Cultura

Batalha dos Amigos traz novas perspectivas para o cenário das rimas

A nova batalha de rima do Distrito Federal busca a valorização dos rappers oferecendo premiação de R$ 1 mil, além de dividir os royalties gerados com os vídeos

Tags:
batalha Batalha de MCs Batalha de rima Batalha dos amigos música

Criada em janeiro de 2020 pelo rapper MC Sid, vencedor do Duelo Nacional de MCs em 2016, ao lado do diretor executivo da Bendita Gravadora, Henrique Ale, a Batalha dos Amigos tem mudado as perspectivas do cenário das batalhas de rima do Distrito Federal e de todo o Brasil. Trazendo valorização aos rappers, premiação em dinheiro e, claro, ótimos MCs, a batalha já ultrapassou os 100 mil inscritos com apenas um mês de canal no Youtube.

De acordo com Henrique Ale, produtor da batalha, a ideia de formar um novo duelo de MCs partiu da dificuldade de fazer o freestyle -  rimas de improviso em estilo livre – ser lucrativo para o rapper que participa. “Quando o Sid venceu o Duelo Nacional, investimos os R$ 5 mil da premiação em produção de músicas e largamos um pouco o freestyle pela falta de condição que tinha para a gente conseguir viver de música”, diz.

Mesmo afastados do freestyle, tanto Sid como Henrique continuaram acompanhando a evolução de estrutura das batalhas. “Depois de um tempo a cena melhorou muito, isso deve-se em grande parte ao empenho do Duelo Nacional de MCs, que manteve a tradição de manter o freestyle vivo, e a Batalha da Aldeia, que elevou o patamar das batalhas para um nível em que elas tinham uma atenção, que na nossa perspectiva é monetizável”, relata Henrique.

Com isso, a Batalha dos Amigos criou um modelo de negócio em que as pessoas que participam da batalha, desde o backstage até o vencedor, recebam por isso. Dessa forma, o duelo consegue trazer MCs de outros estados do país, dividindo o lucro conquistado com o conteúdo das batalhas disponibilizados no Youtube e plataformas digitais de música. Além disso, oferece o prêmio de R$ 1 mil ao vencedor de cada edição e paga as passagens, alimentação e hospedagem dos rappers convidados, algo raro no cenário das batalhas de rima.

Toda essa estrutura permitiu ao rapper de Pirituba, São Paulo, Zuluzão MC a sair pela primeira vez de seu estado. “É uma realização para mim. De início a gente nunca imagina que vai chegar a esse patamar nem entende como isso funciona, estamos habituados a correria de ônibus sempre para chegar no nosso objetivo. Pela primeira vez na minha vida tive a experiência de poder viajar de avião com uma batalha que está proporcionando todo o pagamento para gente, todo mundo dá essa valorização que o MC merece”, relata o rapper. Para quem cuida da logística, casos como o de Zuluzão são especiais: “isso nos faz muito feliz, deixamos eles à vontade, o que eles querem fazer estamos disponíveis para atender. Sem organização tudo seria bem pior”, conta Ingrid Ganim, responsável pela logística da batalha.

Foi a primeira vez que Zuluzão saiu do estado de São Paulo

Foi a primeira vez que Zuluzão saiu do estado de São Paulo

Com histórico de convidar grandes nomes da cena para as primeiras edições, a Batalha dos Amigos chamou atenção até de rappers que não costumam duelar, devido a rotina intensa de shows e gravação de álbuns. Esse é o caso de Raillow, do grupo de rap Primeiramente, que chegou a pedir para participar da quarta edição da batalha. “Não tive uma grande carreira nas batalhas, acho que durou um ano no máximo, mas sempre gostei dessa sensação de batalhar, desse ringue. Então um dia vi uma postagem no Instagram deles dizendo: ‘quem vocês querem na próxima edição?’, já acompanhava os vídeos da batalha e comentei para me chamar. O Sid logo me chamou, a agenda bateu e fui o primeiro confirmado da quarta edição”, relembra Raillow.

Nove vezes campeão da Batalha da Aldeia, duelo de São Paulo com maior número de inscritos no Youtube, Big Mike considera pioneira a ideia de valorizar os MCs como verdadeiros artistas. “Acompanhei de casa as outras edições, em questão de visibilidade a Aldeia está na frente, porque já tem mais de 2 milhões de inscritos, então o canal dá um retorno bom. Mas a dos Amigos veio com uma ideia que ninguém teve antes, que é bater na tecla que o MC de batalha tem que ser valorizado como artista”, explica.

Big Mike é um dos nomes fortes da Batalha da Aldeia em São Paulo

Big Mike é um dos nomes fortes da Batalha da Aldeia em São Paulo

Mesmo trazendo grandes nomes de fora, a batalha não deixa de convidar MCs do Distrito Federal. Morador de Planaltina, Balota foi o vencedor da quarta edição e levou a bolada de R$ 1,5 mil, por vencer também o prêmio ‘“Mic de Ouro”, que pertencia à paulista Winnit. “Participar dessa batalha foi um momento único, mostrou que consigo competir e até vencer os grandes nomes atuais. A batalha é um projeto visionário, que tem elevado o nível do freestyle do DF, além de trazer pra cá os grandes nomes de fora, a batalha tá abrindo portas para vários MCs daqui”.

Para assistir

A Batalha dos Amigos ocorre de forma quinzenal no Lago Norte (SHIN, QI 11, cj. 11, casa 13) e apenas MCs convidados participam. Para assistir é grátis, basta acompanhar as novidades na página do Instagram. Próximo a cada edição, é aberto o período de inscrição para ver as batalhas ao vivo. Assim, é necessário enviar o pedido de cortesia com dados cadastrais, como nome, idade e cidade onde vive, os 150 primeiros ganham os ingressos. As batalhas também são lançadas em vídeo no Youtube e em formato de áudio nas plataformas digitais como Spotify e Deezer.

Confira imagens da Batalha dos Amigos na galeria

 

    Notice: Tema sem comments.php está obsoleto desde a versão 3.0 sem nenhuma alternativa disponível. Inclua um modelo comments.php em seu tema. in /var/www/publicacao/jornalismo/site-root/wp-includes/functions.php on line 2957

    Deixe uma resposta

    Educação
    Alunos recebem atenção extra nas Salas de Recursos Escolas públicas do DF contam com mais de 15 mil alunos especiais matriculados
    Cidadania
    mostafa-meraji-YdekMO3_SbE-unsplash Solidariedade em tempos de pandemia
    Economia
    Snapseed (14) Distrito Federal tem consumo per capita de 14,1 kg de pescado por ano

    Mais lidas