Comportamento

Mercado das tatuagens cresce 25% ao ano no Brasil, segundo Sebrae

Os números deixam para trás um passado de preconceito com o tatuador que, hoje em dia, tem até data em comemoração à profissão: 20 de julho

Tags:
#comportamento #estilodevida #tattoo #Tatuagens

Frutos de uma identidade, símbolos de expressão e uma nova forma de cultura. O mercado das tatuagens deixou de estar presente apenas entre o público jovem e, hoje, alcança até mesmo os idosos. Segundo o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), o mercado das tatuagens apresenta um aumento de 25% ao ano no Brasil. O país conta com mais de 150 mil estúdios. No Distrito Federal, a procura pela arte milenar não é diferente.

O Sebrae também aponta que entre os anos de 2016 e 2017 o mercado das tatuagens identificou um crescimento de 24,1% no número de estúdios regularizados. Nos rankings mundiais 38% da população possui as tatuagens.

O tatuador Wanderson de Souza cita que houveram mudanças no mercado de trabalho dos tatuadores em seus 5 anos de carreira || (Foto: Alexia Oliveira)

O tatuador Wanderson de Souza cita que houve mudanças no mercado de trabalho dos tatuadores em seus 5 anos de carreira || (Foto: Alexia Oliveira)

Wanderson Souza, mais conhecido como Manolo, tem 31 anos e trabalha como tatuador. Iniciou sua carreira no ano de 2015 e atua no mercado há 5 anos. Guiado pela curiosidade, começou a se interessar pelo mundo das tatuagens. Para ele, o estilo de vida das pessoas com tatuagens se torna a cada dia mais procurado, e além disso, mais aceito.

“Hoje em dia, você pode observar uma procura maior pelas pessoas que buscam fazer tatuagens. Geralmente a pessoa que faz uma dificilmente para por aí. Consegue-se ver que os valores mudaram em relação às tatuagens quando se observa que pais de família procuram os estúdios para realizar procedimentos, um fato que antigamente quase não se via. Há uma aceitação bem maior, em relação a antigamente, porque notava-se que antes era bastante discriminado” – ele cita.

Dados

Segundo uma pesquisa realizada pelo Instituto Alemão Dalia, no ano de 2019, o Brasil ocupou a 9ª posição entre as nações onde mais as pessoas se tatuam. No topo encontraram-se países como a Itália com 48% da população, em seguida a Suécia com 47% e os Estados Unidos com 46% da população.

A pesquisa alemã também constata que as mulheres se tatuam mais que os homens. E em relação à faixa etária, compreende-se que pessoas com idades entre os 30 e 49 anos estão em maior porcentagem alcançando 45% da população mundial. São 32% respectivos ao grupo entre os 14 e 29 anos de idade e, acima dos 50 anos de idade, os dados apontam 28% da população mundial.

“A percepção das pessoas também é um fator que mudou bastante. Podemos ver que as pessoas vão além de observar as tatuagens como frutos da rebeldia em relação a antigamente. Deixaram de observar que o assunto não girava apenas em torno de um preconceito. Pode-se notar que as tatuagens, atualmente, significam uma arte de expressão, uma forma de você eternizar em seu corpo, através do esboço de pontos da sua vida ou momentos de dificuldades, e até mesmo traços de superações” – explica Manolo.

Em contrapartida, por conta do novo coronavírus, Manolo revela a respeito das dificuldades que estão tendo os tatuadores por conta da pandemia no Distrito Federal: “Uma das maiores dificuldades que estamos enfrentando, no que diz respeito ao Covid-19, acontece porque não estamos conseguindo atender ao fluxo de clientes igual nós tínhamos antes. Nós tínhamos uma procura bem maior, porém em relação as normas do Ministério da Saúde, e também, por essa questão do cuidado, estamos atendendo com um número reduzido no estúdio. Tudo isso é algo que influência muito no nosso trabalho e também sentimos que é algo que dificulta bastante, não somente no nosso ramo, como em todos os outros” – lamenta.

Estilo de vida

Muito se observa que os números deixaram para trás um passado de preconceito e discriminação com o tatuador. E em consequência disso, cada vez mais as pessoas estão buscando, por meio das tatuagens, adotar um estilo de vida.

