Cidades

PMDF tem duas mortes por covid, mas orientações de saúde seguem sendo cumpridas

Sendo um serviço essencial, militares continuam seu trabalho

Tags:
#MANIFESTAÇÃO antifa Bolsonaro Coronavírus covid dos esplanada ministérios PMDF

Desde o início da pandemia, a Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF) está seguindo as orientações do Ministério da Saúde (MS) para evitar a contaminação da corporação. O assessor de comunicação da Polícia Militar do Distrito Federal, Major Michello Bueno, conta quais medidas foram adotadas. “A gente tem comprado os EPI (equipamento de proteção individual), como o álcool em gel, luvas, spray para passar na viatura e nos equipamentos usados pelos policiais, além da compra de três máscaras de tecido para cada um. Os policiais fazem o teste de covid-19 de 15 em 15 dias, e quando tem algum caso de suspeita, este é encaminhado para a policlínica da PMDF, onde ele é submetido a um exame mais profundo (PCR). Se o teste for positivo é adotado o protocolo e a orientação do MS”.

Major Michello Bueno, responsável pela comunicação da PMDF

Major Michello Bueno, responsável pela comunicação da PMDF (foto: arquivo pessoal)

Apesar dos esforços e cuidados, a Polícia Militar registrou duas mortes por coronavírus. Em abril (2), o sargento Romildo Pereira, de 50 anos, lotado em um batalhão da PMDF em Samambaia, faleceu no Hospital Maria Auxiliadora, localizado no Gama. Romildo estava intubado em uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI), desde 26 de março, quando chegou à emergência apresentando febre e insuficiência respiratória.

A segunda morte foi do subtenente da reserva remunerada, João Seixas Estefânio, de 68 anos. João estava intubado e recebendo uma série de medicamentos, mas o quadro clínico se agravou e ele sofreu uma parada cardiorespiratória. O subtenente faleceu no dia 4 de junho, no mesmo hospital que Romildo. No início de junho, foram contabilizados 63 PM’s infectados afastados, e 47 recuperados. Um desses infectados é o comandante-geral da PM, coronel Julian Rocha Pontes, que segue em tratamento.

Major Michello conta que no início do isolamento social o número de crimes registrados no DF diminuiu, mas agora está voltando ao normal. Segundo ele, a Polícia Militar ambientou muito a produtividade em vários segmentos, como prisões e apreensão de armas de fogo. Houve um aumento de 4 para 6 (casos) por dia. “Os criminosos não deixaram de ‘trabalhar’, mas vários modalidades de crimes mudaram. Antes não tinham tantas pessoas circulando, e aí os casos de roubo a pedestre diminuíram consideravelmente. Tem aumentado o número de chamadas para alguns tipos de situações, principalmente perturbação da ordem, mas os crimes todos caíram, a PM conseguiu derrubar todos os crimes”, conclui.

Sobre os casos de aglomerações, a PM informou que faz a abordagem quando há casos de perturbação da ordem (sossego alheio), e que é lavrado um Termo Circunstanciado de Ocorrência.

Major Michello conta que nenhum tipo de crime aumentou, pelo contrário, todos diminuíram. (foto: arquivo pessoal)

Major Michello conta que nenhum tipo de crime aumentou, pelo contrário, todos diminuíram. (foto: arquivo pessoal)

Coronavírus e as manifestações de apoiadores e opositores do Presidente Jair Bolsonaro

Apesar das orientações do Ministério da Saúde, semanalmente no DF e em outros estados do Brasil, estão acontecendo manifestações favoráveis e contra o presidente Jair Messias Bolsonaro. Desde 15 de março, dia em que houve o primeiro ato em apoio a Bolsonaro, grupos de manifestantes se aglomeram na Esplanada dos Ministérios.

O policial militar do Grupo Tático Operacional- GTOP, Cabo Jânio Paz, conta como estão sendo essas manifestações e as orientações que a PMDF passa aos manifestantes. “As manifestações são pacíficas. O grupo de apoiadores está cantando o Hino Nacional e balançando bandeiras, nenhuma via pública foi interditada. Porém, houve um confronto quando o movimento denominado ‘Antifas’ resolveu se manifestar. Mas logo foi controlado”.

Cabo Jânio Paz (GTOP), também está atuando nas manifestações na Esplanada dos Ministérios. (foto: arquivo pessoal)

Cabo Jânio Paz (GTOP) também está atuando nas manifestações na Esplanada dos Ministérios. (foto: arquivo pessoal)

O movimento Antifa (abreviação de “antifascismo”), fundado em 1932 na Alemanha, voltou e ganhou notoriedade após as manifestações ocorridas no mundo inteiro devido à morte de George Floyd, em uma abordagem policial nos EUA. Na manifestação ocorrida em 7/06, na Esplanada, o grupo foi liderado por integrantes da torcida organizada do Corinthians, a Gaviões da Fiel.

Recentemente o governador Ibaneis Rocha fechou a Esplanada dos Ministérios a fim de evitar essas aglomerações, mas foi reaberta e as manifestações seguem acontecendo todos os domingos. A PMDF reforçou o policiamento na área e está evitando tumultos.

    Notice: Tema sem comments.php está obsoleto desde a versão 3.0 sem nenhuma alternativa disponível. Inclua um modelo comments.php em seu tema. in /var/www/publicacao/jornalismo/site-root/wp-includes/functions.php on line 2957

    Deixe uma resposta

    Comportamento
    FOTO 1 PROD 10 População negra sofre em meio a pandemia
    Ciência e Tecnologia
    Crédito: arquivo pessoal Aplicativos on-line reaproximam as pessoas durante isolamento social
    Saúde
    WhatsApp Image 2020-05-18 at 18.45.00 (1) (1) Voluntários se unem em corrente para ajudar profissionais da saúde do DF
    Economia
    Creditos Leila Pacheco (fonte) 4 Donas do pedaço: empreendedoras garantem sua renda de casa
    Esporte
    foto: Jéssika Lineker Coronavírus x Futebol Candango
    Comportamento
    Photo by Asif Akbar from FreeImages Entre um isolamento e outro, gostamos de nos isolar
    Cidadania
    Capa Nova revista Redemoinho supera desafios do isolamento para investigar temas de relevância social
    Meio Ambiente
    Banco de imagens pexels Reciclando pela vida
    Saúde
    Foto de João Paulo Silva personagem fissura A fissura é tratável
    Educação
    Rapensando nas Escolas O hip hop como instrumento de educação
    Saúde
    prato matéria anorexia Anorexia é a doença psiquiátrica que mais mata no mundo
    Entrevistas
    Deputado distrital do DF (REDE), Leandro Grass tem 32 anos, é professor, sociólogo, mestre em Desenvolvimento Sustentável, doutorando em Desenvolvimento em Gestão Pública (UnB) e gestor cultural pela Organização dos Estados Ibero-Americanos | Foto: Divulgação/ Assessoria de Comunicação/ Leandro Grass Leandro Grass: “DF tinha tudo para ser referência na condução da pandemia”

    Mais lidas