Saúde

Gestantes e mães de recém-nascidos precisam redobrar cuidados contra Covid-19

Segundo a Unicef cerca de 116 milhões de bebês nascerão durante a pandemia

Durante a pandemia provocada pelo novo coronavírus, as gestantes e as mães de recém-nascidos precisam de alguns cuidados para evitar a contaminação pela Covid-19.

De acordo com dados da Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância), estima-se que 116 milhões de bebês nascerão em uma nova realidade. São mães e crianças que viverão em uma nova rotina, na qual terão de enfrentar isolamento e distanciamento social, uso de máscaras, além de outras medidas de contenção do vírus.

Segundo a professora Cinthia Sousa, que está grávida de 3 meses, ela sente um certo medo indo ao posto de saúde. “Sair é um risco, ter contato com outras pessoas é um risco, pois a gente não sabe se as pessoas estão tomando todos os cuidados”, disse ela.
Um estudo publicado na International Journal of Gynecology and Obstetrics aponta que das mortes de grávidas ocorridas entre o início da pandemia e o dia 18 de junho, 77,5% ocorreram no Brasil, ou seja, o país é o primeiro colocado nesse ranking, seguido pelos Estados Unidos.

A médica obstetra Katharine Barros, de Belém do Pará, afirma que bebês são mais frágeis. “Os bebês são mais suscetíveis e frágeis a qualquer tipo de infecção aguda”.

O uso de máscara é parte das medidas de contenção da doença, que deve ser adotada pelas mães

O uso de máscara é parte das medidas de contenção da doença, que deve ser adotada pelas mães

 

Mortalidade neonatal

Segundo uma lista de países da Unicef, os que concentram os maiores números de nascimentos nos nove meses desde o anúncio da pandemia são: Índia (20,1 milhões), China (13,5 milhões), Nigéria (6,4 milhões), Paquistão (5 milhões) e Indonésia (4 milhões). A maioria desses países já apresentava, mesmo antes da pandemia, altas taxas de mortalidade neonatal, e com a chegada do novo coronavírus podem ver o aumento dessa taxa. O Brasil encontra-se entre os 10 países com maior número esperado de nascimentos (2,3 milhões).

Os Estados Unidos, que tem o número de nascimentos estimado em 3,3 milhões, entre os dias 11 de março e 16 de dezembro de 2020, é o sexto país do ranking. Autoridades de saúde de Nova Iorque estão à procura de centros alternativos de parto, pois muitas grávidas estão preocupadas em dar à luz em hospitais devido à pandemia de Covid-19.

O infectologista Douglas Ferrari, membro do Comitê do Ministério da Saúde, adverte as grávidas sobre cuidados devido à pandemia: “Higienização das mãos com frequência, escovação dos dentes. Em ambientes coletivos evitar pessoas com tosse ou espirros. Não usar medicamentos sem antes conversar com o seu médico, e a qualquer quadro de febre, tosse ou falta de ar a gestante deve procurar imediatamente o médico para realizar avaliação”, incentivou.

Notice: Tema sem comments.php está obsoleto desde a versão 3.0 sem nenhuma alternativa disponível. Inclua um modelo comments.php em seu tema. in /var/www/publicacao/jornalismo/site-root/wp-includes/functions.php on line 2957

Deixe uma resposta

Comportamento
FOTO 1 PROD 10 População negra sofre em meio a pandemia
Ciência e Tecnologia
Crédito: arquivo pessoal Aplicativos on-line reaproximam as pessoas durante isolamento social
Saúde
WhatsApp Image 2020-05-18 at 18.45.00 (1) (1) Voluntários se unem em corrente para ajudar profissionais da saúde do DF
Economia
Creditos Leila Pacheco (fonte) 4 Donas do pedaço: empreendedoras garantem sua renda de casa
Esporte
foto: Jéssika Lineker Coronavírus x Futebol Candango
Comportamento
Photo by Asif Akbar from FreeImages Entre um isolamento e outro, gostamos de nos isolar
Cidadania
Capa Nova revista Redemoinho supera desafios do isolamento para investigar temas de relevância social
Meio Ambiente
Banco de imagens pexels Reciclando pela vida
Saúde
Foto de João Paulo Silva personagem fissura A fissura é tratável
Educação
Rapensando nas Escolas O hip hop como instrumento de educação
Saúde
prato matéria anorexia Anorexia é a doença psiquiátrica que mais mata no mundo
Entrevistas
Deputado distrital do DF (REDE), Leandro Grass tem 32 anos, é professor, sociólogo, mestre em Desenvolvimento Sustentável, doutorando em Desenvolvimento em Gestão Pública (UnB) e gestor cultural pela Organização dos Estados Ibero-Americanos | Foto: Divulgação/ Assessoria de Comunicação/ Leandro Grass Leandro Grass: “DF tinha tudo para ser referência na condução da pandemia”

Mais lidas