semestre e pretende fazer sua monografia sobre a história dos quadrinhos no Brasil. “Eu visito o Espaço Pop devido ao acervo de quadrinhos e as pessoas que estão aqui, os grupos de pesquisa que são formados e para passar um tempo esperando o horário da aula. Acho que o fato de ter uma comunidade é diferente de uma biblioteca normal”, conta.

Para comemorar seu primeiro ano, o Espaço Pop realizará 10 dias de exposição de quadrinhos, com várias oficinas e palestras. Coincidindo com o dia da II Jornada de História em Quadrinhos na UnB, uma das principais palestras será História das HQs no Brasil pelo coordenador do Observatório de Histórias em Quadrinhos da Universidade de São Paulo (USP), Waldomiro Vergueira, além de mesas de RPG e oficinas de produção de quadrinhos independentes.

Pesquisa acadêmica

Os quadrinhos já renderam grandes trabalhos de pesquisa na UnB, como a dissertação de pós-graduação na Faculdade de Comunicação pelo aluno Bruno de Almeida “Superlogos: identidade gráfica dos logotipos das capas de revistas em quadrinhos brasileiras de super-herói”. Porém, os jogos de tabuleiro também são fontes de pesquisa acadêmica. “Os jogos são uma forma de entretenimento inteligente também. Aqui eles abordam várias dinâmicas diferentes em grupo e individual.  Há trabalhos que recorrem a essas dinâmicas de jogos, tanto na pedagogia quanto na psicologia, até em matemática”, aponta Romélio.

Em 2017, alunos da Faculdade de Educação fizeram o artigo “Jogos de reflexão pura como ferramenta lúdica para a aprendizagem matemática”, mostrando como os boardgames ajudavam os alunos nas tarefas de exatas. Entre as palestras da II Jornada das Histórias em Quadrinhos da UnB está uma sobre Biblioterapia com a professora Ivette Kafuri, em que uma das suas alunas está fazendo um trabalho de pesquisa sobre o Espaço Pop.

Existe também o ranking de jogos de tabuleiro feito mensalmente com quem ganha partidas de qualquer jogo no acervo. Estão registrados 144 alunos vitoriosos em diversos jogos. Todo mês é feita uma confraternização ou um brinde para os usuários que mais pontuaram. No xadrez, um dos mais concorridos do Espaço, já chegou na marca de 400 partidas registradas.

Lembrando que o Espaço Pop é aberto para todo mundo, mesmo não sendo aluno da UnB. Quem quiser fazer doações ao acervo pode procurar a BCE ou o próprio Romélio Lemos para efetuar a doação. “O nosso acervo de quadrinhos é composto 80% por doação, e 20% são compras. Os jogos são todos doações. Uma biblioteca é um organismo em expansão, e se é uma ideia que deu certo com grande circulação de pessoas, acho que é de todo interesse continuar mantendo isso”, explica Romélio.

O Espaço POP é aberto para toda a comunidade acadêmica e externa e funciona de segunda a sexta-feira, das 7h às 19h.

Telefone: 3107-2707

E-mail: espacopop@bce.unb.br

    Notice: Tema sem comments.php está obsoleto desde a versão 3.0 sem nenhuma alternativa disponível. Inclua um modelo comments.php em seu tema. in /var/www/publicacao/jornalismo/site-root/wp-includes/functions.php on line 2957

    Deixe uma resposta

    Meio Ambiente
    Defesa do meio ambiente é desafio em “tempos de globalismo”
    Cidadania
    A extraordinária Sophia
    Entrevistas
    Fábio Felix já havia se candidatado em duas outras ocasiões. Eleito por quase 11 mil pessoas, em outubro de 2018, acredita na renovação política e abre portas para novos parlamentares LGBTI+ Um mandato de ternura e resistência

    Mais lidas