Produções cinematográficas sul-coreanas conquistam público ocidental

Sucesso de Round 6 abre portas para alavancar o mercado cinematográfico da Coreia do Sul

Vitória Alice Silva

Postado em 28/10/2021

O sucesso da estreia da série sul-coreana Round 6, no fim de setembro deste ano, marca a ascensão de produções asiáticas no ocidente. Segundo relatório divulgado pela plataforma de entretenimento Vulture, no início de outubro, cerca de 90 países emplacaram a série no 1º lugar por, pelo menos, quatro dias seguidos. Isso torna Round 6 a primeira série original da Netflix a obter tal recorde.

Fenômeno Round 6 se torna um marco para produções cinematográficas sul-coreanas

De acordo com o professor e coordenador do curso de Cinema e Mídias Digitais do Centro Universitário IESB, Paulo Duro, o fenômeno certamente abre portas para que outras produções vindas da Ásia sejam reconhecidas pelo mundo inteiro, e isso vem desde 2020, quando o filme sul-coreano Parasita ganhou o Oscar de Melhor Filme. “Toda vez que a mídia tem um grande sucesso assim, outras possibilidades são abertas para o público. Mas isso já tem acontecido naturalmente. Por exemplo, eu tenho três adolescentes em casa e vejo que eles já buscam coisas diferentes, de outros idiomas”.  

E não é só no aspecto cinematográfico que a Coreia do Sul se posiciona como um fenômeno extraordinário de cultura e entretenimento. Cada vez mais músicas, cartoons e jogos digitais são exportados e conquistam o público ocidental. Só em 2018, essa onda cultural garantiu uma renda para o país superior a US$ 7,4 bilhões, segundo dados divulgados pela Agência Brasil

O professor Paulo Duro comenta que o grande diferencial dessas produções asiáticas que cativam o olhar do público é a qualidade. “Os produtores têm buscado, trabalhado nisso e investido para vender produtos culturais de alta qualidade, fora o apoio do governo”, afirma. Valéria Ross, 22 anos, é uma grande fã de produções asiáticas, e não só sul-coreanas. Ela consome séries tailandesas e chinesas também, e conta que o que difere das séries ocidentais, no caso de um romance, é a inocência que rodeia o casal principal. “A história é toda construída e o primeiro beijo sempre demora a acontecer. Nos americanos, geralmente, isso acontece no primeiro episódio”. 

Para a autônoma e administradora da página do Instagram “Dorameiros BR” Lidiane Lelis, 23 anos, os enredos dos dramas sul-coreanos são diferentes de tudo que ela já viu, pois até uma simples comédia romântica tem uma problemática misteriosa por trás, o que torna, segundo ela, tudo mais interessante. Lidiane conheceu as produções asiáticas em 2019 e a partir dessa paixão, criou uma página no Instagram para compartilhar um pouco sobre esse interesse. Hoje, sua página acumula pouco mais de 30 mil seguidores apaixonados por doramas.

Séries sul-coreanas que valem a pena assistir

Muitos dos que assistiram Round 6 voltaram seus olhares para outras séries asiáticas. Além do fenômeno, outras produções também chamaram a atenção do público após o lançamento e são boas apostas para quem quer assistir um outro drama sul-coreano. Confira abaixo algumas sugestões: 

Vincenzo

Vincenzo, 2021, está disponível na Netflix | Foto: Reprodução

Lançado em abril deste ano, Vincenzo conta a história de Vincenzo Cassano, um advogado coreano que mora na Itália desde os 8 anos, após ter sido adotado como consequência de uma traição de gangue. Ele, agora, trabalha para uma família de mafiosos italianos, que vive sempre em pé de guerra com outras facções.

Kingdom

Kingdom, 2019, está disponível na Netflix | Foto: Reprodução

No enredo de Kingdom, o príncipe herdeiro da dinastia Joseon assume a missão de investigar uma misteriosa epidemia que assolou a população local. Lá, o jovem não demora a perceber que a situação é ainda pior do que ele imaginara. Agora, ele precisa travar a batalha mais violenta de sua vida a fim de proteger seu reino.

Pousando no amor

Pousando no amor, 2019, está disponível na Netflix | Foto: Reprodução

Em Pousando no amor, a rica empresária de Seul Yoon Se-Ri se acidenta com um parapente e vai parar na Coreia do Norte. Suas aventuras no país mais fechado do mundo incluem relacionar-se com as pessoas de uma vila rural e com o capitão Ri Jong-Hyeok, que a encontra.