Cidades

As iniciativas de transformação que renovaram o SCS

Através de iniciativas de transformação local e econômica o coletivo No Setor busca repaginar a região do Setor Comercial Sul

Ao andar pelo centro de Brasília, certamente já se ouviu falar sobre o Setor Comercial Sul. A região que detém grandes centros comercias está localizada próxima ao setor hoteleiro e a rodoviária do Plano Piloto. Durante o dia, o vai e vem de pessoas é constante. Ao anoitecer, o cenário muda e a insegurança se faz presente, já que a localidade é conhecida pelo tráfico, prostituição e até mesmo casos de homicídio.

O abandono e descaso que tomaram conta e transformaram o SCS no que ele é conhecido hoje não foi desculpa para que a proposta de revitalização se tornasse realidade. Os amigos e sócios, Caio Dutra, Ian Viana e Felipe Velloso, através de iniciativas de transformação social e econômica, buscam mudar esse cenário problemático com o Coletivo No Setor.

“Nosso objetivo é transformar o Setor Comercial Sul em uma grande referência. Nós buscamos fazer com que as pessoas sintam prazer em frequentar o local, e vejam oportunidades de crescimento ali”, comenta Caio.

A relação de amor e ódio com o SCS, como descreve Caio, fez com ele enxergasse a importância da localidade para Brasília. Tudo começou com eventos de rock, realizados na garagem do prédio onde seu pai trabalhava. Mas foi no carnaval de 2018, com o Setor Carnavalesco Sul, que reuniu cerca de 65 mil pessoas durante os cinco dias de festa, que o No Setor começou a ganhar vida.

Das festas que ocupam corredores e becos a hortas comunitárias. Essas são algumas propostas oferecidas pelo No Setor, que busca oportunidade de inserção para as pessoas em situação de rua ali presentes. O projeto acredita na gestão comunitária para dar melhores condições para essa pessoas.

Além dos três sócios, o No Setor conta com uma equipe que atua na parte de coordenação de comunicação, designers, assessoria de comunicação, financeiro e administrativo.

Tour Guiado. Foto: Igor Kishi /@espaco.hikari

Tour guiado pelo Setor Comercial Sul. Foto: Igor Kishi /@espaco.hikari

A volta por cima

O destaque vai para o funcionário José Salustiano Batista Paes, mais conhecido como Salú. Durante dois anos, ele viveu em situação de rua. Salú era camelô na rodoviária e com a renda do trabalho informal conseguia se manter, até que a situação piorou e ele teve de recorrer a viver nas ruas.

Foi em outubro de 2018 que o No Setor o tirou desse cenário violento e o inseriu no mercado de trabalho. Salú trabalha na parte administrativa do projeto e graças a essa ajuda, hoje ele tem um teto para morar, está terminando o ensino médio e tem planos de ingressar na faculdade.

“O Setor Comercial Sul é um lugar que tem grande potencial. As atividades aqui não incomodam as pessoas, como acontece em outras áreas residenciais, que tem todo um conflito com a lei do silêncio. Então aqui nós temos a solução para alguns desses problemas”, acrescenta Caio.

Devido a pandemia o coletivo está com as atividades  como festas, tour guiado suspensas. No próprio site é possível acompanhar o trabalho desenvolvido por eles por meio da gestão comunitária, como número de pessoas vulneráveis resgatadas da rua, o cadastro e acompanhamento dessas pessoas.  Além de informações como contribuições, divulgação, pontos de coleta de insumos de limpeza que ajudam a manter o banheiro público inaugurado em abril desse ano.

Para mais informações sobre como colaborar, acesse o site e as redes sociais do coletivo.

Site: https://nosetor.com.br/gestao-comunitaria-no-setor/ 

Instagram: https://www.instagram.com/nosetor/

Youtube: https://www.youtube.com/channel/UCsgLGg_5wYic3A5p00uhDHw

Notice: Tema sem comments.php está obsoleto desde a versão 3.0 sem nenhuma alternativa disponível. Inclua um modelo comments.php em seu tema. in /var/www/publicacao/jornalismo/site-root/wp-includes/functions.php on line 2957

Deixe uma resposta

Comportamento
FOTO 1 PROD 10 População negra sofre em meio a pandemia
Ciência e Tecnologia
Crédito: arquivo pessoal Aplicativos on-line reaproximam as pessoas durante isolamento social
Saúde
WhatsApp Image 2020-05-18 at 18.45.00 (1) (1) Voluntários se unem em corrente para ajudar profissionais da saúde do DF
Economia
Creditos Leila Pacheco (fonte) 4 Donas do pedaço: empreendedoras garantem sua renda de casa
Esporte
foto: Jéssika Lineker Coronavírus x Futebol Candango
Comportamento
Photo by Asif Akbar from FreeImages Entre um isolamento e outro, gostamos de nos isolar
Cidadania
Capa Nova revista Redemoinho supera desafios do isolamento para investigar temas de relevância social
Meio Ambiente
Banco de imagens pexels Reciclando pela vida
Saúde
Foto de João Paulo Silva personagem fissura A fissura é tratável
Educação
Rapensando nas Escolas O hip hop como instrumento de educação
Saúde
prato matéria anorexia Anorexia é a doença psiquiátrica que mais mata no mundo
Entrevistas
Deputado distrital do DF (REDE), Leandro Grass tem 32 anos, é professor, sociólogo, mestre em Desenvolvimento Sustentável, doutorando em Desenvolvimento em Gestão Pública (UnB) e gestor cultural pela Organização dos Estados Ibero-Americanos | Foto: Divulgação/ Assessoria de Comunicação/ Leandro Grass Leandro Grass: “DF tinha tudo para ser referência na condução da pandemia”

Mais lidas