Cultura

Janelas de casas viram palco em tempos de pandemia

Espaços públicos de Brasília se encontram fechados até 3 de maio, segundo a Secretaria de Cultura e Economia Criativa

Depois do comércio e escolas da rede pública e privada serem fechados por meio do decreto do Governo do Distrito Federal, a cultura também foi afetada por causa das medidas para conter a pandemia pelo novo coronavírus. Todos os espaços culturais tiveram suas programações alteradas em virtude do fechamento de cinemas, museus, teatros e espaços para shows como forma de evitar aglomeração de pessoas em áreas públicas e privadas. Uma situação que já se vê em todo o país e no mundo. Com isso, diversos artistas passaram a tomar iniciativas de entreter quem está em isolamento. As iniciativas não vem só como forma de entretenimento, mas também para montar campanhas, atos de solidariedade entre seguidores, demais artistas e parceiros de publicidade.

A população procura formas de não ficar parada. Por outro lado, cantores e pessoas que têm o seu lado artístico aflorado começam a fazer apresentações de casa. No Distrito Federal, em algumas cidades da capital passaram a adotar essa forma de colocar as pessoas juntas, mas de longe. Águas Claras, Taguatinga, entre outras cidades tiveram essa iniciativa. Em um certo horário, pessoas aparecem nas janelas de suas casas, varandas e iniciam as apresentações. Algumas começam a cantar, tocar instrumentos musicais, dançar. Tudo que esteja ao alcance do entretenimento a distância.

Foto: imagem retirada do perfil oficial do Instagram do cantor Gusttavo Lima

Imagem retirada do perfil oficial do Instagram do cantor Gusttavo Lima

Pelas redes sociais, grandes nomes como Gusttavo Lima aderiram aos shows a distância. O cantor, de sábado para domingo, fez uma live na sua conta no Instagram, em uma área de sua casa. Gusttavo, mais conhecido como “O Embaixador”, tem como nome para suas apresentações presenciais “Buteco”. Com o início do distanciamento social o nome teve um acréscimo, agora ficou “Buteco em casa”. A live rendeu uma grande audiência, muito falada pela mídia e demais colegas artistas do cantor. Mumuzinho, cantor de samba, se apresentou na varanda de casa, convocando todos os vizinhos para comparecer em suas janelas.

Em Brasília, temos a Orquestra Sinfônica que fez algo que cativou o público e gerou uma repercussão no mundo. Todos os profissionais se reuniram, cada um na sua casa, gravaram um vídeo interpretando a música de Michael Jackson chamada Heal the World, com tradução “Cure o mundo”. Uma forma de passar mensagem de cura mundial através da arte, da música, por causa da pandemia pelo novo coronavírus.

Orquestra Sinfônica por motivos de prevenção teve que adiar sua rotina costumeira

Orquestra Sinfônica, por motivos de prevenção, teve que adiar sua rotina costumeira

Referente a situação da Orquestra Sinfônica, a assessoria da Secretaria de Cultura e Economia Criativa conta: “A Orquestra tinha um calendário de apresentações no Cine Brasília, onde todos estavam localizados atualmente, mas por motivos de prevenção, teve que adiar. Como é uma rotina costumeira, dos músicos ensaiarem em casa, o que eles têm feito é isto, pois assim, também estão se preparando para a volta das atividades. De certa forma, não houve grandes problemas para eles”.

Cultura em Brasília

Por todas as ações virtuais, um dos sites bem conhecidos em Brasília, que tem como enfoque vendas de ingressos e divulgações de eventos, o Sympla, dispõe de instruções caso haja cancelamentos, adiamentos ou que o artista mude ou faça eventos de forma virtual e queria que o Sympla divulgue.

O aniversário de Brasília é um dos eventos que sofreu alterações por causa da pandemia. Foi uma das ações em que a Secretaria de Cultura e Economia Criativa estava mais à frente, aponta a assessoria. Ainda, segundo a assessoria, pelo decreto publicado na quarta feira (1º), o aniversário será adiado por até 90 dias. Em nota, a Secretaria informa como ficou a situação que é de encontro ao decreto publicado pelo GDF. “A Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Distrito Federal (Secec) comunica a prorrogação da suspensão de todas as atividades culturais nos espaços sob responsabilidade da pasta até o dia 03 de maio, conforme Decreto N° 40.583, publicado no Diário Oficial do Distrito Federal em 01 de abril. A medida faz parte das ações de enfrentamento de emergência de saúde pública em razão do aumento de casos do Covid-19 no DF.

Dessa forma, estão também suspensos todos os eventos que recebem recursos do Fundo de Apoio à Cultura (FAC), da Lei de Incentivo à Cultura (LIC) e que têm sua execução por meio de termo de fomento desta Secec, pelo mesmo período ou até que haja nova manifestação do Governo do Distrito Federal”.

E, incentivando que as ações culturais, fundamentais para enfrentar este período, não parem, A Secretaria de Cultura e Economia Criativa auxiliaram produtores culturais a adaptar seus projetos para que sejam realizados, como é o caso do Brasília International Film Festival – BIFF. “A sétima edição do Brasília International Film Festival (BIFF), evento brasileiro dedicado ao trabalho de cineastas estreantes no Brasil e no mundo, vai celebrar os 60 anos de Brasília em formato inédito”.

Segue lista de todos os pontos culturais fechados ao público:

– Biblioteca Nacional;

– Museu Nacional da República;

– Cine Brasília;

– Memorial dos Povos Indígenas;

– Museu Vivo da Memória Candanga;

– Centro Cultural Três Poderes (Espaço Lúcio Costa, Panteão da Pátria e Museu da Cidade);

– Casa do Cantador;

– Biblioteca Pública de Brasília;

– Centro de Dança do DF;

– Espaço Cultural Renato Russo;

– Museu do Catetinho;

– Complexo Cultural de Planaltina;

– Complexo Cultural Samambaia.

Pela Secretaria de Cultura, foram adotados novos procedimentos e prazos para execução de Termos de Fomento e para os projetos apoiados pelo Fundo de Apoio à Cultura. “O Conselho de Administração do Fundo de Apoio à Cultura (Cafac) determinou, em reunião ordinária, a suspensão da vigência dos Termos de Ajuste de projetos apoiados pelo FAC. A resolução aprovada por unanimidade pelo colegiado interrompe por 60 dias todos os prazos dos projetos executados com recursos do mecanismo de fomento da Secretaria de Cultura e Economia Criativa. Isso inclui apresentação de relatórios quadrimestrais ou de prestação de contas, sem prejuízo de outras solicitações dos agentes culturais. Na prática, significa que mesmo com os prazos suspensos, os proponentes podem pedir readequações orçamentárias, de prazo, ou na ficha técnica”. Todos por medidas de prevenção e respeitando o decreto publicado pelo GDF.

 

Notice: Tema sem comments.php está obsoleto desde a versão 3.0 sem nenhuma alternativa disponível. Inclua um modelo comments.php em seu tema. in /var/www/publicacao/jornalismo/site-root/wp-includes/functions.php on line 2957

Deixe uma resposta

Educação
Para além da formação básica: estudantes buscam novos conhecimentos durante quarentena
Comportamento
Banco de imagens gratuito Em meio a pandemia deficientes visuais enfrentam desafios para não serem contaminados
Entrevistas
A artista que se reinventou

Mais lidas