Cidadania

Esporte mudando vidas

Luz na infância, ação comunitária no Paranoá ajuda a mudar realidade de pessoas carentes

 

 Um esporte que tem a capacidade de unir pessoas. Em locais mais pobres possui um papel importante de contribuir com a formação e a retirada de jovens da marginalização. É o caso de uma das áreas mais carentes do Distrito Federal, a região administrativa do Paranoá. Uma iniciativa de um morador local, Francisco Alves Costa Filho, 54 anos, vice-presidente da liga desportiva do Paranoá, tem mudado a vida da comunidade com um projeto social feito pelo centro esportivo local, juntamente com a ajuda da atual presidente da liga Maria Ricarte de Lima, 42 anos.

De acordo com o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), o esporte, assim como o lazer, faz parte dos direitos fundamentais das crianças e dos adolescentes. O Artigo. 4° do mesmo diz o seguinte: “É dever da família, da comunidade, da sociedade em geral e do poder público assegurar, com absoluta prioridade, a efetivação dos direitos referentes à vida, à saúde, à alimentação, à educação, ao esporte, ao lazer, à profissionalização, à cultura, à dignidade, ao respeito, à liberdade e à convivência familiar e comunitária.”

futebol.04.03.2020

Aluno do projeto social na região administrativa do Paranoá

O projeto feito pelo centro esportivo foi criado entre os anos de 1988 e 1989, com a junção dos jogadores do futebol amador. Uma entidade sem fins lucrativos, esse projeto visa a inclusão das crianças, jovens e adultos do Paranoá parque e da região administrativa do Itapoã. Iniciou em meados de 1994 e era, antes, voltado somente para adultos. Teve a participação do Colorado Esporte Clube, primeiro a se afiliar à liga e federação do futebol, grande contribuinte do projeto. Hoje, fazem parte da proposta cerca de 80 a 90 times, entre eles pré-mirim, categorias de base, veteranos, máster, sênior e subdivisões, englobando vários esportes, além do futebol. Tem uma contribuição importante que, para Francisco, muitos não têm conhecimento. “A maioria dos pais não têm conhecimento da importância dessa ajuda do esporte na vida do seus filhos, e é por isso que necessitamos da ajuda do governo, entidades que possuam condições de contribuir com a divulgação da liga”, conta.

Formando atletas

O ex-aluno de um dos primeiros times de futebol da cidade, Colorado Esporte Clube, e hoje atleta, João Batista da Silva Soares, 54 anos, começou como atleta amador e com o encerramento das atividades do clube na cidade em 2002 parou de jogar para o time. Em seguida formou-se em educação física como fisiologista. Carregando o nome do Colorado, a liga faz parte de um projeto social que por um tempo esteve parada e recentemente se uniu a uma outra escola, a Alfa Clube, ambas visando tirar crianças da marginalização, com incentivo da liga desportiva. Hoje possui mais de cem alunos. Para o educador, “a liga desportiva do Paranoá é muito importante, pois ela dá apoio às entidades que abrem as escolinhas, como foi o meu caso”, completando sua fala com a seguinte visão: “o sonho de muitas crianças é ser jogador de futebol, principalmente o de crianças carentes. Muitos entram com intuito de dar uma vida melhor para sua família. É o que acontece atualmente na comunidade que revela grandes jogadores até para fora do Brasil”, expõe. O Colorado e a Alfa tanto contribuem com a parte social do projeto como visam a formação de jogadores profissionais.

fonte.04.03.2020

João Batista Soares, ex-aluno do Colorado Esporte Clube e atualmente um dos líderes do projeto

O aluno Paulo André Marques, de 16 anos, treina há quase um ano na escola e Diego Silva do Santos, de 13 anos, há dois. Contam que o esporte contribui com a saúde na prática de exercícios físicos, assim como incentiva na educação. A liga desportiva, assim como a escola de futebol Colorado Esporte Clube, priorizam a educação das crianças e jovens. Atualmente no projeto existem crianças que fazem o uso de drogas e outros que deixaram as drogas através do esporte. O educador físico João Batista conta que o projeto ainda possui uma parceria com a igreja evangélica do Itapoã. Todas as segundas-feiras é feita uma reunião com os alunos. A igreja tem um papel fundamental de ajudar as crianças e adolescentes a manterem o incentivo no esporte e nos estudos, dando apoio ao grupo.

 

Notice: Tema sem comments.php está obsoleto desde a versão 3.0 sem nenhuma alternativa disponível. Inclua um modelo comments.php em seu tema. in /var/www/publicacao/jornalismo/site-root/wp-includes/functions.php on line 2957

Deixe uma resposta

Educação
Alunos recebem atenção extra nas Salas de Recursos Escolas públicas do DF contam com mais de 15 mil alunos especiais matriculados
Cidadania
mostafa-meraji-YdekMO3_SbE-unsplash Solidariedade em tempos de pandemia
Economia
Snapseed (14) Distrito Federal tem consumo per capita de 14,1 kg de pescado por ano

Mais lidas