Ciência e Tecnologia

Aplicativo criado em Brasília conquista boleiros de todo o país

Conheça o Ifut: plataforma que organiza e promove campeonatos de futebol é a nova febre entre atletas amadores

Tags:
Brasília campeonatos futebol tecnologia

Um projeto que nasceu em 2015, na capital do Brasil, com o intuito de aproximar os amantes do futebol e organizar as famosas “peladas” entre eles, hoje, ganhou o Brasil. O aplicativo Ifut, criado por André Miguez e Hugo Monteiro, marca presença em todo o território nacional. Em 2019, o aplicativo organizou 2.400 campeonatos. Em 2020 a média é de 200 campeonatos por mês organizados. Hoje, a plataforma conta com 270 mil cadastros. A startup, que apenas promovia o encontro entre boleiros se reinventou, passou a ser uma grande plataforma para a organização e promoção de torneios.

Com uma plataforma altamente interativa e personalizada para cada público, organizadores e atletas, o novo projeto, que surgiu em 2018, rapidamente se popularizou e virou uma febre entre atletas e organizadores. O novo Ifut, além de organizar e criar campeonatos, facilitando a vida de donos de escolinhas e federações que geriam seus campeonatos de um modo arcaico e trabalhoso, também conquistou os atletas. Utilizando-se de estatísticas dos jogos e de um game no estilo Cartola FC, os atletas recebem atualizações e dados dos campeonatos praticamente em tempo real. Além de competirem entre si para ver quem tem os melhores números, maior pontuação, artilharia e assistências, tudo dentro da plataforma.

Para o usuário, André Cassarotti, professor de educação física, em Maringá, Paraná, a utilização da plataforma trouxe diversos benefícios. Hoje, André organiza e promove um total de 16 competições, todas utilizando-se da plataforma Ifut. Para André, a utilização da startup foi muito benéfica “engajou muito os atletas na competição. O atleta quer jogar, pontuar no cartola, zoar os amigos, sem falar na multifuncionalidade do app como inscrições on-line e agilidade nas atualizações”. O aplicativo revolucionou muito a organização de torneios. “Quando eu comecei a usar a plataforma, ano passado, eu tinha 24, hoje eu tenho 48 equipes, divididas em 8 categorias”.

Os resultados do Ifut são tão surpreendentes que até equipes profissionais vêm se utilizando da plataforma. Segundo André Miguez, sócio da empresa, algumas equipes procuraram a empresa para sondar potenciais jogadores. Equipes como o Vitória, da Bahia, Rezende, do Rio de Janeiro e até mesmo o Benfica, de Portugal, já sondaram jogadores, beneficiando-se das estatísticas produzidas pelo aplicativo.

O recurso facilitou também a vida de olheiros. André diz que tem clube que conta com 9 olheiros que observam em torno de 500 atletas por mês. Um teste que o Ifut fez em 3 semanas conseguiu descobrir 2.400 atletas na região do olheiro. Conseguiu elencar os 40 melhores de acordo com as estatísticas. Ou seja, além de promover a expansão e manutenção do esporte em território nacional, a plataforma ainda contribui com a realização do sonho de muitos jovens atletas que almejam um dia jogar em um grande centro do futebol nacional e internacional.

Segundo a empresa Ifut, 70% do público do startup é feminino. Ou seja, além de reunir atletas e engajá-los a plataforma também tem um grande poder de inclusão, dando ao futebol feminino uma visibilidade nunca antes vista. Segundo os desenvolvedores, são as mulheres que mais se divertem e interagem no cartola do Ifut.

Próximos passos

Recentemente, uma gigante do esporte nacional, a Penalty, comprou a ideia do aplicativo, e resolveu patrociná-lo. Segundo os desenvolvedores do Ifut, isso é uma super alavancada nos negócios, podendo associar a empresa a imagens de craques consagrados no esporte, patrocinados pela Penalty, como Falcão e Amandinha, os melhores jogadores do mundo de futsal masculino e feminino.

Para a Penalty a parceria ajuda a conhecer melhor o público, saber quais as novas tendências e com isso alavancar as vendas, inclusive fazendo algumas vendas pela startup. Já que a marca é voltada para o esporte e a plataforma tem uma interação com atletas, pais de atletas e organizadores, é uma ótima forma de captar clientes e estudar clientes em potencial.

Agora, a meta do Ifut é chegar ao número de milhão de usuários, que segundo André é o número que eles almejam para conseguirem aumentar a equipe, que hoje conta com 3 sócios e mais 6 funcionário,s e ganhar dinheiro com a plataforma, já que no momento a renda é revertida em salários, pesquisas e investimentos.

Além de chegar em 1 milhão de usuários, André pretende revelar atletas por meio do aplicativo. “Percebemos que, no Brasil, tem muitos lugares em que os clubes não conseguem chegar, como periferias e aldeias indígenas”. E cita o exemplo do Bruno Henrique, jogador do Flamengo que só se profissionalizou aos 21 anos de idade. André acredita que existam milhares de talentos desperdiçados Brasil afora, e a meta é trazer visibilidade para atletas alcançando, assim, os grandes clubes de futebol do Brasil e quem sabe até de fora.

Equipe completa da Ifut, hoje são os 2 sócios e mais sete funcionários.

Equipe completa da Ifut, hoje são os 2 sócios e mais sete funcionários

Sócios Fundadores da empresa: André Migues e Hugo Monteiro

Sócios fundadores da empresa: André Migues e Hugo Monteiro

Layout da Startup para atletas.

Layout da startup para atletas

Notice: Tema sem comments.php está obsoleto desde a versão 3.0 sem nenhuma alternativa disponível. Inclua um modelo comments.php em seu tema. in /var/www/publicacao/jornalismo/site-root/wp-includes/functions.php on line 2957

Deixe uma resposta

Educação
Para além da formação básica: estudantes buscam novos conhecimentos durante quarentena
Comportamento
Banco de imagens gratuito Em meio a pandemia deficientes visuais enfrentam desafios para não serem contaminados
Entrevistas
A artista que se reinventou

Mais lidas