Economia

Donas do pedaço: empreendedoras garantem sua renda de casa

Mercado gastronômico é uma boa opção para quem quer ter o próprio negócio em casa

Leila Costa Pacheco desenvolveu sua marca a Puro Chiquê Doces, em maio de 2016, através da festa de 15 anos de sua sobrinha. Em setembro de 2019, sua irmã Lilian Costa Pacheco Duarte entrou como sócia do projeto. O que começou sendo uma marca exclusiva de doces acabou virando algo mais gastronômico.

As sócias tiveram a família como inspiração e foi isso que as motivou a fazer o curso de gastronomia, não para aprender, mas para complementar e aperfeiçoar os seus dotes culinários. Depois de 9 anos de formadas ganharam um prêmio de gastronomia junto com o Iesb, em parceria com a revista Prazeres da Mesa. “Foi um desafio, o pessoal ficava falando porque vocês não vão para o Masterchef? e aí surgiu esse concurso e nós encaramos”, afirma Leila.

Diante disso, o que era algo familiar acabou tornando-se um aumento na renda das duas empresárias. Os produtos são divulgados e encomendados através das redes sociais da marca. As mesmas prezam por manter sempre ingredientes de primeira qualidade, mas isso acaba virando uma dificuldade no meio empresarial, porque na maioria das vezes o preço do produto sobe devido ao valor dos ingredientes.

A Associação Brasileira da Indústria de Panificação e Confeitaria (ABIP) mostrou que no Brasil grande parte dos negócios do ramo gastronômico são formados por micro e pequenas empresas. Quem está dentro desse ramo tem forte ligação com o mercado de festas e eventos sociais.

Novo cenário

Mas a pandemia de Covid-19 afetou muito nas vendas e na produção das empresárias que produzem todos os produtos artesanalmente, na cozinha de casa, seguindo todas as recomendações do Ministério da Saúde. Diante disso, com a chegada da páscoa, que sempre foi uma data de muitas encomendas, elas acrescentaram para melhor atender aos clientes novas formas de pagamentos, o delivery e o atendimento de entrega agendado com o intuito de prevenção contra o vírus. Explica Leila: “Eu envio o link para os meus clientes efetuarem o pagamento pelo cartão, sem precisar inseri-lo na máquina.”

Hoje, a marca atende desde doces para festas, presentes para empresas, almoços afetivos, coffe break e outros. “Podemos explorar ao máximo esse ramo e conquistamos os nossos clientes e parceiros pelo nosso temperinho caseiro e a alta qualidade dos ingredientes”, expressa Leila.

Creditos Leila Pacheco (fonte) 3

 

Notice: Tema sem comments.php está obsoleto desde a versão 3.0 sem nenhuma alternativa disponível. Inclua um modelo comments.php em seu tema. in /var/www/publicacao/jornalismo/site-root/wp-includes/functions.php on line 2957

Deixe uma resposta

Comportamento
FOTO 1 PROD 10 População negra sofre em meio a pandemia
Ciência e Tecnologia
Crédito: arquivo pessoal Aplicativos on-line reaproximam as pessoas durante isolamento social
Saúde
WhatsApp Image 2020-05-18 at 18.45.00 (1) (1) Voluntários se unem em corrente para ajudar profissionais da saúde do DF
Esporte
foto: Jéssika Lineker Coronavírus x Futebol Candango
Comportamento
Photo by Asif Akbar from FreeImages Entre um isolamento e outro, gostamos de nos isolar
Cidadania
Capa Nova revista Redemoinho supera desafios do isolamento para investigar temas de relevância social
Meio Ambiente
Banco de imagens pexels Reciclando pela vida
Saúde
Foto de João Paulo Silva personagem fissura A fissura é tratável
Educação
Rapensando nas Escolas O hip hop como instrumento de educação
Saúde
prato matéria anorexia Anorexia é a doença psiquiátrica que mais mata no mundo
Entrevistas
Deputado distrital do DF (REDE), Leandro Grass tem 32 anos, é professor, sociólogo, mestre em Desenvolvimento Sustentável, doutorando em Desenvolvimento em Gestão Pública (UnB) e gestor cultural pela Organização dos Estados Ibero-Americanos | Foto: Divulgação/ Assessoria de Comunicação/ Leandro Grass Leandro Grass: “DF tinha tudo para ser referência na condução da pandemia”

Mais lidas