Cultura

Respeitável público, o circo pede socorro!

Os circos da capital federal enfrentam, mais do que nunca, dificuldades para se manter

Quem diria que um dia o lugar de tanta alegria fome passaria. A rima revela: assim como tantas famílias brasileiras nesse momento de pandemia, famílias circenses também estão passando necessidade. Logo eles, tão acostumados a fazer sorrir, a reunir e a brincar com gente de todo jeito, de toda idade, de toda crença, agora mal conseguem sustentar a si próprios.

O picadeiro nunca foi tão saudoso e nunca esteve tão vazio, o colorido tem enfrentado dias cinzas. O dia do circo, comemorado em 27 de março, não teve espetáculo. Quem antes vivia do aglomerado, agora precisa estar isolado.

 

Palhaço triste / Foto: Júlio Benedito. Agência Brasília

Palhaço triste / Foto: Júlio Benedito. Agência Brasília

Já faz dois meses que os circos da capital federal não podem abrir as portas e ter apresentações. Da mesma maneira que o comércio se mantém por meio das vendas, os circos também vivem – ou sobrevivem – graças à venda de ingressos para os espetáculos.

Além de tudo, os circos são formados por grandes famílias. Quase sempre, a tradição é passada de geração em geração. Foi o que declarou a trapezista Juliana Portugal, do Circo Real Português, localizado em Taguatinga, ao portal Metrópoles: “O circo é casa e trabalho de 10 famílias. Somos 38 pessoas, sendo sete idosos com idades acima de 65 anos e nove crianças”.

E eles estão passando por necessidades. Os mantimentos foram se esgotando ao longo dos dias sem renda. Tiveram que contar com a ajuda de doações de cestas básicas vindas de moradores da região. Os mesmos que, talvez um dia, levaram seus filhos, netos, irmãos, ou toda a família para se divertir.

Circo Real Português, localizado em Taguatinga / Reprodução do Facebook

Circo Real Português, localizado em Taguatinga / Reprodução do Facebook

É o que acontece com outro circo do Distrito Federal, o Circo Vitória, localizado no Guará. Nele, vivem e trabalham 14 adultos, além de quatro crianças e dois idosos. Também estão dependendo de doações. Inclusive, uniram-se à comunidade local para arrecadar alimentos não só para eles, mas para outras pessoas e circos que estejam precisando.

Vitória, o nome já diz. A força de vontade dos integrantes do circo para vencer esse momento difícil é grande. Eles querem, tal como todos nós, que as coisas voltem ao normal. Que a pandemia acabe e os tempos difíceis fiquem para trás. Mas é preciso enfrentar as dificuldades, manter-se fortes e unidos.

Agora, os circos e a comunidade estão se esforçando e se ajudando para ter o que comer. Mas, muito em breve, espera-se que o esforço dos trapezistas, malabaristas, acrobatas e outros artistas circenses, seja apenas na hora de realizar seus números. Daí, cabe a nós, respeitável público, torcer pelo retorno da normalidade num futuro próximo, para que, então, possamos prestigiar as delícias e alegrias que o picadeiro tem a oferecer.

 

* Este texto é de inteira  responsabilidade do autor/autora e sua opinião não representa a do Portal de Jornalismo Iesb

Notice: Tema sem comments.php está obsoleto desde a versão 3.0 sem nenhuma alternativa disponível. Inclua um modelo comments.php em seu tema. in /var/www/publicacao/jornalismo/site-root/wp-includes/functions.php on line 2957

Deixe uma resposta

Comportamento
FOTO 1 PROD 10 População negra sofre em meio a pandemia
Ciência e Tecnologia
Crédito: arquivo pessoal Aplicativos on-line reaproximam as pessoas durante isolamento social
Saúde
WhatsApp Image 2020-05-18 at 18.45.00 (1) (1) Voluntários se unem em corrente para ajudar profissionais da saúde do DF
Economia
Creditos Leila Pacheco (fonte) 4 Donas do pedaço: empreendedoras garantem sua renda de casa
Esporte
foto: Jéssika Lineker Coronavírus x Futebol Candango
Comportamento
Photo by Asif Akbar from FreeImages Entre um isolamento e outro, gostamos de nos isolar
Cidadania
Capa Nova revista Redemoinho supera desafios do isolamento para investigar temas de relevância social
Meio Ambiente
Banco de imagens pexels Reciclando pela vida
Saúde
Foto de João Paulo Silva personagem fissura A fissura é tratável
Educação
Rapensando nas Escolas O hip hop como instrumento de educação
Saúde
prato matéria anorexia Anorexia é a doença psiquiátrica que mais mata no mundo
Entrevistas
Deputado distrital do DF (REDE), Leandro Grass tem 32 anos, é professor, sociólogo, mestre em Desenvolvimento Sustentável, doutorando em Desenvolvimento em Gestão Pública (UnB) e gestor cultural pela Organização dos Estados Ibero-Americanos | Foto: Divulgação/ Assessoria de Comunicação/ Leandro Grass Leandro Grass: “DF tinha tudo para ser referência na condução da pandemia”

Mais lidas