Comportamento

Tendência tie dye: o fenômeno da quarentena

Fácil de ser feita em casa, a técnica conquistou o guarda-roupas dos quarentenados

Tags:
comportamento moda quarentena tie dye

Com muitas cores e movimento, a tendência tie dye voltou com tudo para colorir o estilo dos quarentenados durante a pandemia da Covid-19. A técnica marca um retorno do uso de peças multicoloridas, dessa vez, fortalecendo o conceito de moda sustentável a partir da reutilização e customização de peças antigas.

Nascido da técnica asiática shibori, o tie dye (“amarrar e tingir”, na tradução livre) ganhou espaço na cultura ocidental durante o movimento hippie das décadas de 1960 e 1970. Apesar de não ser novidade, a simplicidade da técnica facilitou seu retorno aos holofotes, de modo a ser incorporada até nas peças de marcas de alta costura.

“Uma das características marcantes do shibori é o uso do índigo, azul muito característico da época e originário da fermentação das folhas de várias espécies de anileiras”, conta Rafaella Lacerda, professora de moda do IESB.

A professora explica que, mais que uma tendência, o tie dye se encaixa em um dos eixos da moda sustentável. A reutilização e customização de peças antigas dá um novo sentido àquela peça, de modo que ela seja utilizada por mais tempo antes de ser descartada, além de ser uma peça a menos comprada da indústria poluente.

Contudo, alerta para o uso de corantes que não são sustentáveis. “O corante é uma das piores coisas da indústria têxtil. Se for usado o tingimento natural de plantas tintórias é muito interessante”, explica.

Mas não só de arte vive o homem. Houve quem ganhasse dinheiro com a venda das camisetas personalizadas. É o caso de Maria Olivia Araujo, estudante de 22 anos. Ela conta que em um primeiro momento, a customização das peças foi pensada para uso pessoal, proposta repensada depois que começou a ser procurada por meio de fotos postadas no Instagram.

“Eu comecei a fazer para mim e estava amando as blusas, estava usando toda hora, algumas amigas elogiaram também. Soltei no meu Instagram sobre as blusas e aí começaram a me chamar no privado para perguntar quanto custava. Então eu comecei a pensar mais como um negócio mesmo”, relata.

Maria Olivia Araujo, estudante de nutrição, estudou cores e combinações para melhores resultados - (Foto: Maria Olivia)

Maria Olivia Araujo, estudante de Nutrição, estudou cores e combinações para melhores resultados – (Foto: Maria Olivia)

Ela conta que o retorno superou as expectativas. Quando começou as vendas em maio deste ano, confeccionava, aproximadamente, 19 peças por mês e hoje já produz em torno de 50. Os preços das blusas variam. Se for somente o serviço de customização em uma peça entregue pela cliente o valor é de de R$ 23 e a blusa pronta já customizada custa R$ 49.

Os influenciados

A popularização da tendência se deu, sobretudo, pela influência digital da moda e da facilidade de acesso a tutoriais.

No Instagram, já são 4,3 milhões de menções à técnica. De acordo com o Google Tendências, o termo “como fazer tie dye?” teve crescimento vertiginoso nas pesquisas em meados de maio, com pico registrado em julho.

Influenciadora digital, Denize Lima conta que o tie dye foi uma maneira de ocupar o tempo durante o isolamento social adotado em razão da pandemia da Covid-19. (Foto: Denize Lima)

Influenciadora digital, Denize Lima conta que o tie dye foi uma maneira de ocupar o tempo durante o isolamento social, adotado em razão da pandemia da Covid-19. (Foto: Denize Lima)

Denize Lima é prova disso. Influenciadora digital com 24,9 mil seguidores no Instagram, ela também entrou na moda e customizou as próprias peças.

Ela conta que o tie dye ganhou espaço no seu estilo, mas que não foi o primeiro contato com a tendência. “Eu já conhecia, pois é uma técnica que foi muito usada nos anos 70, época dos hippies, Woodstock e afins. Minha mãe e tias usavam muito, e, como tudo na moda vai e volta, desde o final de 2019 voltou com tudo e deve seguir até o próximo verão.”

Ficou curioso para tentar? Então fica ligado nesse vídeo e confira o passo a passo para customizar o seu próprio tie dye.

Notice: Tema sem comments.php está obsoleto desde a versão 3.0 sem nenhuma alternativa disponível. Inclua um modelo comments.php em seu tema. in /var/www/publicacao/jornalismo/site-root/wp-includes/functions.php on line 2957

Deixe uma resposta

Comportamento
FOTO 1 PROD 10 População negra sofre em meio a pandemia
Ciência e Tecnologia
Crédito: arquivo pessoal Aplicativos on-line reaproximam as pessoas durante isolamento social
Saúde
WhatsApp Image 2020-05-18 at 18.45.00 (1) (1) Voluntários se unem em corrente para ajudar profissionais da saúde do DF
Economia
Creditos Leila Pacheco (fonte) 4 Donas do pedaço: empreendedoras garantem sua renda de casa
Esporte
foto: Jéssika Lineker Coronavírus x Futebol Candango
Comportamento
Photo by Asif Akbar from FreeImages Entre um isolamento e outro, gostamos de nos isolar
Cidadania
Capa Nova revista Redemoinho supera desafios do isolamento para investigar temas de relevância social
Meio Ambiente
Banco de imagens pexels Reciclando pela vida
Saúde
Foto de João Paulo Silva personagem fissura A fissura é tratável
Educação
Rapensando nas Escolas O hip hop como instrumento de educação
Saúde
prato matéria anorexia Anorexia é a doença psiquiátrica que mais mata no mundo
Entrevistas
Deputado distrital do DF (REDE), Leandro Grass tem 32 anos, é professor, sociólogo, mestre em Desenvolvimento Sustentável, doutorando em Desenvolvimento em Gestão Pública (UnB) e gestor cultural pela Organização dos Estados Ibero-Americanos | Foto: Divulgação/ Assessoria de Comunicação/ Leandro Grass Leandro Grass: “DF tinha tudo para ser referência na condução da pandemia”

Mais lidas