Ciência e Tecnologia

Quarentena para pessoas com e sem internet mostra realidades diferentes

Pesquisa aponta que 70% da população do Centro-Oeste possui acesso à internet; por outro lado, no Nordeste, 35% não possui

No isolamento social, navegar online tem sido essencial para as pessoas, principalmente para se comunicarem, se informarem e até mesmo combaterem o tédio. De acordo com a pesquisa TIC Domicílios, de 2019, do Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação (Cetic.br), em 2019, 70% da população do Centro-Oeste possui acesso à internet.

Para a estudante de direito Dannielly Melo, estar online tem sido muito importante para os seus estudos e trabalho, além do lazer em casa. “Estamos muito acostumados com a internet, usamos ela para fazer tudo, então uso muito as redes sociais para trabalhar, para assistir as aulas e me comunicar com as pessoas da minha sala. Também, o meu entretenimento é baseado em séries, filmes, ouvir músicas e acompanhar as lives, que os artistas estão fazendo”, afirma.

A estudante de 18 anos, Ana Júlia Firmiano, conta como a rede digital está sendo necessária para ela nesse período de quarentena. A estudante afirma que se não tivesse acesso à internet não conseguiria se conectar com as pessoas que não podem estar perto dela.

“As redes sociais são um bom passatempo ao visualizarmos que não estamos sozinhos nesse momento difícil. A internet permite a minha aproximação com as pessoas que não posso ver, me ajuda a passar o tempo, me possibilita a utilização de muitos recursos e conteúdo. Além de ser essencial nessa época, por exemplo, para o trabalho e estudo”, reconhece Ana Júlia.

“As redes sociais são um bom passatempo ao visualizarmos que não estamos sozinhos nesse momento difícil", conta a estudante Ana Júlia. Foto de geo uc no Unsplash

“As redes sociais são um bom passatempo ao visualizarmos que não estamos sozinhos nesse momento difícil”, conta a estudante Ana Júlia.
Foto de geo uc no Unsplash

 

Isolados digitalmente

Além disso, a pesquisa TIC Domicílios também registrou que 30% das pessoas no Centro-Oeste não possuem acesso à internet. Desse grupo, 60% das pessoas não tem o acesso por acharem muito caro. Os outros motivos são: por falta de computador em casa, falta de necessidade, porque não sabem usar, por evitarem contato com conteúdo perigoso e preocupações com segurança e privacidade.

Por região, 35% da população do Nordeste não possui esse acesso. Desse grupo, 50% das pessoas não aderem a navegação online por acharem muito caro. Por outro lado, a região que mais possui pessoas navegando é a Sudeste, com 75%. Sendo que 72% da população analfabeta digitalmente não acessa a rede por falta de habilidade com computadores.

Em relação a classe social, a “C” tem o maior número de pessoas que não acessam a rede digital, com 19%. Já a classe social “A” e “B”, apresentaram 1% e 5%, respectivamente. Sendo assim, na quarentena, a rotina dessas pessoas é completamente diferente, afinal elas estão em isolamento social e isoladas digitalmente também.

A dona de casa, Genildes Mendonça, conta que não acessa a navegação online por falta de conhecimento. “Não usar a internet não me atrapalha em nada. Eu nem sei o que é internet, então tenho feito caminhadas, tomo banho de sol pela manhã, ajudo na cozinha, lavo minhas roupas, passo mais tempo com o meu filho e netos. Inclusive, me distraio fazendo costuras, comendo mais e conversando com os meus parentes”, afirma.

Em relação a informação, a dona de casa afirma que não tem interesse em se informar sobre a pandemia. “Eu não tenho procurado saber, apenas ouço boatos. Eu não tenho interesse em saber sobre o coronavírus, para mim nem existe e não mudou nada, eu nem saio mesmo”, conta.

Já a aposentada Maria Francisca dos Reis diz que a rede online não faz parte dos seus maiores interesses. “Eu prefiro atividades que preservem minha saúde e bem-estar. Então, a internet para mim é ‘tanto faz, tanto fez’. Estou dormido bem, cuidando da alimentação, fazendo caminhadas em trilhas e costuras, como máscaras para usar ao sair de casa. Para comunicação, ainda preservo meus grandes amigos, o telefone fixo e a TV para informações”, declara.

As caminhadas tem sido opções  de passatempo durante a quarentena. Foto de Arek Adeoye no Unsplash

As caminhadas têm sido opções de passatempo para as pessoas sem acesso à internet durante a quarentena.
Foto de Arek Adeoye no Unsplash

Notice: Tema sem comments.php está obsoleto desde a versão 3.0 sem nenhuma alternativa disponível. Inclua um modelo comments.php em seu tema. in /var/www/publicacao/jornalismo/site-root/wp-includes/functions.php on line 2957

Deixe uma resposta

Comportamento
FOTO 1 PROD 10 População negra sofre em meio a pandemia
Ciência e Tecnologia
Crédito: arquivo pessoal Aplicativos on-line reaproximam as pessoas durante isolamento social
Saúde
WhatsApp Image 2020-05-18 at 18.45.00 (1) (1) Voluntários se unem em corrente para ajudar profissionais da saúde do DF
Economia
Creditos Leila Pacheco (fonte) 4 Donas do pedaço: empreendedoras garantem sua renda de casa
Esporte
foto: Jéssika Lineker Coronavírus x Futebol Candango
Comportamento
Photo by Asif Akbar from FreeImages Entre um isolamento e outro, gostamos de nos isolar
Cidadania
Capa Nova revista Redemoinho supera desafios do isolamento para investigar temas de relevância social
Meio Ambiente
Banco de imagens pexels Reciclando pela vida
Saúde
Foto de João Paulo Silva personagem fissura A fissura é tratável
Educação
Rapensando nas Escolas O hip hop como instrumento de educação
Saúde
prato matéria anorexia Anorexia é a doença psiquiátrica que mais mata no mundo
Entrevistas
Deputado distrital do DF (REDE), Leandro Grass tem 32 anos, é professor, sociólogo, mestre em Desenvolvimento Sustentável, doutorando em Desenvolvimento em Gestão Pública (UnB) e gestor cultural pela Organização dos Estados Ibero-Americanos | Foto: Divulgação/ Assessoria de Comunicação/ Leandro Grass Leandro Grass: “DF tinha tudo para ser referência na condução da pandemia”

Mais lidas