Comportamento

Reinventando a terapia

Como um empresário adaptou seu produto para o tempo de isolamento social

A pandemia da Covid-19 mudou a rotina de bilhões de pessoas no mundo inteiro. Ficar de quarentena em casa, em muitos casos completamente sozinho, não é nada fácil, e é preciso sempre dar importância à saúde mental.

Levando isso em conta, começaram a surgir propostas de novas atividades terapêuticas para serem colocadas em prática dentro do confinamento. E foi nesse cenário que o agrônomo e empresário Eiiti Yuri, idealizador do projeto Nano Garden, resolveu criar o Kit Nano Terapia.

Eiiti vende terrários, também conhecidos como mini jardins, em sua loja em Brasília, além de também promover workshops para montar esses terrários. O Kit Nano Terapia chega com uma nova proposta: ele é entregue na sua casa, e você monta o seu próprio terrário, seguindo as instruções que acompanham o kit.

O empresário diz que o objetivo desse projeto durante a quarentena é compartilhar o sentimento de tranquilidade que ele sente no seu trabalho com quem adquirir. ”Eu quero proporcionar a experiência que eu sempre tenho quando monto um terrário, que é um bem estar que traz paz, tranquilidade, aumenta muito a minha criatividade, minha imaginação, entende? É dessa forma que eu queria que meu cliente sentisse”, afirma.

jeff-sheldon-rDLBArZUl1c-unsplash

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Legenda: Os mini-jardins são uma boa nova opção de terapia em casa

Os kits custam a partir de 65 reais, e são compostos por uma porção de pedrinhas, para drenagem e acabamento, uma porção de substrato, que são os nutrientes, musgos vivos, um manual, que ensina a montar o terrário em seis passos e um manual sobre cuidados com o terrário.

“Eu pensei muito, muito mesmo antes de executar esse projeto, para que de alguma forma eu levaria um bem-estar nessa crise de pandemia, onde todo mundo está confinado, muita gente sofrendo crise de ansiedade, e eu fico muito feliz com os depoimentos dos clientes”, diz Eiiti sobre o feedback que recebe daqueles que compram o kit.

O publicitário Henrique, de 27 anos, é um desses clientes satisfeitos. Na casa dele, todos são do grupo de risco, então o isolamento social está sendo respeitado com mais afinco. “Virou um refúgio muito bom. Sempre gostei de trabalhos manuais no geral, então foi mais uma bagagem adquirida que valeu a pena. Uma distração a mais, um refúgio a mais”, diz. Diversas outras opções de atividades são realizadas com o mesmo intuito do Kit Nano Terapia durante a quarentena: leituras, videoconferências, meditação. E todas são válidas. O importante, nesse momento, é manter a mente ativa e, ao mesmo tempo, descansada.

Notice: Tema sem comments.php está obsoleto desde a versão 3.0 sem nenhuma alternativa disponível. Inclua um modelo comments.php em seu tema. in /var/www/publicacao/jornalismo/site-root/wp-includes/functions.php on line 2957

Deixe uma resposta

Comportamento
FOTO 1 PROD 10 População negra sofre em meio a pandemia
Ciência e Tecnologia
Crédito: arquivo pessoal Aplicativos on-line reaproximam as pessoas durante isolamento social
Saúde
WhatsApp Image 2020-05-18 at 18.45.00 (1) (1) Voluntários se unem em corrente para ajudar profissionais da saúde do DF
Economia
Creditos Leila Pacheco (fonte) 4 Donas do pedaço: empreendedoras garantem sua renda de casa
Esporte
foto: Jéssika Lineker Coronavírus x Futebol Candango
Comportamento
Photo by Asif Akbar from FreeImages Entre um isolamento e outro, gostamos de nos isolar
Cidadania
Capa Nova revista Redemoinho supera desafios do isolamento para investigar temas de relevância social
Meio Ambiente
Banco de imagens pexels Reciclando pela vida
Saúde
Foto de João Paulo Silva personagem fissura A fissura é tratável
Educação
Rapensando nas Escolas O hip hop como instrumento de educação
Saúde
prato matéria anorexia Anorexia é a doença psiquiátrica que mais mata no mundo
Entrevistas
Deputado distrital do DF (REDE), Leandro Grass tem 32 anos, é professor, sociólogo, mestre em Desenvolvimento Sustentável, doutorando em Desenvolvimento em Gestão Pública (UnB) e gestor cultural pela Organização dos Estados Ibero-Americanos | Foto: Divulgação/ Assessoria de Comunicação/ Leandro Grass Leandro Grass: “DF tinha tudo para ser referência na condução da pandemia”

Mais lidas