Ciência e Tecnologia

O consumo da tecnologia em tempos de imobilidade

Smartphones, consoles, computador, aplicativos e streaming – em 2019, Brasil tornou-se o segundo país que mais utiliza Internet

45% da população mundial são usuários de mídias sociais. Em 2019 o grupo We Are Social registrou que o Brasil é o segundo país que mais utiliza a rede — registrando 9 horas e 29 minutos cotidianamente. O país perde apenas para Filipinas que registrou 10 horas e 02 minutos. No mundo já são 4,3 bilhões de usuários da internet, uma penetração de 57%.

O acesso a Internet e seus dispositivos eletrônicos possibilitam novas abordagens aos usuários uma vez que o jogo digital constrói uma comunidade global, aborda uma nova linguagem e permite interatividade com terceiros. Lara Ainka, estudante de Nutricionismo, joga em busca da diversão e acrescenta que o seu jogo favorito é o The Sims; perde horas do dia jogando, ela conta.

Entre 22 e 28 de março de 2019, o Google Trends registrou que um dos tópicos mais pesquisados durante esse período foi o The Sims e outros jogos digitais.

O smartphone é o principal meio de imersão digital no país. Segundo o relatório da PNAD TIC Contínua 2018 (IBGE), no período de 2018-2019, foi registrado 80,2% da banda larga móvel (3G ou 4G) em domicílio brasileiro, e em segundo lugar a banda larga fixa com 75,9% da penetração.

Hoje, para muitos usuários, o smartphone é um dos principais recursos para a busca dos jogos, não apenas como aparelho de comunicação. “Jogo principalmente no computador e não tenho consoles, jogo no celular também, mas futuramente tenho desejo de13adquirir um console,” conta Caíque Emanuel. Essa é a realidade de muitos usuários, e o celular se tornou principal meio de utilização do recurso.

Jogos em tempo de isolamento social são saudáveis?

O período de isolamento propiciou que os usuários percebessem sobre a ocupação do dia, a importância da rotina — uma vez que os sintomas de ansiedade estão surgindo, afinal, a atividade lúdica é uma forma de escape para a atual crise do país.

“Jogar nesse momento é melhor porque estamos distraídos, não ficamos tão perdidos. Pelo menos é melhor do que entrar na rede social — gera mais ansiedade. Digo por mim, fica ruim gerir isso tempo inteiro. É  bom conciliar com terapia, porque passar dos limites pode desencadear insônia, má alimentação ou  alimentar de forma excessiva”, pensa Gabriela Mariano.

Além do necessário conhecimento profissional, a resposta vem de cada um. A tecnologia sem a dosagem correta pode acarretar sérias consequências à saúde mental.

Henrique Chianca, estudante de jogos digitais, pensa que o hábito de isolamento social e jogabilidade não é um assunto atual. Na verdade, sempre se encontrou em discussão uma vez em tempos de isolamento social o assunto ganhou mais evidência.

“Sem sair de casa, sem ter muito apelo ao contato social é algo que já acontece. Jogar foi, e sempre será, algo que contribui nessas horas, já que estando imerso no jogo, as horas passam sem notar. Dependendo do formato do jogo, não consegue escapar”, nota Henrique.

A história que o jogo transmite é um dos principais fatores para imersão. Alguns jogos conseguem distrair em menor grau, apenas para esquecer a realidade por um breve momento — É o caso de jogos em que o objetivo é acumular pontos ou simplesmente vencer uma batalha.

“Outros vão além nessa fuga da realidade, como é o caso do RPG, os quais vivem em outro universo, sendo capaz de fazer escolhas, trilhar diferentes caminhos e evoluir da forma que achar melhor a fim de completar sua história do seu jeito, explica Henrique.

Vale ressaltar que, segundo os dados do PNAD Contínua, 79,3% das pessoas com 10 anos, ou mais, têm telefone celular. A Blue Bus, produziu um infográfico a respeito sobre o cuidado que responsáveis devem ter com as crianças com o consumo da tecnologia

O relatório aponta que  66% das crianças entre 3 a 5 anos são capazes de operar jogos de computador e 57% já sabem utilizar pelo menos um aplicativo do smartphone. Os países com os maiores índices de desenvolvimento de habilidades tecnológicas estão: EUA, Reino Unido, Brasil  e República Tcheca.

É importante ressaltar que o tempo recomendado para crianças menores de 5 anos é de 1 hora por dia, com intervalos, e crianças de 10 anos, é importante também não passar das 2 horas por dia.

Notice: Tema sem comments.php está obsoleto desde a versão 3.0 sem nenhuma alternativa disponível. Inclua um modelo comments.php em seu tema. in /var/www/publicacao/jornalismo/site-root/wp-includes/functions.php on line 2957

Deixe uma resposta

Comportamento
FOTO 1 PROD 10 População negra sofre em meio a pandemia
Ciência e Tecnologia
Crédito: arquivo pessoal Aplicativos on-line reaproximam as pessoas durante isolamento social
Saúde
WhatsApp Image 2020-05-18 at 18.45.00 (1) (1) Voluntários se unem em corrente para ajudar profissionais da saúde do DF
Economia
Creditos Leila Pacheco (fonte) 4 Donas do pedaço: empreendedoras garantem sua renda de casa
Esporte
foto: Jéssika Lineker Coronavírus x Futebol Candango
Comportamento
Photo by Asif Akbar from FreeImages Entre um isolamento e outro, gostamos de nos isolar
Cidadania
Capa Nova revista Redemoinho supera desafios do isolamento para investigar temas de relevância social
Meio Ambiente
Banco de imagens pexels Reciclando pela vida
Saúde
Foto de João Paulo Silva personagem fissura A fissura é tratável
Educação
Rapensando nas Escolas O hip hop como instrumento de educação
Saúde
prato matéria anorexia Anorexia é a doença psiquiátrica que mais mata no mundo
Entrevistas
Deputado distrital do DF (REDE), Leandro Grass tem 32 anos, é professor, sociólogo, mestre em Desenvolvimento Sustentável, doutorando em Desenvolvimento em Gestão Pública (UnB) e gestor cultural pela Organização dos Estados Ibero-Americanos | Foto: Divulgação/ Assessoria de Comunicação/ Leandro Grass Leandro Grass: “DF tinha tudo para ser referência na condução da pandemia”

Mais lidas