Juliana Locio tem 36 anos e ama tatuagens. Atualmente não trabalha e tem duas filhas. Fez sua primeira tatuagem aos 14 anos, era um golfinho. Para ela, as tatuagens vão além do estilo de vida e são como uma forma de liberdade. Ainda revela que, ao longo dos anos, sua paixão pelas pinturas apenas aumentou. Hoje em dia, ela tem um total de 8 tatuagens, e além disso, não pensa em parar por aí.

“Eu entendo minhas tatuagens não só como uma questão de estilo, mas como uma paixão. Na verdade, percebi que em pouco tempo se tornou como se fosse um vício. Pensei de início que iria fazer apenas um golfinho pequeno, mas logo depois disso, eu sempre tive mais desejo de fazer outras” – relata.

O amor pelas tatuagens também vai além de todos os tamanhos e formas, com desenhos e escritas por todo o corpo e que também trazem diversos significados. Patrícia Barros tem 27 anos, também é outro exemplo. Atualmente trabalha como autônoma e tem duas tatuagens. Para ela, as tatuagens significam muito mais do que apenas desenhos. Se feitas com um significado carregam em si muito mais força.

Para Patricia Barros às tatuagens vão além do estilo. E possuem um valor ainda maior quando são feitas com um significado.  || (Foto: Alexia Oliveira)

Para Patricia Barros as tatuagens vão além do estilo e possuem um valor ainda maior quando são feitas com um significado || (Foto: Alexia Oliveira)

“Eu tenho duas tatuagens e tenho planos de fazer mais. Acredito que se as tatuagens forem feitas com um significado, elas vão além do que apenas um estilo. Fiz minha primeira tatuagem no ano de 2016 e a segunda em 2018. As duas carregam um significado relacionado à minha família. A primeira fiz com toda a minha família (primas, irmãs e tios), significa como se fosse um laço que representasse a nossa união familiar. A segunda que tenho, somente as mulheres em minha família também possuem uma igual, com o significado de união e irmandade” – explica.

Victor Castro também é um amante das tatuagens e aconselha a respeito do preconceito existente em sociedade || (Foto: Alexia Oliveira)

Victor Castro também é um amante das tatuagens || (Foto: Alexia Oliveira)

Victor Castro tem 29 anos e trabalha como estagiário na Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC). Ele possui 4 tatuagens. Em sua visão, acredita que além do preconceito ter diminuído em relação as tatuagens, ainda são muitas as pessoas que sofrem por conta da não aceitação da sociedade em relação ao estilo.

“Eu observo que depende muito, antes de fazer uma tatuagem ou marcar seu corpo, de que carreira a pessoa quer seguir. Vejo que existem ciclos sociais ou até empregos que não veem as tatuagens com bons olhos. Este é um fator que deve ser pensado e a partir disso, tomar uma decisão. Cada um possui o seu corpo e, com ele, têm o livre arbítrio de fazer o que quer, desde que, assumindo os riscos com responsabilidade” – aconselha.

Dia do Tatuador: 20 de julho

No dia 20 de julho é comemorado o Dia do Tatuador. A data marca o dia que homenageia todos os tatuadores Brasil e a fora.|| (Foto: Alexia Oliveira)

No dia 20 de julho é comemorado o Dia do Tatuador. A data homenageia todos os tatuadores Brasil afora.|| (Foto: Freepik)

No dia 20 de julho é comemorado o Dia do Tatuador.  A data é celebrada mundialmente, em homenagem à chegada do tatuador dinamarquês Knud Harld, mais conhecido como Lucky Tattoo. Ele desembarcou no Brasil por volta do dia 20 de julho, em 1969. Trazia consigo a primeira máquina elétrica de tatuagem do Brasil, e que mais tarde, se tornaria um objeto de trabalho e inspiração para muitos tatuadores no Brasil e a fora.

Perguntas frequentes: O que as pessoas devem saber antes de fazer uma tatuagem?

Na sociedade contemporânea, o assunto que gira em torno das tatuagens ainda levanta muitas dúvidas e questionamentos. Pensando nisso, Wanderson Souza, Manolo, esclarece algumas das principais dúvidas sobre as tatuagens:

  • Ainda dói para realizar um procedimento? É possível utilizar um anestésico?

Em termos de anestésico, ainda é um fator de estudo e debates entre muitos tatuadores. Existem pomadas que podem ser usadas, como a Xilocaína. Depende muito de quem realiza o procedimento, e em quesito de dor, depende muito do corpo do cliente. Vejo como algo muito relativo, pois cada corpo reage a dor de uma forma diferente.

