Saúde

Impacto do cigarro permanece mesmo após fumantes abandonarem a dependência

Apesar de ter reduzido em 38% o hábito de fumar, o vício ainda mata mais de 200 mil pessoas por ano no País

O cigarro é, sem dúvidas, um dos maiores perigos para a saúde, matando mais de 200 mil pessoas por ano. Apesar de todo o conhecimento acerca dos malefícios, grande parte da população ainda insiste em fumar. O motivo não é apenas a dependência química mas também a psicológica.

De acordo com a psicóloga Giovana Lima, o vício é muito mais complexo do que se imagina. “Geralmente as pessoas que fumam sofrem com algum problema psicológico, mesmo que mínimo. A nicotina causa uma sensação de prazer no cérebro, por isso pessoas ansiosas, depressivas, são pessoas mais propensas a fumar.”

Os danos causados pelo cigarro não ocorrem apenas durante a dependência. Segundo o Instituto Nacional de Câncer, o tabagismo constitui fator de risco para inúmeros tipos de câncer como, câncer de fígado, bexiga, leucemia, pulmão, traqueia, entre outros. Além de estar associado a outras doenças como, tuberculose, osteoporose, úlceras e impotência sexual.

A ex-fumante, Rosely Moreno afirma que, apesar de saber de todos os riscos, a vontade falava sempre mais alto “Eu fumei por 20 anos, e tenho plena consciência de que posso ter prejudicado a minha vida para sempre. Não ficaria surpresa se desenvolvesse agora um câncer no pulmão.”

Comparação de um pulmão saudável e o pulmão de um fumante

Comparação de um pulmão saudável e o pulmão de um fumante

Abandonar o vício

Usos de adesivos, remédios e chicletes de nicotina são opções para abandonar a dependência, mas são eficazes?

O médico Bruno Baptista afirma que agora a moda é fumar tabaco enrolado, e as pessoas acham que estão driblando vários malefícios do cigarro, por ser “natural”, mas a inalação de monóxido de carbono é a mesma, segundo o médico.

O índice de redução de 38% do número de fumantes divulgado pelo Ministério da Saúde não leva em conta a migração do cigarro para narguilés, charutos, tabacos e cachimbos.

Parar de fumar não é uma tarefa fácil, porém é possível . “Fui percebendo que a minha qualidade de vida seria péssima, não utilizei nenhum método para parar de fumar, foi só a força de vontade mesmo,” afirma Rosely.

Notice: Tema sem comments.php está obsoleto desde a versão 3.0 sem nenhuma alternativa disponível. Inclua um modelo comments.php em seu tema. in /var/www/publicacao/jornalismo/site-root/wp-includes/functions.php on line 2957

Deixe uma resposta

Saúde
Ensaio fotográfico gestacional da enfermeira Helenita Vilarinho. Mudança climática: calor excessivo no DF agrava problemas gestacionais
Ciência e Tecnologia
Crédito: arquivo pessoal Aplicativos on-line reaproximam as pessoas durante isolamento social
Cidadania
Capa Nova revista Redemoinho supera desafios do isolamento para investigar temas de relevância social
Cidadania
WhatsApp Image 2020-10-14 at 20.47.49 Mulheres unidas na linha de frente contra a violência de gênero
Economia
foto matéria-6 destaque Aumento do desemprego causa incerteza sobre o futuro
Turismo e Lazer
ponstos turisticos Brasil Saiba quais são cuidados que turistas devem ter antes de sair de casa

Mais lidas