Cidadania

A mulher que transformou a sua vida e a de outras mulheres

Conheça a história de Geralda Florisbela, que fundou a Associação de Mulheres de Sobradinho II

Cestas básicas para famílias assistidas

Cestas básicas para famílias assistidas

Geralda Florisbela, como toda mulher, sonhava em constituir uma família, casar-se, ter filhos e ter uma vida feliz e tranquila. Em 1976, esse sonho se realizou. O primeiro filho, André, personificava a família perfeita. Dois anos depois, a filha Andréia nasceu e um ano depois Luciana. Os anos transcorriam normais, as crianças crescendo, estudando e ela cuidando do lar.

Para sua surpresa, no ano de 1986, seu esposo a abandona com três filhos. Ironia ou não do destino, ele a trocou por uma outra mulher com três filhos. Dias ruins vieram, passaram todo tipo de necessidade.

Em 1987, surgiu Antônio, um delegado, prometendo a ela e aos seus filhos uma vida melhor. Passaram 8 longos anos, até ele deixar a máscara cair, pois não só ela era vítima de violência doméstica, mas seus filhos também. Dentro dela surgiram sentimentos antagônicos: amor, ódio, pensamentos de que aquilo seria uma fase e que iria passar, mas, não passou.

Cansada de ver seus filhos e ela sofrerem violências física e psicológica, em 1999, Geralda colocou um ponto final naquela vida, separou-se e se viu sozinha mais uma vez com seus três filhos. E como aquela separação doía, pois, mesmo assim ela o amava.

Aos poucos foi reconstruindo sua vida. No ano 2000, passou a morar em Sobradinho II e, assim, pode observar suas vizinhas, tristes, com marcas roxas pelos braços, rosto e que diziam que haviam caído ou batido em algum móvel.

Abordou cada uma e, infelizmente, todas eram vítimas de violência doméstica. Passaram a se reunir todas as sextas-feiras na sala de sua casa, uma apoiando a outra, para dar um basta naquelas situações. Fundaram a Associação das Mulheres de Sobradinho II.

Reunião Terapia comunitária                                                           Reunião Terapia Comunitária, com Florisbela e a psicóloga Naida Mota

Em 2007, a associação foi registrada e conta hoje com apoio psicológico, jurídico e de assistentes sociais. Ao olhar Bela, como é conhecida, percebo a sua coragem, a sua resiliência; de momentos difíceis soube levantar-se e sua sororidade ao ajudar a resgatar a autoestima de mulheres fragilizadas. Bela é uma fênix que, além de renascer, faz todos os dias mulheres resgatarem seu auto amor, a dizerem não a relacionamentos abusivos. Ela me faz lembrar um poema de Guimarães Rosa: “a vida é assim, esquenta e esfria, aperta e daí afrouxa, sossega e depois desinquieta. O que ela quer da gente é coragem”. Florisbela é sinônimo de resiliência, sororidade e coragem.

 

* Este texto é de inteira  responsabilidade do autor/autora e sua opinião não representa a do Portal de Jornalismo Iesb

    Notice: Tema sem comments.php está obsoleto desde a versão 3.0 sem nenhuma alternativa disponível. Inclua um modelo comments.php em seu tema. in /var/www/publicacao/jornalismo/site-root/wp-includes/functions.php on line 2957

    Deixe uma resposta

    Comportamento
    FOTO 1 PROD 10 População negra sofre em meio a pandemia
    Ciência e Tecnologia
    Crédito: arquivo pessoal Aplicativos on-line reaproximam as pessoas durante isolamento social
    Saúde
    WhatsApp Image 2020-05-18 at 18.45.00 (1) (1) Voluntários se unem em corrente para ajudar profissionais da saúde do DF
    Economia
    Creditos Leila Pacheco (fonte) 4 Donas do pedaço: empreendedoras garantem sua renda de casa
    Esporte
    foto: Jéssika Lineker Coronavírus x Futebol Candango
    Comportamento
    Photo by Asif Akbar from FreeImages Entre um isolamento e outro, gostamos de nos isolar
    Cidadania
    Capa Nova revista Redemoinho supera desafios do isolamento para investigar temas de relevância social
    Meio Ambiente
    Banco de imagens pexels Reciclando pela vida
    Saúde
    Foto de João Paulo Silva personagem fissura A fissura é tratável
    Educação
    Rapensando nas Escolas O hip hop como instrumento de educação
    Saúde
    prato matéria anorexia Anorexia é a doença psiquiátrica que mais mata no mundo
    Entrevistas
    Deputado distrital do DF (REDE), Leandro Grass tem 32 anos, é professor, sociólogo, mestre em Desenvolvimento Sustentável, doutorando em Desenvolvimento em Gestão Pública (UnB) e gestor cultural pela Organização dos Estados Ibero-Americanos | Foto: Divulgação/ Assessoria de Comunicação/ Leandro Grass Leandro Grass: “DF tinha tudo para ser referência na condução da pandemia”

    Mais lidas