  • O cliente pode ter alergia?

É muito raro, mas pode acontecer em alguns casos. Como mencionado anteriormente, depende muito do cliente. Pois existem tanto peles muito oleosas, como também peles muito sensíveis. Acredito também que se o cliente realizar uma higiene correta e seguir as orientações do tatuador são muito raros os casos onde pode ocasionar algum tipo de alergia.

  • Como é calculado o preço para realizar uma tatuagem?

No geral, muitos de nós tatuadores utilizamos nossas redes sociais para divulgar nosso trabalho. Através das redes sociais também entramos em contato com os clientes. Somente através das artes das tatuagens, podemos dizer um tipo de orçamento, levando em conta os detalhes da tatuagem, a complexidade do desenho, o tamanho e o local onde será feita.

  • Quais os principais cuidados que devemos ter ao realizar um procedimento?

Recomendamos sempre fazer uma higiene correta. Também não ingerir alimentos gordurosos em um intervalo de 30 dias após o procedimento, além disso, não ingerir bebidas de teor alcoólico. Sempre hidratar bem o local da tatuagem e usar uma pomada adequada para cicatrização acontecer de maneira correta.

 

Notice: Tema sem comments.php está obsoleto desde a versão 3.0 sem nenhuma alternativa disponível. Inclua um modelo comments.php em seu tema. in /var/www/publicacao/jornalismo/site-root/wp-includes/functions.php on line 2957

Deixe uma resposta

Entrevistas
res20161008152707223220o Adriana Lodi, mestra, atriz e aprendiz
Saúde
october-pink-1714664_640 Além do laço e das luzes cor de rosa
Cidades
Captura de Tela 2020-10-28 às 18.38.14 Tia Zélia, a baiana que conquistou a Vila Planalto
Cidadania
WhatsApp Image 2020-10-28 at 18.21.29 ONGs para pets do DF passam por necessidades durante a pandemia
Economia
auxilio-emergencial As dificuldades de quem não conseguiu aderir ao auxílio emergencial
Esporte
O esporte na pandemia da Covid19| Freepik Como está sendo a adaptação das atividades esportivas durante a pandemia da Covid-19
Cidadania
WhatsApp Image 2020-10-14 at 20.47.49 Mulheres unidas na linha de frente contra a violência de gênero
Economia
foto matéria-6 destaque Aumento do desemprego causa incerteza sobre o futuro
Turismo e Lazer
ponstos turisticos Brasil Saiba quais são cuidados que turistas devem ter antes de sair de casa
Ciência e Tecnologia
O crescimento dos aparelhos celulares no país|Flickr Os brasileiros estão cada vez mais conectados pelos smartphones
Saúde
Ensaio fotográfico gestacional da enfermeira Helenita Vilarinho. Mudança climática: calor excessivo no DF agrava problemas gestacionais
Saúde
No calorão do DF, que alcançou 37ºC em 8 de outubro, nem os sorvetes se salvam | FOTO: Reprodução / Pixabay DF bate recorde de calor. saiba quais são os cuidados necessários em tempos de seca
Saúde
Segundo pesquisa realizada pela VIGITEL, 57% da população masculina do DF, apresenta sobre peso. Isolamento social: aumenta o número de pessoas sedentárias no Brasil
Ciência e Tecnologia
Projeto procura novos modelos tecnológicos para uma eleição através da internet.| Flickr País busca novos modelos para implantar uma eleição via internet
Comportamento
foto matéria 8 TOC atinge mais de 4 milhões no Brasil
Comportamento
NICOLLY PRADO Para fugir de ansiedade e frustrações com pandemia, estudante viaja de bike e faz trabalho voluntário pelo Brasil afora
Saúde
frasco_rotulado_como_vacina_contra_covid-19_em_foto_de_ilustracao_10_04_2020_reuters_dado_ruvic_illustration1408200865 População permanece insegura quanto a futura campanha de vacinação contra a Covid-19
Economia
6cv0sd64tum55rmc60ootwxss-850x560 (1) Pequenos negócios crescem na contramão da crise causada pela pandemia
Ciência e Tecnologia
Crédito: arquivo pessoal Aplicativos on-line reaproximam as pessoas durante isolamento social
Cidadania
Capa Nova revista Redemoinho supera desafios do isolamento para investigar temas de relevância social

Mais lidas