Saúde

Os cuidados com as pessoas idosas durante a pandemia

Amigos, vizinhos e familiares se mobilizam para a proteção da saúde de pessoas mais velhas, grupo de risco do coronavírus

De acordo com o Ministério da Saúde, dentro do grupo de risco do novo coronavírus estão: hipertensos, fumantes, obesos e, é claro, os idosos — grupo de risco número 1 —, que já representaram 85% das mortes no país, de acordo com o Ministério da Saúde. Isto acontece porque o sistema imunológico de pessoas mais velhas não tem a mesma capacidade de combate de jovens. E é por esse motivo que vizinhos, amigos, familiares e ONG’s têm se organizado para ajudar os idosos a realizarem tarefas necessárias, como compras de supermercado e medicações.

De fato, o grupo de risco maior já é formado, comprovadamente, as pessoas de mais idade. Por isso, famílias de todo o país já têm adaptado as suas rotinas para ajudar as pessoas mais velhas e protegê-las de possíveis infecções. Em 2018, a porcentagem de idosos no DF representava cerca de 10,5% da população, sendo cerca de 303.017 habitantes da terceira idade. Além disso, no Brasil, a taxa de mortalidade por covid-19 entre pessoas idosas ultrapassa os 20%, número alarmante. Sendo assim, muitas pessoas têm se movimentado para proteger as pessoas mais vulneráveis à contaminação, como é o caso da Maria Odete Cantanhêde.

Ela tem tomado muitos cuidados para preservar a saúde do pai, que é idoso e hipertenso. Além de levar os alimentos e remédios necessários, ela e toda a família também mantêm contato constantemente, a fim de fazer com que ele não se sinta só. “Os netos gravam vídeos cantando músicas para ele, que fica muito feliz mesmo, até encaminha para outras pessoas… isso é uma coisa que o toca muito”, enfatiza Maria.

Já Samara Costa Souza, 29 anos, decidiu ajudar pessoas que não conhece e tem cooperado com os idosos da vizinhança. “Eu deixei meu número em uma carta no elevador me disponibilizando a ajudar, eles pegam e me ligam. Por enquanto eu ajudo somente os vizinhos, e eu tento não ter muito contato com eles. Eu faço compras, vou na farmácia… Vi um post em uma página do Instagram (sobre esse tipo de auxílio) que me motivou a fazer o mesmo”, explica Samara.

Familiares também devem dar atenção e ajudar idosos a manterem a rotina dentro de casa

Familiares também devem dar atenção e ajudar idosos a manterem a rotina dentro de casa

Além dos cuidados com a saúde física, é importante estar atento aos cuidados com a saúde mental dos idosos. No caso de dona Ilna Miranda, de 79 anos, que mora com a neta, ela conta que tenta ocupar a cabeça o máximo possível durante o dia para continuar com uma rotina ativa. “Primeiro eu cuido da cozinha, porque tenho que fazer comida para a minha neta. Depois eu cuido de mim, vou, tomo meu banho, me perfumo, me ajeito, aí eu vou para o computador…”, conta dona Ilna. A neta dela, Luary Beheraborde, de 20 anos, ainda acrescentou que sempre realiza as tarefas como ir à farmácia ou ao mercado para a avó, mas que tem muito medo de acabar contraindo o vírus e passando para ela.

Notice: Tema sem comments.php está obsoleto desde a versão 3.0 sem nenhuma alternativa disponível. Inclua um modelo comments.php em seu tema. in /var/www/publicacao/jornalismo/site-root/wp-includes/functions.php on line 2957

Deixe uma resposta

Comportamento
FOTO 1 PROD 10 População negra sofre em meio a pandemia
Ciência e Tecnologia
Crédito: arquivo pessoal Aplicativos on-line reaproximam as pessoas durante isolamento social
Saúde
WhatsApp Image 2020-05-18 at 18.45.00 (1) (1) Voluntários se unem em corrente para ajudar profissionais da saúde do DF
Economia
Creditos Leila Pacheco (fonte) 4 Donas do pedaço: empreendedoras garantem sua renda de casa
Esporte
foto: Jéssika Lineker Coronavírus x Futebol Candango
Comportamento
Photo by Asif Akbar from FreeImages Entre um isolamento e outro, gostamos de nos isolar
Cidadania
Capa Nova revista Redemoinho supera desafios do isolamento para investigar temas de relevância social
Meio Ambiente
Banco de imagens pexels Reciclando pela vida
Saúde
Foto de João Paulo Silva personagem fissura A fissura é tratável
Educação
Rapensando nas Escolas O hip hop como instrumento de educação
Saúde
prato matéria anorexia Anorexia é a doença psiquiátrica que mais mata no mundo
Entrevistas
Deputado distrital do DF (REDE), Leandro Grass tem 32 anos, é professor, sociólogo, mestre em Desenvolvimento Sustentável, doutorando em Desenvolvimento em Gestão Pública (UnB) e gestor cultural pela Organização dos Estados Ibero-Americanos | Foto: Divulgação/ Assessoria de Comunicação/ Leandro Grass Leandro Grass: “DF tinha tudo para ser referência na condução da pandemia”

Mais lidas