Esporte

Clubes de futebol do DF enfrentam dificuldades

A crise provocada pela pandemia do novo coronavírus afetou fortemente o campeonato

O Distrito Federal possui atualmente 12 clubes de futebol na elite local, sendo que boa parte desses times ficam sem jogar por vários meses, resultado da falta de outras competições além do Campeonato Candango, que é disputado no começo do ano. Apenas o campeão e o vice-campeão têm direito ao acesso a competições nacionais, como Copa Vede, Campeonato Brasileiro série D e Copa do Brasil. Além desses fatores a pandemia do coronavírus acabou com esses eventos esportivos.

 Arilson Machado, 48, vice-presidente do Gama afirma que as dificuldades em manter o clube são imensas. O fato do clube ficar fora dos grandes campeonatos nacionais dificulta muito a continuidade de projetos internos por parte de patrocinadores. “As empresas só querem patrocinar equipes que estão disputando séries A, B ou C”. Arilson disse ainda que o “único incentivo financeiro que o GDF dá aos clubes de Brasília é um patrocínio do BRB no valor de cerca de R$12.500 durante 4 meses”, valor insuficiente para manter a folha salarial do clube. Ele garante que o clube possui um dos melhores estádios do Brasil e uma torcida bastante apaixonada e presente.

O ex-deputado distrital Ricardo Vale, 56, que já foi patrocinador de muitos eventos esportivos do futebol amador, informou que já destinou muitos recursos ao time do Sobradinho, como reforma dos refletores do estádio Augustinho Lima, sede do clube. Porém, meses depois, o time estava sem poder jogar partidas no período noturno por conta de furtos no cabeamento dos mesmos refletores. Ele alega ainda que todos os estádios de futebol profissional do DF estão velhos e sucateados. “Tenho um sonho que é ver ainda todos os estádios do DF que são públicos, reformados e modernizados através de parcerias com a iniciativa privada”, diz Ricardo.

Segundo Vanderson Lieone, 42, torcedor apaixonado do Sobradinho Esporte Clube e também integrante da Raça Alvinegra, uma das torcidas organizadas, a Administração Regional deixava muito a desejar em relação aos cuidados com o estádio local. Em muitos momentos a torcida contribuiu muito para a poda do gramado, pintura de arquibancada e até mesmo retirada do mato que crescia aos redores do estádio, tanto que segundo ele, a Secretaria de Esportes do DF, assumiu a responsabilidade da arena esportiva em 2020.

Influência do coronavírus no futebol local

A pandemia do novo coronavírus tem afetado boa parte dos países em todos os continentes do globo. Até mesmo nas competições mais importantes, como as Olimpíadas de Tóquio, que seriam realizadas em 2020, foram adiadas para 2021.

 No Brasil, todos os campeonatos nacionais e regionais de futebol foram interrompidos pelo isolamento social, recomendado pelo Ministério da Saúde e também pela Organização Mundial de Saúde (OMS). “Infelizmente, em função desse vírus, todos os clubes do Brasil pararam e com isso o prejuízo é enorme em virtude de uma paralisação que não estava prevista. Fica prejudicada a parte física dos atletas e a financeira do clube que deixa de arrecadar, mas graças a Deus não tivemos nenhum caso de contaminação”, disse Arilson Machado, vice-presidente do Gama.

Notice: Tema sem comments.php está obsoleto desde a versão 3.0 sem nenhuma alternativa disponível. Inclua um modelo comments.php em seu tema. in /var/www/publicacao/jornalismo/site-root/wp-includes/functions.php on line 2957

Deixe uma resposta

Educação
Para além da formação básica: estudantes buscam novos conhecimentos durante quarentena
Comportamento
Banco de imagens gratuito Em meio a pandemia deficientes visuais enfrentam desafios para não serem contaminados
Entrevistas
A artista que se reinventou

Mais lidas